Um povo para se guardar no coração

19/4/2015 – 12:16h

O índio é o mais brasileiro dos brasileiros e nada mais justo do que se comemorar o seu valor em data especial, 19 de abril, instituída em 1940. Os povos indígenas estão nos ensinando muitas lições, desde o descobrimento do Brasil. Pode ter certeza disso. Não se deixe levar pelos comentários de que os índios esqueceram sua cultura, tornaram-se bêbados e agora correm atrás do dinheiro. Nada disso. Alguns aprenderam as lições erradas que os civilizados ensinaram pra eles. No fundo, eles resistem e sua cultura é transmitida oralmente, de geração em geração, com toda fidelidade e sem que se perca uma palavra ou suspiro.

Em 2000, dos dados demográficos apontavam um total de 220 povos indígenas e seus territórios (“terras indígenas”, no linguajar jurídico do estado brasileiro) somavam aproximadamente 110,6 milhões de hectares – o equivalente a aproximadamente 13% do território nacional e 21% da Amazônia brasileira. Essa população representa uma diversidade lingüística que ultrapassa o número de 180 línguas, classificadas em 35 famílias lingüísticas. Em termos demográficos, a população indígena no Brasil foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), por ocasião do Censo Demográfico de 2000, em cerca de 734 mil pessoas, o que equivaleria à 0,4% da população do país.

A literatura infantil ajuda a preservar muitas das culturas indígenas no Brasil. A Editora do Brasil, por exemplo, relembra os títulos de seu catálogo que ajudam nossas crianças a conhecer e refletir sobre os valores culturais dos povos indígenas, seus mitos, crenças, lendas e a importância de sua preservação e respeito.

O cágado e a fruta
Rosinha
As fábulas indígenas são importantes joias da literatura oral brasileira e transmitem aos seus leitores inúmeros aprendizados. O cágado e a fruta, recontada por Rosinha trata da história de uma fruta muito especial, desejada por todos. No entanto, apenas os que sabem seu nome podem comê-la. A feiticeira, a única da floresta que sabe o nome da fruta não ajuda ninguém e algo inusitado sempre acontece a todos aqueles que a procuram para tentar descobrir o tão famoso e ao mesmo tempo desconhecido nome. Porém, o cágado, muito esperto, sabe uma forma de não esquecer a preciosa informação, mas alguns acontecimentos aguardam o animal. (32 páginas, R$ 30,90, indicação: a partir do 2º ano).

A invasão dos abelhudos
Rogério Borges
Todos viviam muito bem e tranquilos na comunidade no meio da floresta. Um dia, porém, um bando de invasores resolve tirar o sossego do lugar. Mas a esperteza de um menino irá ajudar a botar para correr esses intrusos bastante abelhudos. (24 páginas, R$ 22,40, indicação: a partir do 2º ano).

Cordelendas – Histórias indígenas em cordel
César Obeid
Imagine a junção da literatura de cordel com as lendas indígenas. É o que este livro traz: a poeticidade das lendas indígenas misturada ao dinamismo e às rimas dos versos de cordel. Por meio dele, o leitor pode encontrar de forma diferenciada a explicação para diversas situações e para a origem de algumas das coisas que nos cercam. Além de se divertir com os fabulosos versos de César Obeid, o leitor ainda pode matar algumas de suas curiosidades. (40 páginas, R$ 30,90, indicação: a partir do 3º ano).

O guardião das florestas
Maria Cristina Furtado
Na Floresta Amazônica, Jaciara vive uma aventura que mudará por completo sua vida. Em sua primeira viagem à região, a menina conhece Jari, um tio que tem a sua idade e um dom muito especial:conversar com os animais!Os dois, com a ajuda de um macaco barulhento e do Curupira, irão ajudar a defender a floresta de pessoas que buscam a riqueza a qualquer custo. Conheça esse mundo fascinante da Amazônia, suas lendas e crenças. (48 páginas, R$ 39,20, indicação: a partir do 4º ano).

O sumiço da Lua
Manuel Filho
Numa noite muito estranha, a lua desapareceu do céu e todos ficaram apavorados. A maré não subiria…A noite perderia o seu brilho…A mata ficaria desprotegida… Mas Éder e Elias, dois irmãos gêmeos, e sua prima Tri descobrirão o motivo pelo qual o sumiço aconteceu e também conhecerão e reviverão de forma emocionante a história de Capéi, personagem de uma lenda indígena que narra a história de uma entidade que foi morar com as estrelas por ser feita de luz, tornando-se, assim, a lua. (32 páginas, R$ 32,60, indicação: a partir do 4º ano).

Lendas indígenas
Antoracy Tortorelo Araujo
É por meio das lendas que as mais diversas tribos indígenas transmitem sua cultura, seus ensinamentos e tentam explicar a origem de quase tudo no mundo. Algumas narram histórias referentes à fauna e flora da região. Já outras, contam histórias de seus próprios povos. Como os primeiros homens conseguiram o fogo? Qual seria a origem do nascimento da noite? De onde surgiram os peixes e os outros animais? São respostas para essas questões que Antoracy Tortolero Araujo reuniu em seu livro Lendas indígenas, agora em nova edição, que traz ilustrações tão belas quanto as histórias contadas por ele. (56 páginas, R$ 42,30, indicação: a partir do 4º ano).

Mais informações sobre os livros publicados pela Editora do Brasil estão disponíveis no site:www.editoradobrasil.com.br