Disney faz tour na Ásia

14/7/2015 – 19:58h

Contos clássicos do Ocidente são retratados por ilustrador coreano. Como ele transferiu para o Oriente imagens de histórias tão conhecidas por nós?

Ilustração coreana para Alice no País das Maravilhas

Claro que você conhece bem os contos clássicos europeus, mesmo que apenas para a versão Disney: Riding Hood, Branca de Neve, O Príncipe Sapo, Alice no país das maravilhas etc. Eles fazem parte da nossa cultura e aos olhos do mundo. Mas o que acontece quando o Extremo Oriente tenta adaptá-los à sua cultura?

Isso é exatamente o que ele fez Nayoung Wooh, um ilustrador sul-coreano, de 36 anos, que tem chamado a atenção internacional com sua série sobre contos de fadas orientalizados. Estética e estrelas foram transferidas para a Ásia, mantendo o espírito de ingenuidade original.

Tudo começou com o seu interesse em hanbok, roupa tradicional coreana. “Na escola eu não estava interessado. Ele viu sua beleza intrínseca. Eu pensei que era apenas uma fantasia arcaica para ocasiões especiais. Eu acho que a maioria dos coreanos têm essa visão”, explica ele.

O interesse por esta peça de vestuário cresceu após a emissão de várias séries históricas sobre a Dinastia Joseon, como Hwangjiyi ou Sungkyunkwan Scandal. “Minha curiosidade foi despertada e então gradualmente vi desenhos Natsuki Sumeragi. Sua obra veio até mim e queria fazer trabalhos de arte sobre a beleza do hanbok”, lembra.

Assim, ele veio chegou até às histórias. “Parecia o ambiente natural para o hanbok. Eu sempre fui muito interessado em contos clássicos e folclore europeu e asiático”, diz ele. No entanto, a experiência começou como algo mais do que um projeto de arte. Era uma terapia.

“Depois de graduar-se em Arte Oriental, eu trabalhei como designer gráfico durante três anos para um desenvolvedor de jogos de vídeo chamado Nexon. Mas há 10 anos eu sofri uma depressão terrível. Eu parei meu trabalho. Eu senti que eu era a única pessoa que não sabia o que fazer com sua vida . Eu estava cansado de tudo e precisava desesperadamente de algo para segurar. Eu me tranquei em casa e jogou consola durante todo o dia “, lembra o artista.

Finalmente, o desenho é o que pegou. “Eu nunca passei tempo pensando em mim ou sobre o que o desenho significava para mim. A depressão me levou a fazer isso e  também a me concentrar na produção de arte, o que me permitiu reconciliar comigo mesmo”, diz ele.

De todas as ilustrações, seu favorito é a Alice no País das Maravilhas. “É muito especial para mim e está baseado em uma das cenas do livro mais famosas. Eu amei trabalhar sobre ela e muitas pessoas pensam que é a melhor. Ele queria visualizar uma passagem em que Alice cai de um mundo para outro carregando uma hanbok “, explica.

Continua? “Eu tenho feito alguns esboços preliminares para Thumbelina, O Mágico de Oz e Gato de Botas. Mas tenho muitos projetos. A Oz será minha prioridade quando eu tiver tempo. Também quero reunir todas as imagens em um livro e levantar dúvidas sobre a hanbok estrutura e como desenhar “, enumera.

Fonte: Maria de Sancha – Huffington Post

Branca de Neve