Biblioteca vira Centro de Mídia para a Copa 2014

O prédio da Biblioteca Nacional de Brasília

13/7/2013 – 23:59h

A Biblioteca Nacional de Brasília foi o local que abrigou os jornalistas brasileiros e estrangeiros na abertura da Copa das Confederações. A experiência de utilizar uma biblioteca para a montagem do centro de Imprensa com uma estrutura para atender à mídia de TV, rádio, impressos e portais foi possível graças a uma parceria entre a Subsecretaria de Políticas do Livro e da Leitura da Secretaria de Cultura e a Secretaria Extraordinária da Copa 2014.

Clique à direita na categoria Entrevistas deste blog para conhecer em detalhes esta experiência da Biblioteca Nacional de Brasília.

As inquietações das crianças

11/7/2013 – 19:42h

Vou comentar sobre um livro que o escritor Júlio Gonçalves Dias lançou há dois anos pela Editora Formato/Saraiva, “A menina e o Sol”, que foi ilustrado por Constança Lucas. Este livro já faz parte do projeto Livro na sala de aula da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

O texto, por meio do diálogo entre mãe e filha, aborda inquietações de uma criança, inclusive o delicado tema da morte. Quem descreve bem a obra é a educadora  Madalena Freire: A Menina e o Sol retrata, de maneira sensível e poética, os “porquês” das crianças. Perguntas simples, e, por isso mesmo, tão profundas, sobre a existência, o mundo, os afetos e a vida.

Não é por acaso que Júlio Gonçalves Dias, tem formação em Filosofia (além de ser sociólogo). Muitas das perguntas que as crianças se fazem, especialmente nesta idade que “A Menina e o Sol” representa, têm a possibilidade de um aprofundamento tão bem lapidado e sensível, dentro de um curto diálogo na essência que o fio da pergunta lança. É um diálogo bem dosado que instiga o “desembrulhar” da menina para outras e mais outras perguntas… sendo fiel às inquietações das crianças ao se debruçarem, curiosas, para conhecer o mundo.

Fica aqui, portanto, a sugestão de mais um obra para ser apresentada às crianças.

Concurso de literatura infantil e juvenil

10/7/2013 – 18:53h

A Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) está recebendo inscrições para o IV Concurso Cepe de Literatura Infantil e Juvenil até o dia 30 de agosto deste ano. O prêmio total tem o valor de R$ 32.000,00 (trinta e dois mil reais).

Regulamento e informações no portal www.cepe.com.br e no site editora.cepe.com.br.

100 editoras brasileiras na feira alemã

7/7/2013 – 21:33h

No ano em que o Brasil é o País Homenageado da Feira do Livro de Frankfurt _ considerada a maior do mundo e que será realizada de 9 a 13 de outubro deste ano _ a produção editorial brasileira ganha ainda mais destaque no evento. O já tradicional Estande Coletivo do País, localizado no Hall 5.1, teve o espaço ampliado para 700 metros quadrados e abrigará as mais de 100 editoras que vão expor seus livros e projetos editoriais. Foram selecionados 70 escritores brasileiros para representar o país no evento.

Para tornar essa participação brasileira em Frankfurt ainda mais expressiva e gerar oportunidades de crescimento dos negócios, não apenas com a Alemanha, mas mundialmente, a pedido da Fundação Biblioteca Nacional (FBN), a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e o projeto setorial Brazilian Publishers (BP), parceria da CBL com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), desenvolveram um conjunto de atividades que estão sendo intensivamente executadas desde o ano passado para organizar ações de promoção comercial que fomentem a exportação do conteúdo editorial brasileiro nos mercados-alvo do projeto.

As editoras

O Estande Coletivo do Brasil será ocupado por mais de cem editores, de quatro regiões brasileiras, dez Estados e o Distrito Federal. “Nossa expectativa é grande, pois o país estará em destaque e temos que aproveitar o interesse de editores para mostrar nosso potencial editorial”, afirma Miriam Gabbai, da editora Callis, que participa da feira desde 1992, e deverá levar na bagagem 63 títulos infantis e juvenis.

