“A menina que colecionava pedras”

16/10/2015 – 16:42h

Outubro é o mês das crianças e está motivando muitos lançamentos de livros infantis.


A história de “A menina que colecionava pedras” se passa no Morro do Anhangava, em Quatro Barras, no Paraná, é de autoria da poetisa e estudante de Pedagogia Catarina Rielli Vieira. O livro conta a história de uma menina que gostava de pedras de todos os tipos: podia ser grande, pequena, escura ou clara, redonda ou quadrada. Gostava tanto que até as colecionava.

Um dia, a menina decide subir em uma montanha alta e de nome difícil, Anhangava, de onde era possível ver toda a cidade, que, de tão pequena, parecia ser de brinquedo. Quando o sol começou a se esconder no horizonte ela percebeu que estava em cima de uma pedra gigante. O livro “A menina que colecionava pedras” revela na leitura a Serra do Mar e uma personagem com subjetividade infantil ímpar.

A autora Catarina trabalha com metodologia de educação popular e interage com a sociedade por meio de movimentos sociais. Desta forma, também ministra diversificadas oficinas em escolas de periferia, além de já ter trabalhado na Educação Infantil. As ilustrações da publicação são assinadas por Daniel Freire Silveira.

“A história do livro surgiu da minha parceria com o ilustrador, quando divagávamos sobre a cidade que se constrói após a linha da Serra do Mar. O Anhangava é um dos morros mais bonitos que o Paraná tem. Sempre subo nele, sendo possível ver o horizonte do litoral assim como o horizonte da cidade. No pé dos morros formaram as cidades e hoje encontramos a necessidade de sempre construir a relação da infância com a identidade e orgulho da Serra do Mar”, conta Catarina.

O livro foi realizado por meio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba.

Registros de duas campanhas

15/10/2015 – 11:50h

Campanha 1 – Doação de livros

O Instituto Marquês de Salamanca (IMDS) lança uma campanha para incentivo à leitura para os pequenos que fazem parte do projeto “Pré-escola Cantinho Feliz”. Serão 100 crianças de 2 a 6 anos beneficiadas com a campanha. Os interessados em doar para a biblioteca podem comprar os livros indicados pela orientadora pedagógica da creche na internet e mandar entregar diretamente no IMDS. Livros usados também são bem-vindos.

O endereço do Instituto é Rua Almirante Alexandrino 1662, Santa Teresa, Rio de Janeiro – Fone 21 2221 7475 – imds@imds.org.br

Campanha 2 – Incentivo à leitura

De acordo com dados da Agência Brasil, a maratona de 12 horas seguidas de leitura realizada no dia 1º de outubro, dentro da campanha “Dia de Ler. Todo dia!” mobilizou 427 cidades de 26 estados. Participaram secretarias municipais de Cultura, escolas, bibliotecas e instituições religiosas. Espaços de lazer como praças e parques foram outros locais escolhidos para a mobilização.

O site da campanha informa que os coordenadores ainda recebem dados sobre a quantidade de locais e pessoas, que conseguiram reunir, e até o momento desta postagem registraram 1.320.098 participantes.

A campanha nacional foi lançada há dois meses pela Secretaria de Cultura e Turismo de Barueri, cidade da Grande São Paulo, que fez a primeira edição do “Dia de Ler. Todo dia!” em abril. De acordo com a coordenadora de divulgação da secretaria, Simone Trino, o evento municipal pretendia alcançar 40 mil pessoas, mas mobilizou 93 mil, o que corresponde a cerca de um terço da população da cidade.

“Barueri tem no seu plano de governo o incentivo à leitura, uma das metas é transformar a cidade numa cidade de leitores. Aqui nós temos 11 bibliotecas e várias ações de incentivo à leitura, por isso fizemos o “Dia de Ler. Todo dia!” para atrair um número maior de moradores da cidade e pessoas que trabalham ou que passam por aqui. São 273 mil habitantes”.

Literatura brasileira na Alemanha

13/10/2015 – 20:31h

A Feira do Livro de Frankfurt é o maior encontro do setor editorial e será realizada de 14 a 18 de outubro. Vale lembrar que a cidade alemã, sede da feira, carrega a tradição do livro. Foi em Frankfurt, através do gráfico Johanes Gutenberg, que foi publicado o primeiro livro impresso. A feira reúne em média   7 mil expositores e recebe 200 mil visitantes. 36 editoras brasileiras marcam presença na feira este ano.

