A maior feira de livros infantis

Foto de entrada da Feira de Livros Infantis de Bolonha, na Itália - Reprodução da CBL

27/3/2013 – 19:44h

Na cidade italiana de Bolonha, a maior feira do livro internacional, dedicada à literatura infantil e juvenil, encerra-se dia 28 de março. A Feira de Bolonha completou este ano o seu 50º aniversário e reuniu 1.200 expositores de 66 países. A Suécia está sendo o país homenageado, mas 2014 será o ano do Brasil.

Logo na sua terceira edição, em 1966, a Feira de Bolonha instituiu o prêmio Ragazzi Award que elege a melhor obra em termos de design gráfico e editorial – já ganharam Maurice Sendak, Bruno Munari, Milton Glaser, entre outros. Em comemoração aos 50 anos, a feira premiará também este ano a melhor editora infantil e juvenil de cada região do planeta, ou seja, Europa, América do Norte e do Sul, América Central, África, Ásia e Oceania. Do Brasil concorre apenas a editora Cosac Naify, que venceu o BOP Bologna Prize na categoria América Central e Latina.

E não é a única comemoração da Cosac em Bolonha. A Internationale Jugendbibliothek, a maior biblioteca internacional de literatura infantil e juvenil, localizada em Munique, Alemanha, todo ano lança seu catálogo, o White Ravens, na feira de Bolonha. O catálogo se tornou referência mundial na indicação das melhores obras publicadas no ano. E cinco editoras brasileiras tiveram títulos incluídos no White Ravens de 2013: Callis, Cosac Naify, Galera Record, Iluminuras e Scipione.

Os títulos são: Psssssssssssssiu! (Callis) de Silvana Tavano com ilustrações de Daniel Kondo; Aquela água toda (Cosac Naify) de João Anzanello Carrascoza, ilustrado por Leya Mira Brander; As 17 cores do branco (Galera Record) de Luiz Raul Machado com ilustrações de Ana Freitas; A fome do lobo (Iluminuras) de Cláudia Maria de Vasconcellos com Odilon Moraes e Caçada (Scipione) com texto e ilustração de Fernando Vilela.

Ainda em comemoração ao aniversário, os organizadores da Feira de Bolonha lançam um livro contando a história dos 50 anos da feira que, apesar der ser um marco de tradição, não deixa de estar aberta a inovações, sediando o Tools of Change Bolonha e criando um prêmio para obras digitais, o Digital Ragazzi, este ano em sua 2ª edição.

Para o Brasil, o clima é de preparação para o ano que vem, quando será país homenageado pela segunda vez. Seis autores brasileiros estão presentes na Feira italiana este ano: Ana Maria Machado, Anielizabeth Cruz, Maurício de Sousa, Anna Claudia Ramos, Roger Mello e Sandra Pina. O estande de 128 m2 deve, segundo a Câmara Brasileira do Livro (CBL) “antecipar o que será visto em 2014, quando levará cerca de 30 autores para participar de leituras públicas, palestras e atividades, tanto na feira como em livrarias, universidades, museus e bibliotecas da cidade italiana”.

Fonte: PublishNews – Iona Teixeira Stevens