Entre as quatro linhas

25/6/2013 – 20:56h

Livros infantis com histórias sobre o futebol foram produzidos pelas editoras brasileiras para serem lançados durante a Copa das Confederações e Copa do Mundo. Não há como negar que as crianças brasileiras gostam muito do futebol e o tema motiva a leitura. “As Quatro Linhas: a hora da virada”, publicado pela Editora Biruta em 2010, acompanha uma turma de meninos que não entendia nada de futebol e nunca era chamada para fazer parte dos times do colégio. Até que o professor de educação física, Matias, organiza um torneio de futebol, e Júnior e seus amigos resolvem mostrar do que são capazes.

De maneira divertida e muito envolvente, o autor Denis Winston Brum, de Porto Alegre, fala de futebol da primeira à última linha do livro. Júnior, Comédia, Dado, Tanque, Cláudio e os demais jogadores do time são treinados por Nico e Aranha Arruda, veteranos do futebol gaúcho, que despertam neles o sentido de amizade e união, essencial para o sucesso do grupo.  As ilustrações são de Daniel Argento. A linguagem ágil lembra a narração de uma partida, e o projeto gráfico da Editora Biruta, sempre ousado, faz menção a um campo de futebol. Fica aqui o convite da equipe Mico-Preto para sua partida de estreia! Será que eles serão capazes de vencer Hique, o capitão do melhor time da escola?

Outros temas

Além do relançamento sobre futebol, a Editora Biruta está colocando no mercado editorial brasileiro “Vagalumice”, o terceiro livro da sua coleção Que bicho sou eu? Assim como nos outros títulos da série, “Aranha por um fio” e “Sapo a passo”, o autor Laurent Cardon se utiliza de um conteúdo exclusivo de imagens para contar a história de bichinhos que terão que descobrir – ou reinventar – uma forma de crescer e interagir com o seu grupo. São ilustrações muito coloridas, que ganham força com a ausência de palavras. O autor proporciona uma leitura que exige concentração e uma boa dose de criatividade, já que a história dá margem à uma infinidade de possibilidades de diálogos.

Neste lançamento, papai e mamãe vaga-lume levam seu filhote para a escola, onde o professor tem uma missão: ensinar os pequenos a utilizarem a sua famosa luz como meio de comunicação. Mas quem disse que o filhote vaga-lume quer brilhar igual aos outros de seu grupo? Ele pisca mais forte que os demais, o que lhe causa alguns probleminhas – até que o médico vaga-lume dá um jeito para que o pequeno vaga-lume possa brilhar à vontade.

A árvore mágica

Os animais da savana estão famintos e o clima está quente como nunca. Bem de longe eles avistam uma árvore com frutos vermelhos, que parecem ser extremamente suculentos. Mas, para a decepção deles, há no tronco cascudo uma gigantesca serpente píton. Ela lança um desafio: os bichos só poderão se deliciar com os frutos se souberem o nome da árvore. A tartaruga dá a dica e diz que só o rei da selva sabe como se chama, e que, por isso, alguém terá de ir visitá-lo para descobrir o que tanto precisam. Os animais se organizam, e, então, um por um, vão atrás do leão. Será que eles conseguem?

Em ”Bojabi – A árvore mágica”, outro lançamento da Editora Biruta, a proposta da autora Dianne Hofmeyr, da África do Sul, é utilizar elementos repetitivos para criar uma jornada – baseada em um conto tradicional africano – que envolve os animais trabalhando em conjunto para conseguirem as frutas que tanto desejam. Com a ajuda das ricas ilustrações de Piet Grobler e de uma sonoridade ritmada, a autora considera as particularidades de cada animal numa narrativa divertida, e, assim, propõe a valorização das qualidades individuais dos pequenos leitores.