Nova temporada de clássicos da Disney

31/5/2015 – 20:26h

Cinemark exibe em 3D, até o dia 16/8, “A Bela e a Fera” e “Branca de Neve e os Sete Anões”.

A Rede Cinemark dá continuidade à sua programação dedicada ao público infantil com a quarta temporada da série O Maravilhoso Mundo da Disney, de 30 de maio a 16 de agosto. Os clássicos “Branca de Neve e os Sete Anões” “e “A Bela e a Fera 3D” poderão ser conferidos por toda a família nas sessões, marcadas para as manhãs de sábado e domingo, em todos os complexos da rede.

Como anteriormente, os filmes serão apresentados completamente digitalizados, para matar a saudades dos que já assistiram e encantar as novas gerações. “Buscamos deixar esta temporada ainda mais especial. Além de ‘A Bela e a Fera 3D’, vamos trazer de volta os principais sucessos das últimas edições, atendendo a pedidos do público”, explica Bettina Boklis, diretora de marketing da Rede. Cada clássico do estúdio norte-americano será exibido em três finais de semana consecutivos. As sessões acontecem a partir das 11h, e os ingressos, que custam R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia), podem ser adquiridos por meio do site (www.cinemark.com.br) ou na bilheteria dos complexos.

Carros 2”, “Detona Ralph” também fazem parte da temporada Cinemark para O Maravilhoso Mundo de Disney.

Branca de Neve e os Sete Anões– 20, 21, 27, 28 de junho; 4 e 5 de julho

Uma rainha má e bela resolve, por inveja e vaidade, mandar matar sua enteada, Branca de Neve, a mais linda de todo o reino. Mas o carrasco que deveria assassiná-la a deixa partir e, durante sua fuga pela floresta, ela encontra a cabana dos sete anões, que trabalham em uma mina e passam a protegê-la. Algum tempo depois, quando descobre que Branca de Neve continua viva, a Bruxa Má disfarça-se e vai atrás da moça com uma maçã envenenada, que faz com que Branca de Neve caia em um sono profundo até o dia em que um beijo do amor verdadeiro a faça despertar.

Bela e a Fera 3D – 1º, 2, 8, 9, 15 e 16 de agosto

Um jovem e rico príncipe vive em um imenso castelo. Uma noite, bate à sua porta uma velha, que lhe oferece uma rosa em troca de abrigo. O príncipe recusa, por achá-la muito feia, e a mendiga se transforma em uma feiticeira de grande beleza. Ainda que o príncipe implore o seu perdão, a bruxa o amaldiçoa, transformando-o em uma horrível fera. Um dia, Bela, uma campesina da aldeia, fica presa no castelo. Ela vai derreter o duro coração da fera, que só poderá voltar a ser humano quando se apaixonar de verdade.

Se cachorro vira lata, será que lata também pode virar cachorro?

29/5/2015 – 10:54h

Amanhã, sábado, dia 30 de maio, em Belo Horizonte, tem um programa imperdível para as crianças que gostam de histórias cheias de surpresa e muitas aventuras. O escritor Leo Cunha, que já escreveu uns 50 livros para a meninada e com eles ganhou muitos e os mais importantes prêmios literários, vai lançar agora “Vira-lata” pela FTD Educação. Este é o nome do livro. O lançamento com sessão de autógrafos e narração da história vai ser às 11:00 horas, na Fnac do BH Shopping.

“Há anos não lançava meus livros em Belo Horizonte. Mas dessa vez eu fiz questão: afinal de contas, com o “Vira-lata” eu consegui trazer pra literatura infantil um sujeito muito bacana: o Luiz Henrique Magalhães, meu amigo filósofo, colega de UniBH há quase 20 anos”, conta Leo Cunha.

O livro é uma parceria entre os dois amigos, que lecionam na mesma faculdade, no curso de Jornalismo. Mas como surgiu a ideia de escrever “Vira-Lata”? Um dia, Luiz Henrique contou que, quando criança, da primeira vez que ouviu falar em cachorro vira-lata, ele ficou pensando: se cachorro vira lata, será que lata também pode virar cachorro?

Leo Cunha, sempre inspirado e pronto para criar novas histórias, adorou o caso contado pelo amigo. “Aí pensei num personagem, o Chico, que é o garoto que quer muito um cachorro de estimação, mas não tem como comprar. Quando ouve falar do cachorro vira-lata, ele fica se perguntando se lata também poderia virar cachorro”, explica Leo.