Entre os dias 14 e 18 de outubro acontece a 67ª Feira do Livro Internacional de Frankfurt, na Alemanha. De acordo com dados da Câmara Brasileira do Livro (CBL), a representação brasileira no evento se dará por meio de 36 expositores no estande nacional. A feira é uma oportunidade para o editor brasileiro expor sua produção, identificar parceiros no exterior e vender direitos autorais de obras literárias produzidas no Brasil para outros países. Apesar do momento de instabilidade econômica no País, a alta do dólar traz excelentes oportunidades às empresas que optaram por vender seus títulos e direitos no mercado internacional.

“Para garantir a presença brasileira, negociamos duramente com nossos fornecedores. Além disso, por meio do projeto setorial Brazillian Publishers, uma parceria entre a CBL e a Apex-Brasil, conseguimos reestruturar a forma como são realizadas as reuniões de matchmaking: otimizar o tempo de duração do evento e favorecer encontros que propiciem negócios concretos”, relata o Gerente de Relações Internacionais da CBL, Luiz Alvaro Salles Aguiar de Menezes. “Em 2014, fechamos o ano com um volume de operações internacionais realizadas equivalente a US$ 2 milhões. A estimativa é de que esse número se mantenha em 2015, apesar da crise”, complementa.

Neste ano, o Brasil entrará com o “pé direito” no evento. “Contamos com nova localização no pavilhão – o que nos traz um maior alcance de público – e desfrutamos uma nova identidade visual, que estampa os 248m2 de estante planejados pela brasileira 3A1. No mais, estamos atuando com intensidade para mostrar ao mundo que somos, de fato, exportadores de cultura”, explica Luiz Alvaro. “No novo espaço, teremos uma área reservada para palestras e eventos, onde também ocorrerão os encontros entre editores”, conclui.

Dentre as novidades da participação brasileira na Feira do Livro de Frankfurt, está o catálogo de rights em EPub, que conta com conteúdo das editoras associadas ao Brazilian Publishers. “A lista de obras disponíveis sempre foi impressa e, desde 2012, passamos a disponibilizá-la em PDF. Acreditamos que, com essa inovação, fruto de uma parceria com a editora O Fiel Carteiro, especializada em materiais digitais, abre-se a oportunidade de nos fortalecermos no exterior e profissionalizarmos, cada vez mais, nossa atuação no mercado internacional”, ressalta o presidente da CBL, Luis Antônio Torelli.

Para Torelli, a diversidade e beleza da produção editorial brasileira cativam cada vez mais os leitores e editoras do exterior. “Estas, que já conhecem a seriedade e profissionalismo de nosso mercado como comprador, têm uma relação de confiança com nossa indústria editorial, que se soma à qualidade de nossos livros como fator de atração e estímulo ao intercâmbio comercial”.

Autores convidados

O Ministério da Cultura levará três autores brasileiros ao evento: Marcio Souza, André Santana e Maurício Negro.

Já o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha esteve no Brasil no início do ano para, entre outras atividades, definir quais autores nacionais seriam convidados do governo alemão. São eles Fernando Bonassi, Ricardo Lísias e Noemi Jaffe. Para Jaffe, participar do maior evento mundial de livros é uma grande ferramenta de reconhecimento da literatura nacional.

“Ainda temos uma forte tendência a valorizar a produção cultural que vem do exterior. Ao sermos bem conceituados por entidades estrangeiras, o brasileiro tende a valorizar mais o autor e isso fomenta engajamento com a literatura nacional”, explica Jaffe. Além dos autores, também foram convidados os editores Raquel Menezes, Cide Piquet e Willian Oliveira, bem como os tradutores Luis Krausz e Kristina Michahelles.

Feira de troca de livros e brinquedos

9/10/2015 – 10:55h

Em Belo Horizonte, Memorial Minas Gerais Vale está organizando feira de troca, teatro e exposição, entre outras atividades, para celebrar o Dia da Criança.

A programação vem cheia de novidades diversificadas e gratuitas no Circuito Cultural Praça da Liberdade: Feira de Escambo, espetáculo teatral, ações educativas e até exposição sobre o tema Infância podem ser conferidas em dias e horários variados. O Museu fica na Praça da Liberdade, 640 – Funcionários, esquina com Rua Gonçalves Dias.

A brincadeira ganha força amanhã, sábado, 10/10, quando as crianças participam da Feira de Escambo de Brinquedos e Livros infantis, promovida pelo Memorial em parceria com o Instituto Alana. Das 10h às 12h, crianças de todas as idades poderão levar brinquedos e livros, novos e/ou usados, para trocar com outros participantes na Sala de Leitura do museu. Mais que lazer, a feira nasce com a proposta de repensar a forma como consumimos, envolvendo adultos e crianças na prática desta reflexão de forma engajada e divertida.