Outro entusiasta do evento é Breno Lerner, da Melhoramentos, editora que há mais de 50 anos expõe em Frankfurt. “Sendo o Brasil o país homenageado e, a buscar por nossa experiência prévia de 1994, mais editores deverão se interessar por nossos livros e autores, além dos que já estarão lançando autores brasileiros na feira – no nosso caso, Ziraldo e Alex Atala”, destaca o publisher.  Há 33 anos participando diretamente da feira, ele ensina: “Quem estiver na primeira participação não deve se fascinar ou se atemorizar com o tamanho do evento”. Ele dá outras dicas: o ideal é ir direto aos pontos de interesse, preparar o material de apresentação, agendar previamente as reuniões e marcá-las sequencialmente, no mesmo pavilhão.

“Ir a Frankfurt é importante para compreender o tamanho e a força do mercado editorial no mundo todo. É profissionalizante”, ressalta Mariana Warth, da Pallas Editora, que vê como positiva a prospecção de negócios realizada em edições anteriores. A Pallas, que há 40 anos publica livros sobre cultura afro-brasileira e afrodescendente, nesta edição apresentará também livros infantis. Ao todo, são mais de mais de 200 títulos, que constam do catálogo nacional da editora.

Ainda no Estande Coletivo do Brasil, a CBL contará com um espaço para cerca de 60 lugares, que será palco de atividades com conteúdos relacionados à área de negócios, à venda de direitos autorais e a outros temas que tenham como objetivo dar visibilidade à produção editorial brasileira no mercado internacional.

Renove a estante

6/7/2013 – 19:14h

Pegue os livros que já leu e vá trocá-los por outros que gostaria de ler. Participe, amanhã, domingo, dia 7, da Feira de Troca de Livros do Projeto SeuMeuNosso, que será realizada de 10 às 13:00 horas, na Praça República do Líbano, no Bairro São Bento, em Belo Horizonte.

Segundos os organizadores, o projeto SeuMeuNosso “foi criado para incentivar a troca como uma opção coletiva e promover ações que melhorem a ambiência dos espaços urbanos…
A troca….
O desapego…
A sustentabilidade…
O hábito da leitura….
O mundo da literatura…
A valorização das nossa praças…
O coletivo acima do individual…
E a certeza de que o que é seu e do que é meu pode ser nosso”.

História criada a 100 mãos

A escritora Mirna Pinsky, autora de 46 títulos e mais de 3,6 milhões de livros editados, propôs às crianças escreverem um livro coletivo durante a Flipinha

5/7/2013 – 20:45h

Até domingo, a Feira Literária Internacional de Paraty dedicada às crianças, Flipinha, segue com sua programação que visa aproximar os pequenos leitores, crianças entre 6 e 11 anos, dos autores mais consagrados no Brasil. Um desses encontros inovou. A escritora Mirna Pinsky, autora de 46 títulos e mais de 3,6 milhões de livros editados, propôs escrever um livro coletivo durante o encontro.

“Alguém tem um nome para essa história?”, perguntou Mirna, que logo atraiu a atenção da garotada.

Aos poucos, o grupo cercou a autora, que começou fazendo perguntas sobre o que as crianças queriam escrever. Rapidamente, as ideias passaram a saltar daquelas cabecinhas e se transformaram em palavras na telinha do computador. Mirna digitou em pouco mais de meia-hora uma história sobre os amigos Júlia e Gabriel, e o cachorro Tim-tim.

“Comecei a escrever com alunos da quarta série em 2002, em visitas semanais a escolas da rede estadual e municipal de São Paulo”, explicou a autora, ganhadora de vários prêmios, entre eles dois Jabuti (1981 e 1995) – o mais importante da literatura do Brasil _ com os títulos As muitas mães de Ariel e Carta errante, avó atrapalhada, menina aniversariante.