Num trecho da história, os autores falam assim sobre Chico:

“Tentou puxar da memória histórias de pessoas e bichos que se transformam em outros. Um dia, ouviu seu pai falando que chegou atrasado ao trabalho e o chefe virou uma fera. Já imaginou? Um homem se transformando em fera?

Vai ver era igual ao caso do lobisomem, que sua avó tanto contava… Dizia que na cidadezinha de Nossa Senhora Não sei das Quantas, um coronel virava lobisomem nas noites de lua cheia.

E, lá na escola mesmo, Chico não tinha estudado a transformação da lagarta em borboleta? É verdade. Ele até viu uma lagarta virando borboleta.

Mas um cachorro… como podia virar lata?”

Esse é o ponto de partida para uma aventura bem divertida, repleta de imaginação e fantasia. Daí em diante, Chico inventa vários planos mirabolantes para transformar as latas em cachorro:

“Falar uma palavra mágica bem poderosa”. Mas qual?

“Pegar aquela toalha de banho do Batman, já bem velha, esquecida no fundo da gaveta, para substituir a capa do mágico”. E daí?

“Produzir um pó de pirlimpimpim caseiro, a partir de ervas e condimentos da cozinha de sua casa”. Será que funciona?

“Juntar uma palavra mágica com uma dança em volta de uma fogueira igual fazem alguns indígenas”. Pode ser.

Para ter certeza mesmo se estes planos funcionam ou não; se Chico transformou latas em cachorro; ou como ele conseguiu um vira-lata só lendo a história que, com certeza, vai ser mais um sucesso do Leo Cunha, do parceiro Luiz Henrique Magalhães e do ilustrador Jean-Claude R. Alphen.

Tudo vale a pena por um novo leitor

27/5/2015 – 16:32h

Dez dicas para incentivar o prazer da leitura em crianças e adolescentes


Profissionais do programa “Ler é uma viagem” (na foto acima) mostram atitudes simples e fundamentais para despertar o gosto pela leitura em crianças e adolescentes. “Ler é uma Viagem” é um programa que estimula o acesso e prazer de ler em todas as idades.

1. Comece cedo

Diferente do que se pode imaginar, não existe uma idade certa para começar a apresentar para os pequenos o mundo da leitura. Aliás, é possível incluir a convivência com as histórias e os livros desde a gestação.

“Inclua sempre nas conversas diárias com o bebê, a leitura e narração de histórias em voz alta. É importante também associar esse momento à tranquilidade e ao afeto”, ensina a socióloga e doutora em Ciência da Informação, Amanda Leal de Oliveira, que atua como consultora no “Ler é uma viagem”.

2. Tenha atitudes leitoras

O exemplo também é fundamental para que as crianças e adolescentes entrem em contato com o prazer que a leitura pode proporcionar. Mostre para eles que você também é um leitor apaixonado.

“Fale sobre os livros que você gostava, quando tinha a mesma idade que ele. Mostre quais são as histórias que você está lendo hoje. Leia em voz alta para eles histórias de que você também gosta muito”, comenta Élida Marques, leitora pública e idealizadora do Ler.

3. Cerque-os de livros

É importante que as crianças tenham sempre à mão diferentes livros e que possam ser livres para investigá-los. “Seja em casa ou visitando frequentemente bibliotecas, casas de amigos, familiares, centros culturais ou livrarias.

“Assim eles podem folhear e escolher o que querem ler”, diz Amanda.

4. Não fique restrito às recomendações de faixa etária

Elas são apenas recomendações. Muitas vezes as crianças e adolescentes gostam de textos e estilos que não foram desenvolvidos especificamente para eles.

“Os bebês, por exemplo, costumam gostar muito de poesia pelas rimas e textos com repetições e palavras. Neste caso, a sonoridade atrai a atenção deles”, exemplifica a profissional. “Muitos adolescentes também se encantam com livros com muitas ilustrações e pouco texto, pois são visuais e rápidos de ler”, conclui.

5. Mostre que há um mundo para se explorar

Ofereça o maior número possível de gêneros e formatos de livros.

“É importante que eles tenham contato com diferentes autores _dos clássicos aos modernos: contos, crônicas e poesias. Que possam conhecer diferentes tipos de ilustradores”, explica. “Também podemos mostrar que existem livros finos, grossos, fofinhos, etc. Assim eles podam encontrar os que mais gostam”.

6. Ofereça paixões

Encontre livros e histórias com temas que eles já gostam.

