Dica de site para incentivar a leitura

16/7/2014 – 17:16h

Devoradores de Livros ajuda pais e professores a desenvolver o hábito da leitura independente da criança, apresentando um jogo divertido no qual ler é a parte principal para conseguir as recompensas online.

A criança vai buscar ler cada vez mais livros com muita atenção pois quer acertar todas as perguntas. Pais e professores podem acompanhar pelos relatórios o histórico de leitura das crianças e verificar a sua compreensão do texto.

O papel principal dos responsáveis e educadores ao usar o Devoradores de Livros é garantir sempre combustível para as crianças continuarem jogando: livros legais, coloridos e cheios de surpresas!

Acesse e confira: www.devoradoresdelivros.com.br

Quem disse que brasileiro não lê?

14/7/2014 – 17:34h

Karine Pansa*

Os primeiros resultados do Vale Cultura, relativos ao movimento acumulado de janeiro a junho de 2014, questionam o dogma de que o brasileiro não lê: 88,01% dos R$ 13,65 milhões consumidos no período pelos portadores dos 215.249 cartões emitidos referem-se à compra de livros, jornais e revistas. Seguem-se o cinema (9,26%), instrumentos musicais e acessórios (1,32%), CDs e DVDs (0,66%) e artes cênicas, espetáculos e demais atividades culturais (0,75%).

Observa-se nessas estatísticas oficiais do Ministério da Cultura que, em números absolutos, os beneficiários do programa aplicaram R$ 12,02 milhões em leitura nos primeiros seis meses de sua execução prática. Trata-se de um dos mais importantes investimentos que se pode fazer, considerando os dividendos obtidos no mercado de trabalho, na formação escolar e acadêmica e na vida. Afinal, aquisição de informação e conhecimento contribui de modo muito significativo para a boa formação e desenvolvimento dos indivíduos.

Os dados podem parecer surpreendentes ante o índice histórico de leitura no Brasil, muito abaixo do que se observa nas nações desenvolvidas e atrás também de alguns emergentes, como a nossa vizinha Argentina. No entanto, os resultados do Vale Cultura, incontestáveis quanto à opção pelos livros, jornais e revistas no primeiro semestre deste ano, referendam na realidade do mercado uma tendência que já havia sido apontada na última edição da pesquisa Retratos da Leitura.

Realizado pelo Instituto Pró-Livro, em parceria com a CBL (Câmara Brasileira do Livro), Abrelivros (Associação Brasileira de Editores de Livros Escolares) e SNEL (Sindicato Nacional dos Editores de Livros), o estudo havia demonstrado, em 2012, que metade dos 178 milhões de leitores em potencial do País (habitantes com cinco anos ou mais), dedicara-se à leitura de pelo menos uma obra no ano anterior. Estamos falando de 89 milhões de pessoas. Interessante lembrar que 64% delas disseram perceber os livros como “fonte de conhecimento para a vida”.

O paradigma de que o brasileiro não gosta de ler vai sendo derrubado à medida que a população tem mais acesso aos livros, jornais e revistas. Estamos assistindo a uma paulatina mudança histórica. São várias as causas dessa transformação, dentre elas a democracia, a liberdade de imprensa e expressão, a estabilidade da moeda, a maior inclusão socioeconômica, programas como o Vale Cultura e de distribuição de obras didáticas, literárias e paradidáticas aos alunos das redes públicas do Ensino Fundamental e do Médio.

É preciso aproveitar bem essa tendência, criando-se um círculo virtuoso impulsionado pela cultura e apropriação do conhecimento pelos brasileiros. Isso é determinante para o desenvolvimento nacional, em cuja conquista ainda temos um longo caminho a percorrer no tocante ao aperfeiçoamento do Estado, retomada de níveis mais consistentes e duradouros de crescimento econômico, distribuição de renda e democratização das oportunidades. Como se observa, a leitura é protagonista dessa história.