A mineira Adriana, de 9 anos, não saiu de perto de Mirna Pinsky até ver o ponto final da história coletiva, que, por sugestão da própria escritora, pode ser disponibilizado na íntegra no site oficial da Flipinha. “Adorei fazer isso. E gostei muito também desses livros pendurados. Aqui, podemos mexer em tudo. É muita história junta para a gente conhecer, né?”, disse a pequena Adriana, garantindo que vai pedir à mãe para voltar no ano que vem.

Qualidade literária

Durante a Flip 2013, a Câmara Brasileira do Livro e a Biblioteca Nacional promoveram uma coletiva de imprensa para falarem a respeito da Feira do Livro de Frankfurt, que este ano vai homenagear o Brasil, de 9 a 13 de outubro. Juergen Boos, diretor da feira, também participou da coletiva juntamente com os dirigentes Karine Pansa, CBL, e Renato Lessa, BN.

Juergen Boos se disse empolgado com a participação do Brasil no evento e elogiou a produção literária do país. “Já dá para sentir a presença brasileira no mercado editorial alemão. Parabéns”, disse ele. Karine Pansa, da Câmara do Livro, destacou o trabalho para vender direitos autorais de escritores brasileiros no exterior, especialmente em eventos como a Feira de Frankfurt. “Já somos conhecidos como um país comprador de livros, agora queremos ser conhecidos como vendedores de direitos autorais”.

Entre os escritores selecionados, estão Paulo Coelho e Marçal Aquino na categoria Prosa. Também estão na seleção Lília Moritz Schwarcz (na categoria Conhecimentos/Sabores/Biografias), Gabriel Bá (HQ), José Miguel Wisnik (Crítica), Ruth Rocha, Ziraldo, Maurício de Sousa (Infanto-Juvenil), Ignácio de Loyola Brandão, Cristovão Tezza, Daniel Galera, Lourenço Mutarelli e João Ubaldo Ribeiro (Prosa). No dia 8 de outubro, a Cerimônia de Abertura da Feira do Livro contará com os escritores Ana Maria Machado e Luiz Ruffato e a ministra da Cultura, Marta Suplicy.

Mauricio Sousa conta história

3/7/2013 – 20:21h

O criador da Turma da Mônica, Mauricio de Sousa, gravou um vídeo para a Fundação Itaú Social para sensibilizar os adultos a lerem para os pequenos e, assim, contribuir para a garantia de seus direitos e para o seu pleno desenvolvimento.

A ação faz parte da campanha “Leia para uma criança”, desenvolvida pela Fundação desde 2005, que já distribuiu gratuitamente 22 milhões de livros infantis no Brasil. O desenhista narrou a bela história escrita por André Neves, “Margarida”, além de mostrar, também em vídeo, a importância e o valor do ato de ler para as crianças.

A apresentação de Maurício Sousa pode ser acompanhada pelo Hangout On Air, uma ferramenta de transmissão do Google, em

https://plus.google.com/+Itau. Se preferir, o leitor pode ainda assistir ao vídeo no Youtube em http://youtu.be/OgKcrI6vq8k ou na página do Itaú no Facebook.

A festa da Flipinha

2/7/2013 – 19:32h

A Flipinha começa dia 3, no Rio, e homenageia Graciliano Ramos com uma programação especial para crianças e adolescentes a ser desenvolvida até o dia 7 em espaços exclusivos: biblioteca, a famosa Tenda da Flipinha, Pés de Livros e Praça Matriz. A programação completa está no site www.flipinha.org.br. Os participantes vão interagir com os principais escritores e ilustradores dedicados à literatura infantil.

A cultura popular inspirou os bonecos em papel marchê que decoram a Praça da Matriz, da cidade de Paraty - Foto: Divulgação

Já é tradição durante a Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) e seu desdobramento educacional, a Flipinha, que Praça a Matriz da cidade histórica ganhe uma decoração especial.