“Muitas vezes o leitor começa a se apaixonar primeiro por temas que já são familiares para ele”, dá a dica.

7. Deixe que eles escolham

Não tente impor o seu gosto pessoal para os novos leitores.Ofereça os estímulos para que ele descubra.

8. Não tenha preconceito

Não existe certo e errado na paixão pelos livros.

“As primeiras escolhas podem não ser as que você considera melhor, mas o importante é que eles leiam aquilo que desperta o interesse deles”, comenta Amanda.

9. Saia do literário

O universo da leitura vai muito além dos livros e passa por toda a cultura escrita.

“Muitas vezes a iniciação não acontece através da literatura, mas dos gibis, das revistas e de outros formatos escritos”, lembra. “É importante que todos eles façam parte do universo do leitor”.

10. Não fique chateado

Se ele te interromper, se pular páginas ou ainda se ele não chega ao final da história.

“O gosto pela leitura pode não ser “instantâneo”; ele exige tempo, depende do dia, do ambiente e de muitas histórias para que se consolide”, finaliza a profissional.

Conheça o programa

“Ler é uma viagem” foi criado em 2003 pela atriz Élida Marques. O programa incentiva práticas leitoras através da mediação de leitura com música ao vivo, leitura pública, saraus, recitais, shows e eventos literários diversos. Desde a criação, realizou mais de 500 apresentações e reuniu um público de mais de 30 mil pessoas que foram sensibilizadas pelo prazer que a leitura literária pode proporcionar.
Os projetos apoiados por leis de incentivo do “Ler é uma viagem” ocuparam praças, parques, bibliotecas públicas e principalmente escolas, com histórias de Monteiro Lobato, Guimarães Rosa e Hans Cristian Andersen, entre outros autores. Em andamento, destaque para “Dom Quixote de Lobato”, com patrocínio integral do Grupo CCR; e “Piquenique Literário”, com patrocínio das empresas Carioca Engenharia | Instituto João e Maria Backheusere CBMM.

Confira no site www.lereumaviagem.com.br mais informações sobre as ações do programa, material de apoio pedagógico para educadores, dicas e conteúdos sobre leitura.

A arte de narrar histórias infantis

25/5/2015 – 20:03h

Dentro da programação do Pré-Festival Literário Internacional de Belo Horizonte e Primavera da Liga Brasileira de Editoras, o I Seminário O Fio da Memória vai acontecer no próximo dia 30 de maio. As inscrições são gratuitas e estão abertas até o dia 27. Um dos objetivos do seminário é promover a arte de contar histórias como estímulo à leitura.

A curadora do seminário, Rosana Mont’Alverne. Ela é diretora da Aletria Editora, presidente da Câmara Mineira do Livro e contadora de histórias

A Fundação Municipal de Cultura, em parceria com o Instituto Cultural Aletria, apresenta o I Seminário O Fio da Memória – A Arte dos Contadores de Histórias, no próximo dia 30 de maio, no Museu Histórico Abílio Barreto. Das 8h às 18h, bibliotecários, professores, estudantes, mediadores de leitura e contadores de histórias poderão participar de discussões acerca da arte narrativa. A programação contempla performances, mesas de debates e palestras de importantes nomes da literatura nacional.

O Seminário integra a programação de eventos pré FLI–BH – Festival Literário Internacional e Primavera da LIBRE (Liga Brasileira de Editoras), que serão realizados no Parque Municipal, em Belo Horizonte, no período de 25 a 28 de junho de 2015.

“É uma oportunidade de reflexão e debate sobre o ofício dos contadores de histórias nos diversos espaços culturais e educativos da cidade. Trata-se de valorizar e promover a arte de contar histórias como estímulo à leitura, preservação da memória e resgate das tradições populares”, explica Rosana Mont’Alverne, presidente da Câmara Mineira do Livro e curadora do Seminário.

No encontro estarão presentes grandes nomes da arte de contar histórias, como Cristina Cançado (professora da PBH e autora do Blog “Mães que educam”), Olavo Romano (contador de causos, escritor e presidente da Academia Mineira de Letras) e Illan Brenman (escritor e especialista em literatura infantil e juvenil, ganhador de diversos prêmios e traduzido em vários países).

As narrações de histórias farão parte também da programação do 1º Festival Literário Internacional em uma mostra com sessões para crianças, jovens e adultos, que acontecerá durante os quatro dias do evento.

Os interessados devem fazer inscrição gratuita pelo e-mail preflibh@gmail.com até o dia 27 de maio. Informações: 3277-4648.