*Empresária do setor editorial e presidente da Câmara Brasileira do Livro

Jabuti encerra inscrições com sucesso

11/7/2014 – 19:40h

Com 27 categorias, este ano a 56ª edição do Prêmio Jabuti recebeu 2.240 inscrições, um número superior ao concurso do ano passado que teve 2.107 obras inscritas. Mas deste número não dá para saber exatamente quantos se referem à obras de literatura infantil. Segundo a assessoria de imprensa da Câmara Brasileira do Livro (CBL), não é possível separar o número de inscritos por categoria.

Editores, autores, ilustradores, tradutores, capistas e designers puderam inscrever obras inéditas, editadas no Brasil, entre 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2013. O aumento no número das obras inscritas demonstra o fortalecimento da maior condecoração literária do país.

O Jabuti 2014 tem novidades. Além da escritora e professora Marisa Lajolo assumir a curadoria do Jabuti, a cerimônia de entrega do prêmio também estará de casa nova. Depois de oito anos sendo realizada na Sala São Paulo, as tão desejadas estatuetas chegarão às mãos dos vencedores no Auditório Ibirapuera, em 18 de novembro.

Os laureados em todas as categorias que compõem o prêmio receberão o troféu Jabuti e o valor de R$ 3,5 mil. Os vencedores do Livro do Ano – Ficção e Livro do Ano – não Ficção serão contemplados, individualmente, com o prêmio de R$ 35 mil, além da estatueta dourada.

Um júri composto por especialistas, indicado pelo Conselho Curador do Prêmio, escolherá os vencedores. Este conselho ficará responsável pelo acompanhamento e julgamento de todas as etapas do prêmio, bem como pelo julgamento de casos não contemplados no Regulamento.

Vendas de livros durante a Copa

9/7/2014 – 19:14h

O mês de junho, início da Copa no Brasil, era temido pelo mercado editorial, mas comparado com a lista de maio, a lista geral de junho vendeu apenas 3.858 exemplares a menos. Porém , há um fator importante a considerar. A culpa é das estrelas (Intrínseca), primeiro lugar na lista dos mais vendidos desde fevereiro de 2014, vendeu 57.368 exemplares a mais em junho, cerca de 45% a mais do que em maio.

Tá tendo Copa, mas tá tendo Culpa nas livrarias e cinemas. Os três primeiros lugares na lista geral de junho permaneceram iguais, A culpa é das estrelas (Intrínseca), Destrua este diário (Intrínseca) e Ansiedade (Saraiva). Já no quarto lugar Quem é você, Alasca? (WMF Martins Fontes) voltou, depois de ficar em sexto lugar em maio.  A única novidade na lista geral foi Princesa adormecida (Galera Record) que ficou em 18º lugar.

No ranking mensal das editoras, a diferença entre as três primeiras foi de apenas um livro; em maio a diferença foi de dez títulos entre o primeiro e segundo lugares. Sextante continua liderando o grupo, com 18 títulos, Intrínseca com 17 e Record com 16. Companhia das Letras e Santillana empataram em quarto com 11 livros cada.

Fonte: PublishNews

Estudante escreve biografia de Neymar

6/7/2014 – 20:19h

Livro do adolescente, no entanto, foi lançado antes da agressão sofrida pelo craque no jogo contra a Colômbia e que o deixou fora da semi (e) final da Copa do Mundo.

Willian Souza é fã de Neymar a quem dedicou seu primeiro livro Foto: Carlos Moraes/Agência O Dia

O atacante Neymar ganhou uma biografia inusitada. O autor é carioca e tem 14 anos. Aluno da Escola Municipal Mário Cláudio, no Rio Comprido, Willian Nascimento Souza é fã do craque da Seleção Brasileira e apresentou o livro durante o 16º Salão do Livro para Crianças e Jovens, realizado no Centro de Convenções Sulamérica.

“Pesquisei tudo que falam sobre o Neymar na internet para poder escrever esse livro”, conta o adolescente, que tenta seguir carreira no futebol e já fez testes em grandes clubes da cidade. “Jogo desde os sete anos. Quem sabe ainda não consigo jogar junto dele?”, sonha o garoto, atualmente disputando torneios amadores de futebol de salão.