No domingo, 11, é a vez de descontrair com o Grupo Trampolim. Os palhaços Benedita Jacarandá e Sabonete entram em cena com truques e brincadeiras insólitas e apresentação do espetáculo “Uma supresa para Benedita”. A peça aborda as relações de amizade e amor, falando do cotidiano de forma simples e bem humorada. A iniciativa integra o programa ‘Eu, Criança, no Museu’ e reúne o público no auditório, às 11h. O projeto foi lançado pelo Memorial Vale em janeiro de 2014, com o objetivo de desenvolver e contribuir para a formação das crianças – sujeitos históricos, culturais e sociais, por meio de programação infantil realizada um domingo por mês.

O resumo da história é o seguinte: os palhaços Sabonete e Benedita Jacarandá são grandes companheiros e sempre que se reúnem algo diferente acontece. Neste espetáculo, Sabonete decide preparar uma surpresa para Benedita. Em meio a uma grande confusão, a surpresa toma rumos inesperados. Um tema simples e cotidiano acaba gerando situações absurdas e imprevistas. No fim, o espírito do amor, a paz e o riso prevalecem.

Dia das Crianças com muitas histórias

7/10/2015 – 12:20h

Personagens amados pelas crianças e histórias que elas não cansam de ler e escutar estão entre as inúmeras atividades que foram preparadas para comemorar o dia 12 de outubro.

Nos shoppings espalhados por todo o país, as crianças vão encontrar muitas promoções para se divertirem neste fim de semana. Venda de livros por preços especiais, narração de histórias, teatro, presença de personagens populares. Tem ainda viagens de avião em clima de Turma da Mônica entre as sugestões para o Dia das Crianças em 2015. Os pais podem pesquisar nos sites dos shoppings das cidades onde moram sobre a programação infantil. Na grande maioria dos locais, os shoppings prepararam promoções semelhantes às que vamos destacar abaixo.

O Shopping Ibirapuera, em São Paulo, por exemplo, durante três dias será todinho dos pequenos. Todinho mesmo! Nos dias 10, 11 e 12 de outubro, sempre das 13h às 19h, o evento “Pra ser criança” vai contar com uma programação gratuita que será uma verdadeira maratona em comemoração ao Dia das Crianças. Serão nove espetáculos teatrais e durante os intervalos das peças todos os pisos de lojas serão invadidos por personagens e diversas atividades infantis, que deixarão os adultos com vontade de ser criança.

Recheadas com diferentes programações e ainda com a distribuição de pipoca, algodão doce e muitas outras guloseimas e surpresas, as datas especiais serão separadas por temas. O dia 10 de outubro será o dia das “Fábulas” e contará com apresentações de “Congelados”, “Pela estrada afora com Chapéuzinho Vermelho” e “Uma aventura na Terra do Nunca”. Nos demais horários haverá cantigas de roda, princesas e personagens infantis circulando pelos diversos pisos do Ibirapuera. O dia dos “Musicais” será no dia 11 de outubro, onde além dos espetáculos infantis “Em busca do tesouro”, “Quem nunca teve medo de dentista?” e “O rapto da natureza”, haverá ainda atividades como Camarim Fashion e um DJ infantil, onde os pequenos poderão dançar e brincar com os monitores.

Já o Dia das Crianças será reservado para a magia do “Circo”. Peças como “Show de mágica”, “Um Dia de palhaço” e “Fonzera” encantarão a criançada neste dia especial. Nos demais horários, os pisos do Ibirapuera serão invadidos por palhaços, malabaristas e mímicos, transformando o Ibirapuera em um grande e mágico picadeiro.

Ainda em São Paulo, no bairro Itaim Bibi, a livraria da Vila no Shopping JK Iguatemi organizou mais um evento gratuito para as crianças. O Espaço Sambalelê vai realizar brincadeiras, cantigas de roda de diversas regiões do Brasil e do mundo, histórias cantadas e contação de histórias, além de oficinas de arte. A entrada é franca e indicado para crianças de até 10 anos e funcionará das 10h às 15h. No local, haverá uma caixa da livraria para receber doações de livros que serão doadas para o Projeto Resistência (atende crianças no bairro Jardim Pery Alto). Além disso, a Livraria da Vila dará 15% de desconto nos livros infantojuvenil no dia do evento e o Cheers Off Kids irá oferecer um desconto de até 25% para quem quiser contratar as empresas participantes em festas infantis através do site  www.cheerskids.com.br, que será lançado junto ao evento.

