História antiga com final moderníssimo

29/9/2015 – 21:20h

Está rodando nos intervalos comerciais da televisão, desde a semana passada, a nova campanha do Itaú “Leia para uma criança #issomudaomundo”. Desta vez, o comercial é longo e se inspira na saga do Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda e a espada Excalibur. A mesma campanha está nos jornais e na internet com um convite para o público entrar na página do Itaú Criança https://www.itau.com.br/crianca/ para solicitar os livros que estão sendo doados: “Dorme, menino, dorme” de Laura Herrera e “Tatu Balão”, de Sônia Barros.

O primeiro livro conta a história de um menino acordado na noite escura e que não consegue dormir. Para ele, trazem música e canções, cobertores quentinhos e leite morno, mas só uma coisa o levará suavemente ao mundo dos sonhos. O que será?  “Tatu Balão” foi destacado neste blog recentemente com a aventura de um tatu-bola que tinha um sonho na cachola: não ser bola, ser balão.

Mais uma vez, a campanha do Itaú está sendo muito elogiada pelo público. Hoje, a Câmara Brasileira do Livro divulgou nota para enaltecer sua importância no estímulo à leitura. O filme, que está no centro desta nova ação do Itaú Criança, se fundamenta na história de Arthur que um dia tirou a espada Excalibur da pedra e se tornou rei e comandou uma das mais maiores sagas contadas em livros de história. A saga foi escrita pelo romancista inglês Thomas Malory, quando cumpria mandato de prisão em Londres.

Mas a beleza do filme está no fato de mostrar que a imaginação da criança pode criar e recriar qualquer história. E principalmente de destacar o valor de quem narra uma história para a criança. Em vez de ser fiel à saga de Malory, o filme dá outro destino à espada Excalibur. A saga original diz que quem tirasse a espada da pedra ganharia o título de Rei. Do livro “O rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda” quem consegue tirar esta espada da pedra e da bigorna é por direito o rei de toda a Inglaterra. Duas pessoas, que queriam o título tentam a façanha: Key que confiava em Sir Ector e Arthur que confiava no Mago Merlin. Arthur conseguiu tirar a espada, mas Key, com inveja, tirou-a de Arthur e mostrou-a para Sir Ector.

No filme da campanha é diferente: todos estes personagens se esforçam muito e tentam em vão arrancar a espada da pedra, mas quem consegue é somente um personagem do mundo moderno, nada menos que o narrador da história para a criança que o acompanha na aventura de tomar o lugar do Rei Artur. No sentimento da criança é assim: quem lhe conta uma história é um verdadeiro herói.

“Leia para uma criança. E inspire mais pessoas a fazerem o mesmo. Esta é uma responsabilidade de todos nós. E pode acreditar: ler para uma criança é um ato capaz de provocar efeitos transformadores na vida delas e na nossa também”, diz a campanha.