Neste ano, em que o homenageado é Graciliano Ramos, o tema será a cultura popular. A curadoria imaginou os já famosos bonecos de papel machê a partir de algumas obras do autor, visitando ainda algumas histórias de cordel e personagens do folclore nacional, como o Jeca Tatu, de Monteiro Lobato.

Sob o olhar experiente e apurado do artista Lúcio Cruz, responsável pela coordenação do projeto, uma equipe afiada trabalhou para levar esse mundo de fantasia até a praça. Entre artistas, figurinista, costureira e ajudantes, estão Patrícia Gibrail, Geninho Figueira, Raphael Barros, Suely Jeremias e Marcelino dos Santos, além de jovens da comunidade que foram selecionados como monitores.

São oito instalações baseadas nas seguintes obras de Graciliano Ramos: A terra dos meninos pelados, Alexandre e outros heróis, Vidas Secas, São Bernardo, Infância, além de Moura torta, literatura de cordel, versão de Marco Haurélio; Urupês e Jeca Tatu, de Monteiro Lobato e mais personagens do folclore – Armazém do Folclore, Ricardo Azevedo.

Férias na biblioteca

1/7/2013 – 17:14h

A Fundação Municipal de Cultura (FMC) preparou uma programação especial de férias para crianças e jovens em 19 bibliotecas públicas de Belo Horizonte. Durante todo o mês de julho, serão promovidas diversas atividades em torno da escrita e da leitura, que acontecem na Biblioteca Infantil e Juvenil de Belo Horizonte, nas Bibliotecas Regionais e nas bibliotecas dos Centros Culturais da FMC. Toda a programação é gratuita e pode ser pesquisada no site www.bhfazcultura.pbh.gov.br

Contos de fadas, histórias da literatura infantil e juvenil e da tradição oral fazem parte das oficinas literárias, que têm como objetivo promover e valorizar a leitura, especialmente a literária, como uma prática cultural. Na maioria das oficinas, há leitura de textos literários e, posteriormente, os orientadores desenvolvem atividades práticas com o público.

As crianças e jovens também são estimulados a criar. Na oficina “Flipbook: criando livros animados”, coordenada por Vanessa de Oliveira, os participantes aprendem a desenvolver um flipbook, pequeno livro animado, no qual texto e imagem são trabalhados cineticamente. Já na oficina “Como fazer tiras sem ter ideias”, os orientadores Luiz Felipe Garrocho e Ricardo Tokumoto exploram os diferentes formatos de tira, o timing do humor, a expectativa e quebra de expectativa em busca de construir ferramentas para a finalização de uma tira de humor. Ao final, eles propõem aos participantes a construção de tiras a partir da experiência de cada um.

Fabíola Farias, chefe do Departamento de Coordenação das Bibliotecas e Promoção da Leitura da FMC, classifica as oficinas como um convite à fantasia. “O contato com a literatura nos possibilita o conhecimento de outros tempos e lugares, nos permite experimentar a experiência de outras pessoas, além de nos mostrar que as palavras constroem um mundo e um pensamento novo que nos ajudam a viver”.

Bibliotecas Públicas

As bibliotecas públicas geridas pela Fundação Municipal de Cultura oferecem para toda a população, gratuitamente, jornais e revistas para leitura local, empréstimo de livros, acesso à internet, oficinas literárias, rodas e clubes de leitura e encontros com escritores. Nesses espaços podem ser encontradas milhares de publicações, tais como narrativas literárias e por imagem, poemas, romances, contos, crônicas, gibis, histórias em quadrinhos, textos teatrais, informativos, dicionários e almanaques.

Para pegar livros, gibis e revistas emprestados, basta se cadastrar em uma das bibliotecas apresentando documento de identidade e comprovante de residência. Os menores de 12 anos precisam da autorização dos pais ou responsáveis para fazer a carteirinha de leitor.