Pré FLI-BH

A intenção do Pré-FLI é divulgar o Festival e sensibilizar a cidade para o evento que acontecerá em junho. “O FLI-BH é a culminância de diversas ações de acesso ao livro e incentivo à leitura em Belo Horizonte e apenas quatro dias de Festival não conseguiriam abarcar toda a diversidade das ações que são realizadas durante todo o ano de maneira descentralizada. O Pré-FLI, além de ampliar o leque de programação, promove uma ação mais efetiva de mobilização e incentivo à leitura. A literatura precisa de um tempo maior para que as pessoas se aproximem, tomem conhecimento dos autores que virão a Belo Horizonte. Enfim, para que experimentem um pouco do que será o Festival”, explica Leônidas Oliveira, Presidente da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte.

O FLI-BH

O Festival Literário Internacional de Belo Horizonte – FLI-BH – nasce da convergência de políticas públicas de acesso ao livro, à leitura e à literatura que a Prefeitura, através, da Fundação Municipal de Cultura, desenvolve.
Além disso, um festival inteiramente dedicado à literatura era demanda antiga de escritores, ilustradores, editores, livreiros e leitores da cidade, que queriam um grande evento para a literatura, nos mesmos moldes dos festivais já realizados pela Fundação, como o Festival Internacional de Teatro, o Festival Internacional de Quadrinhos e o Festival de Arte Negra.

O escritor Illan Brenman, especialista em literatura infantil e juvenil, vai apresentar uma aula-espetáculo: “Pela vidraça da escola: formando novos leitores”

Programação – Seminário O Fio da Memória – A Arte dos Contadores de Histórias

30/5- 8h às 9h:
Café de boas-vindas nos jardins do MHAB

9h às 9h30:
Prólogo: O ator e contador de histórias Marcelino Xibil Ramos narra o cordel “Travessuras de Pedro Malasartes e a Sopa de Pedras”, de Olegário Alfredo (o Mestre Gaio).

9h30 às 11h:
Mesa 1: Sopa de Pedras: A arte da palavra nos diversos espaços
Debatedores:
a) Rodrigo Teixeira – Contador de Histórias – As histórias nas Bibliotecas.
b) Cristina Cançado – Professora da PBH na Escola Municipal Hugo Werneck e autora do Blog Mães que Educam – As histórias na sala de aula.
c) Sandra Lane – Contadora de Histórias, Professora da PBH e Escritora – As histórias nos espaços alternativos.
Mediação: Rosana Mont’ Alverne – Contadora de Histórias, Fundadora do Instituto Cultural Aletria e Presidente da Câmara Mineira do Livro.

11h às 12h:
Palestra: As mais belas Histórias: A arte de contar histórias como guardiã da memória de um povo. Palestrante: Hulda Mattos Dantas Cioglia – Contadora de Histórias, ex-aluna de Lúcia Monteiro Casassanta e Professora aposentada do Estado de Minas Gerais.

14h às 16h:
Prólogo: Dôra Guimarães e Elisa Almeida narram “Manhã de Sol”, retirado do conto “A hora e vez de Augusto Matraga” e “Primeiro Encontro”, do livro Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa Mesa 2: O que lembro, tenho: Minas Conta e Escreve Histórias
Debatedores:
a) Olavo Romano – Contador de Causos, Escritor e Presidente da Academia Mineira de Letras.
b) Ronaldo Simões Coelho – Contador de Histórias e Escritor de Literatura Infantil.
c) Marilene Lemos – Contadora de Histórias, Professora Aposentada e Escritora.
Mediação: Érica Lima – Mestre e Doutora em Letras pela UFMG, Atriz e Coordenadora do Grupo de Narradores de Histórias da Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de Belo Horizonte.

16h30:
Prólogo: Alessandra Visentin, da Cia. Arreleque conta “Como é que ele foi parar aí dentro?”, de Ilan Brenman.
Aula-Espetáculo: Pela vidraça da escola: formando novos leitores, com Ilan Brenman, Mestre e Doutor em Educação pela USP, Escritor e Contador de Histórias.

O significado do autógrafo

24/5/2015 – 21:02h

No momento em que o leitor entrega o livro para o autor e lhe pede o autógrafo é carregado de emoções e, por isso, indescritível.

Mas não para a escritora Stella Maris Rezende (foto) que, em rede social, publicou como se sente nesta situação:

“Autografar é apreensivo e belo
É tenso e festivo
Quem é esse leitor que me espera?
O que lê no que escrevi?
Essa é uma das mágicas da literatura”.

