A força do “Pequeno Escritor”

16/1/2015 – 12:37h

Mais escolas precisam aderir ao projeto, que incentiva crianças redigirem histórias com grandes chances de vê-las publicadas na forma de livros com direito à festa de lançamento e sessão de autógrafos.

Editora Edelbra vem impulsionando o talento de muitas crianças com seu projeto que em 2014 teve a participação de quase cinco mil estudantes de quatro Estados brasileiros

A Editora Edelbra, do Rio Grande do Sul, anualmente, vem promovendo o Projeto Pequeno Escritor do qual sou fã número 1. Pra começar, por que já senti na pele, enquanto aluna do curso Fundamental, a força de uma promoção do gênero. Tive uma ‘composição’ premiada e isso foi determinante para minha afirmação como estudante e persistência na leitura e redação. Cheguei à idade adulta convicta que me dedicaria ao jornalismo.

Outro fator que me tornou fã do projeto da Edelbra é ter presenciado na vida de uma das participantes, Amanda Rosendo de Oliveira, que já foi notícia no blog, a repercussão positiva de sua história “Meu Brasil solidário” ter sido publicada em formato de livro e ela começar a ser vista, a partir daí, como uma pequena escritora.

Agora, imaginem o que não está acontecendo na rotina de 4.800 estudantes de 86 escolas do circuito São Paulo/Rio/Minas, além do Rio Grande do Sul, que participaram em 2014 do referido projeto e como elas podem estar sendo impulsionadas para se aprimorarem em suas redações depois de participarem da promoção.

A editora gaúcha, ao comentar sobre o projeto, afirma que “ler e escrever são conquistas importantes na vida de uma criança. São certificados de autonomia, de autoconfiança. A criança que lê desenvolve a criatividade e a imaginação, adquire conhecimentos, cultura e aprende valores. Também se familiariza com a palavra escrita, aprende a entender melhor o mundo e a si mesma.

O desenvolvimento das competências de ler e escrever requer trabalho constante, comprometido com a melhor qualidade e capaz de competir com os inúmeros recursos da mídia e da comunicação. Que tal se a criança visse seu nome escrito na capa de um livro? E se esse livro fosse realmente escrito por ela?

É essa a ideia do Projeto Pequeno Escritor. Uma forma de levar às escolas a oportunidade de transformar suas crianças em autores de uma obra própria. Uma iniciativa que a Edelbra tomou para promover a criatividade, o interesse pela leitura e o aperfeiçoamento da escrita nos anos iniciais.

O Projeto Pequeno Escritor se propõe a auxiliar a escola no seu compromisso de desenvolver as competências de leitura e de escrita. Temas contemporâneos são sugeridos para trabalho, supondo leitura e produção textual. Para subsidiar a atividade é apresentada uma metodologia de leitura e produção de textos. À medida que a escola se engajar no projeto, terá acesso aos roteiros pedagógicos que subsidiam cada tema, bem como às pranchas ilustradas que servirão de suporte às produções individuais. No final, cada criança receberá seu livro personalizado, com a mais alta qualidade de impressão.

O Projeto Pequeno Escritor sugere a adoção de uma metodologia, disponibilizada passo a passo, para auxiliar a escola na tarefa de formar leitores e produtores de texto. A metodologia é flexível, ajustando-se a alguns dias, se o objetivo for singelo, ou pode durar vários meses e agregar diferentes componentes curriculares, numa ação interdisciplinar.

Depois que os textos são produzidos, são digitados pelos próprios alunos em um sistema interativo, revisados pelos responsáveis pelo projeto na escola e enviados de forma automatizada para a Edelbra, que vai produzir cada um dos livros. Ao final do projeto, cada criança receberá seu livro em um evento especial. A Edelbra oferece suporte para todas as etapas do projeto através da Central Pedagógica Edelbra”.

Contato: (51) 2118-4403 | centralpedagogica@edelbra.com.br

Aos 11 anos de idade, a estudante Amanda Rosendo de Oliveira experimentou a emoção de uma sessão de autógrafos para o lançamento de seu primeiro livro “Meu Brasil Solidário”