Apesar de seguir todos os passos de Neymar, Willian tem outro jogador da Seleção entre suas referências. Lateral-esquerdo titular do time de Felipão, Marcelo deu seus primeiros passos no mesmo clube que o jovem defende atualmente. “Meu professor foi o mesmo dele e guarda até hoje a ficha de inscrição do Marcelo. Quero chegar onde ele chegou”, disse Willian.

Confiante que o talento com a bola nos pés pode lhe garantir um futuro tranquilo, o morador do Catumbi também é muito elogiado pelo texto que produziu sobre o craque. “O Willian escreve muito bem, quase não encontramos erros”, afirma a professora Alessandra Brandão, à frente da sala de leitura do colégio da Zona Norte.

Ela conta que a iniciativa de escrever a biografia do artilheiro da Seleção na Copa do Mundo partiu do próprio Willian e pegou os professores da escola de surpresa. “Na sala de leitura, incentivamos as crianças a escreverem um pouco, mas o Willian apareceu na aula com um livro pronto. Escritor ou jogador, ele terá um futuro brilhante”, conclui a orgulhosa professora.

Fonte: Jornal O Dia

Dicas para vender mais ebooks

3/7/2014 – 23:45h

Segundo o especialista Eduardo Melo, diretor da Simplissimo, o mercado do livro digital começou a amadurecer no Brasil. Um número expressivo de editoras e profissionais já dominam a produção de ebooks e muitos autores descobriram a auto-publicação digital.

Apesar disso, o problema “como promover os ebooks” segue permanentemente em pauta… ninguém se atreve a dizer que é fácil fazer um ebook chegar às mãos dos leitores e falta uma discussão prática, específica sobre isto. O especialista selecionoui 10 dicas e ideias de marketing para ebooks, exatamente, para isso: para estimular as ideias!

Segundo ele, alguns dos principais desafios para quem está migrando para o ebook são o comércio, a distribuição, o conhecimento sobre os números de vendas (entre outros dados), além de como trabalhar melhor o marketing e fazer com que as pessoas passem a preferir o ebook. Em vista disso, o site Futurebook listou 25 dicas para ajudar ou dar ideias de como superar esses desafios. Destas, vamos apresentar 10 dos itens mais importantes:

  1. Use palavras-chave, para facilitar a identificação de sua obra. Uma boa dica é a ferramenta Scribe, que foi criada para otimizar informações sem comprometer a integridade do texto.
  2. Evite informações repetidas e/ou duplicadas.
  3. Forneça aos varejistas dados específicos da obra.
  4. Crie informações que possam ser lidas rapidamente pela internet.
  5. Na web, certifique-se de especificar exatamente o que é título e subtítulo, para que ferramentas de busca possam identificar corretamente a obra.
  6. Explore o que o ebook tem de bom, incorporando links (entre outras coisas) para que o leitor tenha uma experiência mais bacana.
  7. O ebook também possibilita outras formas de comercialização: por exemplo  é possível distribuir amostras cobrando apenas um tweet, isso faz com que as pessoas não somente passem aderir o livro digital, como auxilia na publicidade.
  8. Junte-se à blogosfera: se criar um blog não é para você, afilie-se aos blogueiros que já contam com certa audiência e precisam de conteúdos.
  9. Use anúncios das redes sociais ou do Adwords. Eles tendem a ser inteligentes o suficiente para direcionar seu produto ao público certo, e isso tudo por um custo relativamente baixo se comparando-os a outros tipos de propaganda.
  10. Mesmo depois que seu ebook foi posto à venda, é necessário ficar sempre de olho em como ele está sendo viabilizado, visualizado e recebido. Em outras palavras, isso significa que é preciso estar atento para saber se as informações disponibilizadas estão de fato sendo bem entendidas, se o impacto idealizado deu resultado, se as pessoas estão encontrando com facilidade e se elas se sentem satisfeitas com a compra.

Os outros itens da lista, você pode conferir aqui.