Ela conseguiu encontrar as palavras e sabiamente descreveu o que eu, até então, achava ser indescritível. Aliás, Stella tem uma maneira elegante e um estilo especial de escrever e postar suas mensagens. E não podia ser diferente com ela, já que tudo que escreve deixa sua marca de grande escritora.

Stella é mineira de Dores do Indaiá. Mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de Brasília e tem dezenas de livros publicados. Vou citar os mais recentes e detentores dos melhores prêmios literários do Brasil como sugestão para o leitor, especialmente os jovens:

“A poesia da primeira vez”, selecionado para o Catálogo da Feira do Livro de Bolonha 2015, Selo Altamente Recomendável Para Crianças/FNLIJ, com ilustrações de Laurent Cardon, Globo Livros.

“Missão Moleskine”, selecionado para o Catálogo da Feira do Livro de Bolonha 2015, Selo Altamente Recomendável Para Jovens/FNLIJ, com ilustrações de Adilson Farias, Globo Livros.

“As gêmeas da família”, selecionado para o Catálogo da Feira do Livro de Bolonha 2014, Melhor Livro Infantojuvenil de 2013/APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), com ilustrações de Weberson Santiago, Globo Livros.

“A menina Luzia”, selecionado para o Catálogo da Feira do Livro de Bolonha 2013, com ilustrações de Rosinha, DCL.

“A sobrinha do poeta”, Prêmio Bolsa Para Autores com Obra em Fase de Conclusão/Fundação Biblioteca Nacional, Selo Altamente Recomendável Para Jovens/FNLIJ, com ilustrações de Soud, Globo Livros.

“A guardiã dos segredos de família”, Prêmio Jabuti Melhor Livro Juvenil de 2012 – 2º Lugar, Prêmio Barco a Vapor 2010/Fundação SM, Selo Altamente Recomendável Para Jovens/FNLIJ, com ilustrações de Leguy, Edições SM.

“A mocinha do Mercado Central”, Prêmio Jabuti 2012 O Livro de Ficção do Ano, Prêmio Jabuti Melhor Livro Juvenil de 2012 – 1º Lugar, selecionado para a Revista Machado de Assis/Biblioteca Nacional/2013, selecionado para o Catálogo da Feira de Bolonha 2012, com ilustrações de Laurent Cardon, Globo Livros.

“A filha da vendedora de crisântemos”, selecionado para o PNBE/Programa Nacional Biblioteca na Escola/FNDE/MEC 2011, com ilustrações de Andréia Resende, Editora Paulus.

O melhor para crianças e jovens

22/5/2015 – 21:56h

A Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil anuncia os vencedores do Prêmio FNLIJ 2015. O prêmio foi instituído no Brasil em 1975 e tornou-se  a distinção máxima concedida aos melhores livros infantis e juvenis. Ao todo, são 17 títulos premiados, produzidos em 2014 por 13 editoras, divididos em 18 categorias.

Categoria Criança
Orie (Pequena Zahar), textos e ilustrações de Lúcia Hiratsuka (imagem acima)

Categoria Jovem Hors-Concours
Como uma carta de amor (Global), textos e ilustrações de Marina Colasanti

Categoria Jovem
Desequilibristas (Peirópolis), textos e ilustrações de Manu Maltez


Categoria Imagem
O galo e a raposa (SESI/SP), ilustrações de Alexandre Camanho (imagem)

Categoria Informativo
Carmen: a Grande Pequena Notável (Edições de Janeiro), textos de Heloisa Seixas e Julia Romeu e ilustrações de Graça Lima

Categoria Poesia
O bicho alfabeto (Companhia das Letrinhas), poemas de Poemas de Paulo Leminski; apresentação de Arnaldo Antunes e ilustrações de Ziraldo

Categoria Livro Brinquedo
O livro com um buraco (Cosac Naify), de Hervé Tullet. Tradução de Emilio Fraia Hervé Tullet

Categoria Teatro
Mania de explicação (Salamandra), de Adriana Falcão e Luiz Estellita Lins e ilustrações de Mariana Massarani

Categoria Teórico
Ofício da palavra (Autêntica), organizado por José Eduardo Gonçalves


Categoria Reconto
Minimaginário de Andersen (Companhia das Letrinhas), de Katia Canton e ilustrações de Salmo Dansa (imagem)

