Literatura brasileira no exterior

9/12/2014 – 19:09h

Ministério da Cultura divulgou hoje nomes dos 48 escritores que representarão o Brasil no Salão do Livro de Paris 2015.

Ministra interina da Cultura, Ana Cristina Wanzeler

Em evento na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, a ministra interina da Cultura, Ana Cristina Wanzeler, anunciou nesta terça-feira, 9/12, os nomes dos 48 escritores que representarão o Brasil no Salão do Livro de Paris 2015. Na 35ª edição do evento, entre 20 e 23 de março, o Brasil será o país homenageado e contará com espaço de 500 metros quadrados destinados à venda, exposição de livros e palestras com autores. Haverá ainda programação cultural paralela.

Os autores escolhidos são Adauto Novaes, Adriana Lisboa, Adriana Lunardi, Affonso Romano de Sant’Anna, Alberto Mussa, Ana Miranda, Ana Paula Maia, Angela Lago, Bernardo Carvalho, Betty Mindlin, Betty Milan, Bosco Brasil, Carola Saavedra, Cristovão Tezza, Daniel Galera, Daniel Munduruku, Davi Kopenawa, Edney Silvestre, Edyr Augusto, Fabio Moon, Fernanda Torres, Fernando Morais, Férrez, João Carrascoza, Leonardo Boff, Lu Menezes, Luiz Ruffato, Marcelino Freire, Marcello Quitanilla, Maria Conceição Evaristo, Marina Colasanti, Michel Laub, Milton Hatoum, Nélida Piñon, Paloma Vidal, Patrícia Melo, Paulo Coelho, Paulo Lins, Ricardo Aleixo, Rodrigo Ciríaco, Roger Mello, Ronaldo Correia de Brito, S. Lobo, Sérgio Rodrigues, Sérgio Roveri e Tatiana Salem Levy.

Além deles, um acordo com a Academia Brasileira de Letras (ABL) permitiu levar mais três imortais para a capital francesa: Ana Maria Machado, Antônio Torres e Nélida Piñon.

A seleção dos autores é resultado da parceria entre o Centro Nacional do Livro francês e do Comitê brasileiro, formado por 24 integrantes, entre titulares e suplentes, com representantes de secretarias e órgãos do Ministério da Cultura (MinC) e do Ministério das Relações Exteriores (MRE); do Conselho Diretivo do Plano Nacional de Livro e Leitura (PNLL); e de entidades representativas do setor, como a Câmara Brasileira do Livro (CBL); União Brasileira de Escritores (UBE); Liga Brasileira de Editoras (LIBRE); Associação Brasileira das Editoras Universitárias (ABEU); Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e Serviço Social do Comércio (SESC-SP).

As escolhas obedeceram aos seguintes critérios: autores com obras traduzidas para o francês; equilíbrio na seleção (incluindo autores novos e consagrados); abrangência de diversos gêneros literários; diversidade editorial; oportunidade igual para homens e mulheres e produções com diversidade étnica e cultural de profissionais de várias regiões do país.

Os curadores do evento são a escritora e idealizadora do Fórum das Letras de Ouro Preto, Guiomar de Grammont, que também participou da seleção, e o professor de Literatura na Université Paris-Sorbonne e nomeado Conselheiro Literário junto ao Centre National du Livre para o Salão do Livro de Paris em 2015, Leonardo Tonus.

Literatura infanto-juvenil

Entre os 48 escritores convidados pelo Ministério da Cultura, alguns se dedicam à literatura infantil e juvenil e estarão em Paris representando em especial este segmento:

Adriana Lisboa

Foto: Carlos Luz

Nascida no Rio de Janeiro, em 1970, estudou música e literatura. Adriana viveu na França, Japão e Estados Unidos. Escreveu romances, poemas, contos e histórias infantis, traduzidos para inglês, francês, espanhol, alemão, árabe, italiano, sueco, romeno e sérvio. Suas obras já foram publicadas em mais de 15 países.

