A vez das crianças e jovens

31/3/2015 – 12:15h

Na Itália, está sendo realizada a maior feira mundial de livros dedicados ao segmento infantil e juvenil. Até 2 de abril, a Feira de Bolonha vai mostrar o que há de melhor e o Brasil está lá com um grupo de 23 editoras e um catálogo preparado pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) _ veja abaixo imagem da capa _ destacando uma impecável seleção de livros, editoras, autores e ilustradores brasileiros. Quem quiser acompanhar o evento pela internet, o site é http://www.bookfair.bolognafiere.it/home/878.html

O segmento de livros infantojuvenis é um dos pilares da produção editorial nacional. A maioria das editoras que trabalha com o segmento CYA (Children and Young Adults) tem a preocupação de adequar os conteúdos ao mercado internacional, ganhando cada vez mais visibilidade e força no exterior. Esses esforços fazem do Brasil um dos destaques na Feira Internacional do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha, na Itália, que acontece de 30 de março a 2 de abril. Através do projeto setorial Brazilian Publishers (BP), realizado em parceria entre a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), 23 editoras nacionais participarão da edição de 2015.

Para este ano, estima-se a realização de negócios imediatos em torno de US$ 120 mil e de mais US$ 280 mil nos 12 meses seguintes ao evento, somando-se o auferido com direitos autorais e livros impressos.

“Desde que começamos nossa participação em Bolonha, computamos números que demonstram crescimento de vendas. O editor brasileiro está cada vez mais bem preparado e há uma mudança do posicionamento estratégico utilizado pelo grupo de empresários”, afirma o presidente da CBL, Luís Antonio Torelli. “Um importante diferencial para a realização dos negócios é a possibilidade das empresas obterem a bolsa tradução subsidiada pela Fundação Biblioteca Nacional (FBN)”, completa Torelli.

A Feira Internacional do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha é o maior evento mundial em negócios e em valor conceitual e simbólico para o segmento infantojuvenil. Organizada há 50 anos, é formadora de tendências editorais e de imagem para os CYAs. O Brasil é visto como uma potência emergente nessa produção, com autores e ilustradores reconhecidos mundialmente. Na última edição, Roger Mello foi o vencedor do prêmio Hans Christian Andersen, o principal reconhecimento de ilustração literária. Neste ano, as indicadas são Marina Colasanti e Ciça Fittipaldi.

“É fundamental ter uma boa participação na Feira de Bolonha. O segmento é extremamente competitivo, com concorrentes fortes como México, Colômbia, Canadá, Portugal, Argentina e Coreia. Entram nessa lista ainda os líderes de mercado EUA, França, Inglaterra e Alemanha”, analisa Torelli. Isso sem falar no papel desempenhado pela literatura infantojuvenil na criação do hábito de leitura. Hoje, no Brasil, a média de leitura entre os adultos é de 1,3 livros por ano, bem abaixo da dos jovens, correspondente a 3,3. “A boa literatura oferecida à infância e à juventude tende a consolidar o hábito de leitura nas demais fases da vida. Ou seja, o futuro é promissor – acredito que as novas gerações serão mais ‘leitoras’ do que aquelas que as antecederam”, conclui Torelli.

Neste ano, outro destaque serão as obras em formato digital, nicho no qual o Brasil já possui importantes iniciativas. “As editoras apresentarão projetos comerciais tanto para livros impressos como digitais. Nos dias atuais, as empresas brasileiras já têm seus contratos atualizados, podendo propor ou não a venda de direitos autorais para os diferentes formatos”, explica a gerente executiva do BP, Dolores Manzano.

“O Brasil está passando de país comprador de direitos autorais para vendedor de conteúdo. Um evento deste porte oferece inúmeras oportunidades e temos que aproveitá-las todas”, afirma Manzano. “O trabalho do BP tem promovido a bibliodiversidade do nosso mercado, inserindo também as pequenas editoras e as editoras independentes em feiras no exterior, com treinamento especial para cada evento”. (Fonte: Câmara Brasileira do Livro)

Este ano, a Croácia é o país convidado da feira.