A arte de narrar histórias infantis

25/5/2015 – 20:03h

Dentro da programação do Pré-Festival Literário Internacional de Belo Horizonte e Primavera da Liga Brasileira de Editoras, o I Seminário O Fio da Memória vai acontecer no próximo dia 30 de maio. As inscrições são gratuitas e estão abertas até o dia 27. Um dos objetivos do seminário é promover a arte de contar histórias como estímulo à leitura.

A curadora do seminário, Rosana Mont’Alverne. Ela é diretora da Aletria Editora, presidente da Câmara Mineira do Livro e contadora de histórias

A Fundação Municipal de Cultura, em parceria com o Instituto Cultural Aletria, apresenta o I Seminário O Fio da Memória – A Arte dos Contadores de Histórias, no próximo dia 30 de maio, no Museu Histórico Abílio Barreto. Das 8h às 18h, bibliotecários, professores, estudantes, mediadores de leitura e contadores de histórias poderão participar de discussões acerca da arte narrativa. A programação contempla performances, mesas de debates e palestras de importantes nomes da literatura nacional.

O Seminário integra a programação de eventos pré FLI–BH – Festival Literário Internacional e Primavera da LIBRE (Liga Brasileira de Editoras), que serão realizados no Parque Municipal, em Belo Horizonte, no período de 25 a 28 de junho de 2015.

“É uma oportunidade de reflexão e debate sobre o ofício dos contadores de histórias nos diversos espaços culturais e educativos da cidade. Trata-se de valorizar e promover a arte de contar histórias como estímulo à leitura, preservação da memória e resgate das tradições populares”, explica Rosana Mont’Alverne, presidente da Câmara Mineira do Livro e curadora do Seminário.

No encontro estarão presentes grandes nomes da arte de contar histórias, como Cristina Cançado (professora da PBH e autora do Blog “Mães que educam”), Olavo Romano (contador de causos, escritor e presidente da Academia Mineira de Letras) e Illan Brenman (escritor e especialista em literatura infantil e juvenil, ganhador de diversos prêmios e traduzido em vários países).

As narrações de histórias farão parte também da programação do 1º Festival Literário Internacional em uma mostra com sessões para crianças, jovens e adultos, que acontecerá durante os quatro dias do evento.

Os interessados devem fazer inscrição gratuita pelo e-mail preflibh@gmail.com até o dia 27 de maio. Informações: 3277-4648.

Pré FLI-BH

A intenção do Pré-FLI é divulgar o Festival e sensibilizar a cidade para o evento que acontecerá em junho. “O FLI-BH é a culminância de diversas ações de acesso ao livro e incentivo à leitura em Belo Horizonte e apenas quatro dias de Festival não conseguiriam abarcar toda a diversidade das ações que são realizadas durante todo o ano de maneira descentralizada. O Pré-FLI, além de ampliar o leque de programação, promove uma ação mais efetiva de mobilização e incentivo à leitura. A literatura precisa de um tempo maior para que as pessoas se aproximem, tomem conhecimento dos autores que virão a Belo Horizonte. Enfim, para que experimentem um pouco do que será o Festival”, explica Leônidas Oliveira, Presidente da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte.

O FLI-BH

O Festival Literário Internacional de Belo Horizonte – FLI-BH – nasce da convergência de políticas públicas de acesso ao livro, à leitura e à literatura que a Prefeitura, através, da Fundação Municipal de Cultura, desenvolve.
Além disso, um festival inteiramente dedicado à literatura era demanda antiga de escritores, ilustradores, editores, livreiros e leitores da cidade, que queriam um grande evento para a literatura, nos mesmos moldes dos festivais já realizados pela Fundação, como o Festival Internacional de Teatro, o Festival Internacional de Quadrinhos e o Festival de Arte Negra.

O escritor Illan Brenman, especialista em literatura infantil e juvenil, vai apresentar uma aula-espetáculo: “Pela vidraça da escola: formando novos leitores”

Programação – Seminário O Fio da Memória – A Arte dos Contadores de Histórias

30/5- 8h às 9h:
Café de boas-vindas nos jardins do MHAB

9h às 9h30:
Prólogo: O ator e contador de histórias Marcelino Xibil Ramos narra o cordel “Travessuras de Pedro Malasartes e a Sopa de Pedras”, de Olegário Alfredo (o Mestre Gaio).

9h30 às 11h:
Mesa 1: Sopa de Pedras: A arte da palavra nos diversos espaços
Debatedores:
a) Rodrigo Teixeira – Contador de Histórias – As histórias nas Bibliotecas.
b) Cristina Cançado – Professora da PBH na Escola Municipal Hugo Werneck e autora do Blog Mães que Educam – As histórias na sala de aula.
c) Sandra Lane – Contadora de Histórias, Professora da PBH e Escritora – As histórias nos espaços alternativos.
Mediação: Rosana Mont’ Alverne – Contadora de Histórias, Fundadora do Instituto Cultural Aletria e Presidente da Câmara Mineira do Livro.

11h às 12h:
Palestra: As mais belas Histórias: A arte de contar histórias como guardiã da memória de um povo. Palestrante: Hulda Mattos Dantas Cioglia – Contadora de Histórias, ex-aluna de Lúcia Monteiro Casassanta e Professora aposentada do Estado de Minas Gerais.

14h às 16h:
Prólogo: Dôra Guimarães e Elisa Almeida narram “Manhã de Sol”, retirado do conto “A hora e vez de Augusto Matraga” e “Primeiro Encontro”, do livro Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa Mesa 2: O que lembro, tenho: Minas Conta e Escreve Histórias
Debatedores:
a) Olavo Romano – Contador de Causos, Escritor e Presidente da Academia Mineira de Letras.
b) Ronaldo Simões Coelho – Contador de Histórias e Escritor de Literatura Infantil.
c) Marilene Lemos – Contadora de Histórias, Professora Aposentada e Escritora.
Mediação: Érica Lima – Mestre e Doutora em Letras pela UFMG, Atriz e Coordenadora do Grupo de Narradores de Histórias da Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de Belo Horizonte.

16h30:
Prólogo: Alessandra Visentin, da Cia. Arreleque conta “Como é que ele foi parar aí dentro?”, de Ilan Brenman.
Aula-Espetáculo: Pela vidraça da escola: formando novos leitores, com Ilan Brenman, Mestre e Doutor em Educação pela USP, Escritor e Contador de Histórias.