Com o romance “Sinfonia em Branco”, ela ganhou o Prêmio José Saramago, em Portugal.  Pelo conjunto de seus romances, recebeu o Prêmio Moinho Santista, no Brasil, e o prêmio de autor revelação da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) por “Língua de Trapos”. Também conquistou bolsas de criação e tradução da Fundação Biblioteca Nacional (Brasil), do Centre National du Livre (França) e da Fundação Japão. Suas obras publicadas na França são “Bleu Corbeau” e “Des Roses Rouge Vif” pela editora Métailié.

Angela Lago

Escritora e ilustradora, nascida em Belo Horizonte, em 1945, Angela Lago dedicou a maior parte de sua obra às crianças. Já publicou mais de 40 livros no Brasil e no exterior e ilustrou mais de 15 títulos de outros autores.

Formada em Serviço Social, morou na Venezuela e na Escócia. De volta ao Brasil, em meados dos anos 1970, passou a trabalhar com publicações. Ganhou prêmios como o Jabuti e da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), além de internacionais, como “Premio Iberoamericano de Ilustración” (Espanha), “BIB Plaque” (Eslováquia) e “Octogone de Fonte” (França), com o livro “Cântico dos Cânticos”.

Incluído em uma coletânea da Abrams Press, a obra “Cena de Rua” foi selecionada entre os 15 melhores livros de imagens do mundo. Na França, ele foi lançado com o título “Le Petit Marchand de Rue”, pela editora Rue de Monde. Ainda em terreno francês, publicou “O Cântico dos Cânticos” e ilustrou, para a editora Seuil Jeunesse, o livro “La Maison des Mots”, de Rachel Uziel.

Daniel Munduruku

Nasceu em Belém (PA) em 1964. Índio da etnia Munduruku, publicou 45 livros. Formou-se em Filosofia. Tem licenciatura em História e Psicologia. É doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutor em Literatura pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Recebeu numerosos prêmios no Brasil e no exterior.  Entre eles, estão o Prêmio Jabuti, o da Academia Brasileira de Letras, o Érico Vanucci Mendes (CNPq) e o Prêmio Tolerância (Unesco). Tem livros traduzidos para coreano, espanhol, inglês e italiano. Também é diretor-presidente do Instituto UKA (Casa de Saberes Ancestrais) e membro fundador da Academia de Letras de Lorena.

Marina Colasanti

Nasceu na colônia italiana de Asmara, em Eritréia, na África. Tradutora de importantes autores italianos para o português e com formação em Belas Artes, Marina escreveu mais de 50 livros, entre contos, romances, literatura infanto-juvenil e outros.

Trabalhou como jornalista durante 11 anos no Jornal do Brasil e em revistas femininas por 18 anos. Recebeu prêmios, entre eles O Melhor para o Jovem, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), e o Jabuti. Seu Livro “Uma Ideia Toda Azul” foi lançado na França como “Une Idée Couleur d´azur”, em 1990, pela editora L´Harmattan.

Roger Mello

Escritor e ilustrador brasiliense, Roger Mello nasceu em 1965. É autor de “O Gato Viriato” (Ediouro), “Maria Teresa” (AGIR), “Meninos do Mangue” (Companhia das Letrinhas) e “O Próximo Dinossauro” (FTD).

Em 2002, recebeu os prêmios: Espace-enfants, da Suíça, e o Jabuti, nas categorias Literatura Infanto-juvenil e Ilustração, com “Meninos do Mangue”.

Foi agraciado com prêmios também da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Por sua obra como ilustrador, foi indicado para a edição de 2010 do prêmio Hans Christian Andersen, o mais importante prêmio da literatura infanto-juvenil. Na França, publicou “Jean Fil à Fil”.

Ana Maria Machado

Apesar de já ter atuado como pintora, jornalista e professora universitária, a consagração da de Ana Maria Machado se deu na literatura. Nascida no Rio de Janeiro, em 1941, ela vendeu mais de 22 milhões de livros, alguns deles traduzidos em 20 países ao longo de mais de 40 anos de carreira. Fundou, em 1980, a primeira livraria infantil do Brasil, a Malasartes.

Em 2011, foi eleita presidente da Academia Brasileira de Letras e coleciona uma série de prêmios, entre eles o Hans Christian Andersen (o mais importante de literatura infantil); o Machado de Assis; o Casa de las Americas; o Príncipe Claus e três Jabutis.