Categoria Literatura em Língua Portuguesa
A menina do mar (Cosac Naify), de Sophia de Mello e Breyner Andresen e ilustrações de Veridiana Scarpelli

Categoria Tradução/Adaptação/Criança
Quatro contos (Cosac Naify), de E. E. Cummings; tradução de Claudio Alves Marcondes; organização de George James Firmage e ilustrações de Guazelli

Categoria Tradução/Adaptação/Informativo
Todo dia é dia de Malala (Melhoramentos), de Rosemary McCarney e tradução de Adriana de Oliveira Silva

Categoria Tradução/Adaptação/Jovem
Stefano (Global), de Maria Teresa Andruetto e tradução de Marina Colasanti

Categoria Tradução/Adaptação/Reconto
Por que o Mar é salgado: contos populares da Noruega (Berlendis & Vertecchia), de Asbjornsen&Moe; tradução de Kristin Lie Garrudo e ilustrações de Cárcamo

Categoria Melhor Ilustração
Os três ratos de Chantilly (Pulo do Gato), textos e ilustrações de Alexandre Camanho

Categoria Melhor Projeto Editorial
Carmen: a Grande Pequena Notável (Edições de Janeiro), de Heloisa Seixas e Julia Romeu e ilustrações de Graça Lima (imagem)

Categoria Prêmio Especial/Criança
Reinações de Narizinho (Globo), de Monteiro Lobato e ilustrações de Jean Gabriel e J. U. Campos

Análise do Prêmio FNLIJ 2015

Por Leonardo Neto – PublishNews

Chama a atenção a Cosac Naify, que emplacou três títulos na lista de premiados: O livro com um buraco (Categoria Livro Brinquedo), A menina do mar (Categoria Literatura em Língua Portuguesa) e Quatro contos (Categoria Tradução/Adaptação/Criança).

Outra editora que merece destaque é a Edições de Janeiro, que emplacou apenas um título – Carmen, a pequena grande notável, mas ele foi vencedor em duas categorias: Melhor Projeto Editorial e Informativo.

Maria Colasanti e Alexandre Camanho são os autores que mais têm trabalhos na lista de premiados. A vencedora do Prêmio Jabuti do ano passado aparece como autora e ilustradora do livro Como uma carta de amor (Global) e como tradutora do livro Stefano (Global). Já Camanho aparece como ilustrador do livro O galo e a raposa (SESI/SP), vencedor na categoria Imagem, e como autor e ilustrador do livro Os três ratos de Chantily (Pulo do Gato), na categoria Melhor Ilustração.

A Companhia das Letrinhas, selo infantil da Companhia das Letras, e a Global aparecem na lista duas vezes. A Companhia faturou na categoria Poesia, com o livro O bicho alfabeto e na categoria Reconto, com Minimaginário de Andersen. Já a Global com os dois trabalhos de Marina Colasanti.

Escrever em parceria com Ziraldo

21/5/2015 – 19:41h

Na capital paulista, no Centro de Convenções São Paulo Expo, na Rodovia dos Imigrantes, está acontecendo até o dia 23/5, a Bett Brasil Educar, feira e congresso sobre educação, considerado o maior evento de educadores da América Latina. Muita novidade por lá.

A Positivo Informática Tecnologia Educacional levou para o seu estande um dos mais bem sucedidos projetos educacionais, a Oficina do Texto. Os visitantes da feira vão participar de um Chá com História e aproveitar uma oportunidade única: escrever um  livro em coautoria com Ziraldo, exatamente como alunos fazem em suas escolas ao participarem da Oficina do Texto.

Também como nas escolas, será tudo muito simples e interativo: a partir de desenhos criados por Ziraldo, o visitante irá criar os textos da história em tablets e notebooks que estarão à disposição no estande _ diga-se de passagem, a Positivo é fabricante de computadores. Depois, esse livro – “O Menino do Sol” será impresso em cores e enviado para a casa do autor, com seu nome e o de Ziraldo na capa, como já foi feito com mais de um milhão de alunos conectados ao Educacional, que escreveram livros em parceria com o cartunista e outros autores consagrados.

Parceiro da Oficina do Texto desde 2000, quando o projeto foi criado, Ziraldo participará do Chá com História na sexta-feira, dia 22 de maio, das 14h às 16h. Assim, quem estiver em São Paulo ou viajando pra lá, vai poder participar deste projeto, tomar um chá e ficar frente a frente com o cartunista e escritor tão amado pelos brasileiros.