Além do Dia da Criança, o mês de outubro também registra muitas homenagens ao aniversariante que se dedica exclusivamente a encantar meninos e meninas: Mauricio de Sousa. Este mês, dia 27 de outubro, ele faz 80 anos de idade e, por isso, desde o início do ano, tem recebido inúmeras homenagens pela significativa data e pela sua História em Quadrinhos Turma da Mônica. É tanta homenagem que até foi criado o site www.turmadamonica.com.br/mauricio80 para quem quiser acompanhar.

Entre estas homenagens, a empresa aérea Avianca não apenas criou preços promocionais para os voos nas diversas rotas brasileiras onde opera, mas ainda está colocando um Airbus A320 personalizado da Turma da Mônica para comemorar com as crianças o aniversário do cartunista. Por fora, a aeronave é revestida por um adesivo com as principais figuras das histórias em quadrinhos, como se estivessem a bordo do avião, o desenhista aparece como piloto. Por dentro, as portas dos banheiros, os compartimentos de bagagem de mão, os carrinhos de comida (chamados de “troleys”) e outros acessórios também levam estampas customizadas. Durante o voo, os passageiros ainda assistirão a episódios e lerão gibis da turma.

A promoção já está valendo, por isso os pais que desejam viajar com seus filhos neste fim de semana prolongado, que culmina com o Dia das Crianças, tem a opção de levá-los na companhia da Turma da Mônica.

“O lendário duelo entre a Siriema e a Cascavel”

5/10/2015 – 18:16h

Com este livro da Editora Terceiro Nome, o professor e crítico de arte paulista, Rodrigo Naves estreia na literatura infantil. Ele narra a batalha entre a siriema mãe e a cascavel que encontra um filhotinho do pássaro e pensa que teria uma bela refeição. Mas não contava que a siriema defenderia sua cria com toda coragem e força, promovendo uma memorável e poética batalha pela sobrevivência.


O autor começa a sua história, descrevendo em versos vários animais do cerrado:

“São tantos os bichos elegantes que seria trabalhoso mencioná-los todos aqui”.

Ele escolhe, então, alguns deles para destacar suas características, como os cavalos, cisnes, focas e tucanos até chegar aos personagens principais, a siriema e a cascavel.

“Quem já viu uma siriema caminhar / sabe do que falamos.

Com suas pernas finas, ela parece desfilar numa passarela.

A cada passo dá uma paradinha, / quase uma interrogação.

E em seguida continua sua marcha / pé ante pé, cuidadosa, cheia de atenção.

E segue seu caminho em busca de alimento.

Tudo é longo e delicado nessas antigas aves, / parentes dos dinossauros.

E suas pernas marrons, longas e macias, / camuflam-as com perfeição.”

E o que dizer da cascavel, que segundo o autor, “tornou-se símbolo de coragem e ousadia”:

“Embora desperte um medo instintivo, / a cascavel tem também seus encantos.

Enrodilhada, pronta para dar o bote, / faz vibrar o guiso que tem na cauda.

E ainda que não tenha pernas,

Desloca-se velozmente entre mato e espinhos,

Como se radares poderosos guiassem seus movimentos.

Por muitos e muitos anos o guiso da cascavel

Foi levado nos bolsos de homens valentes,

Para que não fraquejassem nas horas decisivas”.

Um dia, siriema e cascavel se encontram. O pássaro caiu do ninho e estava quieto debaixo de uma árvore, por isso despertou no réptil faminto a certeza de que seu almoço estava servido. Nada disso.

“A mãe siriema chegou no exato momento / em que a cobra preparava o bote

E com um forte bater de asas avisou

Que havia mais alguém envolvido na situação.

A cascavel virou-se para ela. /E teve início um dos duelos mais lembrados

pela bicharada da região”.

Quem venceu o duelo?  Isso eu não posso contar. Mas posso lembrar que

“Desse dia em diante não houve na mata / mais nenhum bicho assustador.

Pequeno ou grande, venenoso ou não,

Todos passaram a ser vistos de outro modo.

Bicho não vive de brisa. /Precisa de comida, de substância.

Do que não se sabia era que bicho / também não é apenas papo e digestão”.

E a história não termina aqui. As ilustrações que dão vida a esse embate são de Luísa Amoroso.

O livro, de 32 páginas, custa R$ 37,00 e pode ser adquirido no site da editora

http://www.terceironome.com.br/infanto-juvenil/duelo.html

Surge outra Cinderela à moda brasileira

3/10/2015 – 10:45h

Histórias de domínio público estão sempre ganhando outras versões. Hoje, a Folha de São Paulo publica matéria de Paula Sperb (colaboradora do jornal em Porto Alegre) sobre uma versão gaúcha de Cinderela e de outros clássicos infantis.

