14/9/2015 – 18:08h

Em “Inácio – o cantador-rei de Catingueira”, a autora cearense Arlene Holanda (que já escreveu mais de 50 livros de variados gêneros como literatura adulta e infantojuvenil, didáticos e obras complementares) traz ao público jovem o rico universo da cultura do sertão nordestino, pouco conhecido em outras regiões do país.

O enredo conta a trajetória de um escravo que viveu na fazenda Bela Vista, interior da Paraíba, em meados do século XIX, até o momento em que seu talento para a cantoria chamou a atenção do senhor da fazenda, Manoel Luiz, que achou mais lucrativo tirar o menino da lavoura e mandá-lo para cantar pelos povoados vizinhos. Inácio troca a enxada pela fama de repentista e seu nome cai no conhecimento popular do sertão, onde realizou duelos memoráveis com seus repentes, sendo o mais conhecido deles com o Romano, um famoso cantador da época na região. Os versos dessa batalha são conhecidos até hoje.

A tradição dos repentes é essencialmente oral, por isso a autora foi buscar a história de Inácio em diversas fontes e a apresenta de maneira romanceada. Ao final do livro, textos complementares ajudam a contextualizar a história. O detalhe final fica por conta das ilustrações de Alexandre Teles, que utilizou a técnica da xilogravura, muito comum no nordeste do país. 76 páginas. Preço: R$ 36,50 disponível no site da editora em www.gaivota.com.br

O outro livro da Editora Gaivota traz uma novela policial: “Duas vezes na floresta escura”:

“Lá no final da rua, a floresta densa, fechada, escura, que me mete medo e, ao mesmo tempo, me convida a desvendá-la. Desde que cheguei aqui, me paro olhando para aquelas árvores grandes que apontam pro céu e se aproximam umas das outras, feito gigantes a impedir passagem. Parecem esconder mistérios. Parecem.”

Nesse lançamento, o professor e autor gaúcho, Caio Riter, leva uma novela policial ao interior do Rio Grande do Sul, onde vive Susana, uma adolescente cheia de dúvidas sobre o futuro. Sua mãe está temporariamente morando no exterior para terminar o doutorado e seu pai recebeu uma nova proposta de emprego em uma cidadezinha pequena e aparentemente monótona, para onde os dois acabaram de se mudar. Agora, a protagonista terá que se adaptar à nova rotina, à nova escola e aos novos amigos. No entanto, sabia que isso iria demorar e, num primeiro momento, a vida lhe pareceu insuportável e sofrida.

Mas, aos poucos, vai se modificando, quando conhece Bethânia, Caetano, Nicole e César, um garoto estranho que adora espionar os outros. Começa a aceitar o fato de que a vida seria assim mesmo, pacata e quieta, como a floresta no fim da rua. Até que uma tragédia se abate sobre a cidade, bem próximo de Susana e de seus novos amigos. Agora, a solução de um bárbaro crime depende somente deles.

A trama é envolvente e carrega em si muito mais do que um mistério, ao tratar da relação entre pais e filhos, amigos e paixões. Dividida em duas fases, a narrativa é feita primeiramente por Susana. A partir do prólogo II, a ordem se inverte e o suspense ganha a voz de um novo narrador. Para completar, o projeto gráfico ambienta o leitor e o transporta para a cena do crime: uma floresta escura e sombria. 164 páginas. R$ 34,00.