*****

Prosa pedagógica

Ainda em São Paulo, na Faculdade Messiânica, em Vila Mariana (Rua Morgado de Mateus, 77), no dia 23 de maio, será realizado o Encontro de Educadores – Arte e Educação na formação integral do ser”, destinado aos profissionais de educação, psicologia e público em geral. A atividade ocorrerá das 9h às 13 horas, com palestras via presencial, e com transmissão online.

“Provocações e mediações na formação do ser” será a palestra proferida pela professora Eleni Bambini Gorgueira. Serão abordadas as quatro forças da psicologia: behaviorista, psicanalítica, humanista e transpessoal, estabelecendo-se uma ponte para o ser integral. Ela também falará sobre a arte como linguagem e ferramenta na educação. E sobre os cursos de pedagogia, suas implicações e o papel do professor como mediador na aprendizagem dos conteúdos formais e da vida.

Às 11 horas, terá início a prosa pedagógica com enfoque para “Um olhar sensível às narrativas na formação de professores”. O assunto será transcorrido pelas professoras doutoras Vera Achatikin e Rita Laura Cavalcanti, que discutirão o atual sistema educacional, a finalidade da educação, a formação do profissional educador e as questões perceptivas e subjetivas dos alunos.  Mais informações www.faculdademessianica.edu.com ou (11) 5087-5134.

Nova era para a Turma da Mônica

20/5/2015 – 21:54h

Depois de atingirem a marca de cem edições, as revistas em quadrinhos Turma da Mônica, Mônica, Cebolinha, Magali, Cascão e Chico Bento terão sua numeração reiniciada. Zerou tudo. Uma boa hora para começar uma coleção com estes personagens que marcaram uma geração de leitores.


Após mais de oito anos de parceria entre Panini e Mauricio de Sousa Produções, este mês chega às bancas uma nova edição número 1 de cada uma destas publicações. As revistas custam R$ 4,90 (Turma da Mônica) e R$ 3,90 (as demais). Todas estão nas bancas desde o dia 12/5.

A ideia é prestigiar a nova geração de leitores, proporcionando a oportunidade de eles começarem sua coleção a partir da tão estimada primeira edição. Também fazem parte desta iniciativa as revistas Neymar JR, Monica and friends e Mónica y sus amigos – versões da revista Turma da Mônica com as mesmas histórias apresentadas em inglês e espanhol.

Para abrir o ano em que serão celebrados os 80 anos do Mauricio, as edições trazem pela primeira vez o selo oficial comemorativo na capa.

A tradicional seção de correspondência passa a ter mais mensagens por edição, incluindo mais imagens e fotos; os passatempos agora terão páginas com fundo colorido e uma nova vinheta sempre com personagens divertidos. Além disso, várias das histórias passarão, gradativamente, a trazer os créditos de roteiristas, desenhistas e arte-finalistas do estúdio.

O cartunista e escritor João Marcos Parreira Mendonça, por exemplo, que integra a equipe de Mauricio de Sousa foi quem criou uma das histórias da nova fase: “Cascão, o novo dono da rua”.

As edições número 1 trazem uma novidade para os fãs das plataformas virtuais: um QR Code estampado nas capas das revistas dá acesso à Caixa de Quadrinhos e a conteúdos virtuais exclusivos – as primeiras histórias clássicas dos personagens, nas aparições em suas próprias revistas, e uma história da Marina, com versões também em inglês e espanhol.

As orientações para uso do QR code estão na segunda capa, em que os leitores também encontram informações sobre o e-mail minhahistoriacomomauricio@panini.com.br para o qual os fãs poderão enviar um relato de suas experiências pessoais com os personagens, contando situações divertidas ou curiosas relacionadas à Turma da Mônica e até encontros com o próprio Mauricio de Sousa – o material que poderá ser selecionado para uma futura publicação.

Palestra do Pré-Festival Literário

16/5/2015 – 10:40h

O Festival Literário Internacional de Belo Horizonte (FLI-BH) será realizado no período de 25 a 28 de junho, no Parque Municipal, Teatro Francisco Nunes, em todas as regiões por meio do BH Cidadania, centros culturais e outros espaços _ a descentralização das atividades culturais é meta primordial da Prefeitura.

Mas em maio já está acontecendo o Pré-FLI. No dia 19 de maio, próxima terça-feira, por exemplo, haverá uma palestra para educadores. Belo Horizonte vai receber o professor Walter Omar Kohan, da UERJ, coordenador, junto com Jorge Larrosa, da coleção “Educação: experiência e sentido”, publicada pela Editora Autêntica.