Como na história da Cinderela, a fada realiza o sonho da jovem rejeitada pela madrasta. Mas, em “Prendarella”, a guria usa um vestido de prenda (mulher gaúcha), a cuia de chimarrão é que se transforma em charrete, o baile acontece num CTG (Centro de Tradições Gaúchas) e o príncipe é um guri, filho do “patrão” de uma estância.

A narrativa integra a coleção de livros Reino Grande do Sul, da Edibook, que adapta clássicos infantis para a cultura tradicionalista gaúcha.

“Prendarella” e “O Gato de Bombachas” já estão à venda, e até 2016 são esperados “Sulliver”, “A Prenda de Neve e os sete piazitos”, “Os Três Ginetes” e “Dom Quitério de la Frontera”. Cada título terá tiragem de 5.000 exemplares.

Segundo Rodrigo Keller, 38, proprietário da editora, a ideia da coleção surgiu com a constatação de que a maioria dos livros sobre o tradicionalismo gaúcho são voltados ao público adulto. Keller apostou que as crianças teriam uma identificação imediata com as adaptações e que a receptividade seria maior do que se fossem histórias originais. “Recebemos muitos relatos de pais contando que as crianças adoraram, e elas se divertem muito nas rodas de leitura que organizamos”, afirma.

Pauline Pereira, 29, que adaptou os livros de “prendas” da coleção, concorda.

“Quando a fada ganha um pedaço de cuca [bolo típico] da Prendarella, as crianças contam que também comem cuca em casa. Quando a cuia de chimarrão vira a charrete, os pequenos dão gargalhada”, diz ela, sobre o contato com os pequenos leitores.

‘Bacuri guapo’

Para adaptar as histórias, Pauline pesquisou referências do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG). Expressões como bacuri (menino), guapo (bonito), matutar (pensar), pelear (lutar) e regalo (presente) aparecem no “Gato de Bombachas” e são devidamente explicadas em um glossário no final do livro. “Prendarella também tem expressões típicas, mas ela é mais formosa”, afirma Pauline, sobre o vocabulário da personagem.

“Tentei fazer as mulheres mais fortes do que nos contos de fadas. Elas são batalhadoras como as prendas gaúchas, característica que só apareceu com ‘A Casa das Sete Mulheres’, que deu importância para as mulheres durante a Revolução Farroupilha”, diz Pauline, em referência ao romance da escritora Letícia Wierzchowski que foi adaptado pela Globo.

Para Luís Augusto Fischer, professor de literatura da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e autor do “Dicionário Gaudério”, o “assunto preferido dos gaúchos são eles mesmos”, mas ele não vê o bairrismo da coleção com maus olhos.

“Tem o lado bacana. Se tudo vira McDonald’s, é legal tu não ser McDonald’s”, diz, em referência a produtos culturais pasteurizados.

Os livros estão à venda em Porto Alegre e nas principais livrarias do interior do Rio Grande do Sul. Em breve, haverá versões em e-book na Appstore e na Playstore. Cada exemplar custa R$ 20.

Uma nova Cinderela

2/10/2015 – 12:06h

“Cinzarela” é um livro à moda brasileira. A mais famosa das princesas, agora, é morena e ganha o novo nome. Lançamento da Editora Poetisa atualiza o conto clássico.

Por que se chamar Cinderela quando cinder não significa nada em português? Esta básica questão linguística foi o gatilho para uma ousadia editorial: retraduzir o clássico conto “Cinderela”, de Charles Perrault, de 1697, driblando paradigmas consolidados pela Disney e por outras tantas adaptações.

“Cinzarela” é assim chamada por dormir sobre as cinzas – uma nova proposta de tradução, mais adequada à língua portuguesa, para o nome original, Cendrillon (cendre é cinza em francês).

“Cinderela é um empréstimo da língua inglesa que acabou se consolidando. Acreditamos, porém, que nunca é tarde para repensar traduções”, justificam as editoras Cynthia Beatrice Costa e Juliana Bernardino, que criaram a Editora Poetisa há um ano e comemoram agora este terceiro livro.

Morena como a maioria das meninas brasileiras, “Cinzarela” foi belamente ilustrada por Marcela Fehrenbach, também responsável pelo projeto gráfico de 20 páginas. A tradução, que ousa e preserva, ao mesmo tempo, a riqueza literária de Perrault, é de Kall Sales, pesquisador de literatura de expressão francesa.

A Editora Poetisa é especializada na tradução esmerada de clássicos. “Cinzarela” custa R$ 34,90 e pode ser comprado no site http://www.editorapoetisa.com.br/#!loja/ck5w