O tema de sua palestra será “Inventamos ou erramos? Ou o que podemos aprender com as viagens de um educador”, às 9h, na Biblioteca Pública Infantil e Juvenil, na Praça da Liberdade.

Esta palestra é uma das 50 ações promovidas pelo Pré-FLI, através da Fundação Municipal de Cultura: oficinas de leitura, escrita literária e ilustração, mostra de cinema, narrações de histórias e rodas de leitura nas 20 bibliotecas públicas municipais espalhadas pela cidade .

Durante o mês de maio, a Fundação Municipal da Cultura está realizando  uma série de encontros com professores, bibliotecários e mediadores de leitura da rede pública municipal de ensino, com o objetivo de apresentar o FLI-BH e sua importância para a valorização e promoção da leitura literária na cidade.

Nesta ação estão previstas palestras com especialistas em literatura infantil e juvenil, que discutirão as especificidades do texto literário e os desafios da formação de leitores de literatura, além da sensibilização para que os profissionais da educação convidem seus alunos e famílias a participarem do Festival.

Toda a programação é gratuita e não é necessário fazer inscrições prévias. Clique aqui para download da programação de maio. Informações: telefone Telefone: 3277-9833.

Três temas curiosos

5/5/2015 – 10:51h

Histórias infantis abordam de forma divertida sobre as árvores frutíferas, a relação entre gansos e a vida dos insetos.

1-      “Juca pé de fruta”

De onde vêm a manga, a jabuticaba e o mamão? Para que serve o limão? Aprenda com o Juca, o menino que se diverte comendo fruta no pé e que conhece as cores, as formas e até finalidade de cada uma, como a melancia, que se transforma em um capacete, ou o limão, um fiel aliado no treinamento de caretas. Diversão saborosa em cada página.

Essa é uma experiência muito distinta da que teve o Joca, o menino que inspirou Léo Tafuri a escrever “Juca Pé de Fruta”, Editora Alaúde. Simpático e alto-astral, morador de uma cidadezinha do interior mineiro, o moleque vive muitas aventuras e conta muitas piadas entre as árvores frutíferas dos sítios da família. Léo achou que ele tinha algo a ensinar à molecada da cidade.

“Fiquei imaginando que para cada árvore de fruta ele teria um causo divertido. E que, por se alimentar diariamente das frutas, ele e qualquer criança seriam naturalmente mais criativas, curiosas, espontâneas e divertidas. Inconscientemente, eu também estava dando voz ao meu ser vegetariano, que preza e muito a alimentação saudável.”

No livro, Juca prova muitos sabores e ainda matuta sobre a utilidade extra de cada fruta, como a melancia, que se transforma em um eficiente capacete, ou o limão, fiel aliado no treinamento de caretas. As ilustrações de Natalie Catlett completam o texto saboroso, que, além de divertir as crianças, pode ajudar pais e educadores a mostrar a elas um mundo de cores, formas e sabores.

O livro custa R$ 25,00 e quem se interessar pode adquiri-lo no site www.alaude.com.br

2 – “A Gansa solitária”

A escritora Lucinha Lima conta a história de uma gansa, que sempre foi repudiada pela ‘gansarada’ simplesmente porque nasceu com uma cor diferente.

A gansa nasceu lilás, e por esse motivo vivia solitária e muito triste; o bando não a aceitava, sentiam-se mal ao ver uma gansa ‘diferente’ e resolveram expulsá-la do bando, sem nenhuma piedade.

Contato através do e-mail lucinhalimaescritora@yahoo.com.br

3- “Você sabe tudo sobre insetos”?

Por que as vespas picam? Por que os vaga-lumes brilham à noite? Por que as joaninhas têm pintas? Por que os mosquitos sugam sangue? Essas e outras perguntas são respondidas conforme a curiosidade do leitor que, antes de se deparar com as respostas corretas, conhecerá algumas hipóteses formuladas por piolhos-de-livros que passeiam pelas páginas enquanto tentam descobrir se são insetos ou não. Em meio a essa jornada divertida, o leitor acaba aprendendo sobre variadas espécies de insetos bem retratados nos traços de cada ilustração.

Com ilustrações coloridas e delineadas, Lila Prap proporciona uma leitura leve e divertida nesse novo livro lançado pela Editora Biruta. Preço: R$ 34,00. Compre em http://www.editorabiruta.com.br/livro/voce-sabe-tudo-sobre-insetos/