“Dudu e o Urublue”

Livro infantil aborda conceitos de ecologia e compostagem através da história de amizade entre uma minhoca trabalhadora e um triste urubu.

AndréCaz2

Uma história sobre amizade e ao mesmo tempo responsabilidade. Esse é o mote de “Dudu e o Urublue”, livro de estreia do autor André Caz. (foto) A temática do meio ambiente e o impacto do consumo desenfreado permeiam a trama que mostra o improvável relacionamento entre uma minhoca trabalhadora e um triste urubu. Tudo isso com o objetivo de desenvolver desde cedo nas crianças uma consciência ecológica e um interesse pelos ecossistemas onde habitamos.

O tema não é novidade para o autor. Formado em Odontologia, André Caz estreia na literatura unindo duas de suas maiores paixões: ciência e histórias. Desde a infância, interessado por animais e plantas, em parte devido à influência da mãe bióloga e do pai engenheiro civil e músico (de quem André herdou seu DNA artístico), ele buscou desenvolver sua habilidade como contador de histórias durante uma pós-graduação em Roteiro para Cinema e TV. Foi após uma aula com roteiristas responsáveis por séries e animações infantojuvenis que André teve a inspiração para a história de “Dudu e o Urublue”.

O fato de estar prestes a se tornar pai também contribuiu para a criação dos personagens: “ Comecei a escrever uma historinha pro meu filho que estava por vir, de maneira despretensiosa, como uma brincadeira para ele. Em 30 minutos, estava com a história praticamente pronta”, revela André.

Dudu e o Urublue - André Caz

O nascimento de Dudu e seu amigo urubu Bicão foi uma consequência também da prática da permacultura que o autor mantém em casa. Trata-se de um sistema de desenho ambiental que ajuda a estabelecer iniciativas sustentáveis do ponto de vista social, ambiental e econômico. Não por acaso, a compostagem se tornou um ponto chave em toda a trama. Por meio da leitura, os pequenos compreenderão o importante papel das minhocas no ecossistema: elas se alimentam de restos orgânicos que ficam depositados no solo, contribuindo para o ciclo completo de vida de um alimento. Os que são descartados, logo viram húmus nas fezes das minhocas, que acabam adubando o solo para o crescimento de novos alimentos.

Mas Dudu não é uma minhoca qualquer: é um minhocuçu, espécie que pode chegar até a 1,5m de comprimento e responsável pela limpeza e manutenção dos caminhos subterrâneos. Dotado de ferramentas dignas de um engenheiro, ele mostra que a vida útil dos alimentos continua bem depois do descarte. É aí que entra o conceito da compostagem, uma prática fácil de ser adotada em casas e apartamentos e que pode trazer muitos benefícios, que vão desde a diminuição do volume de lixo que vai para os aterros até a criação de um adubo natural que pode ser usado na hortinha doméstica.

A obra é o primeiro volume da Coleção Permacultores, que vai abordar outros temas ligados ao meio ambiente sempre de forma lúdica e educativa. Por isso, os exemplares da coleção serão ótimas opções de leitura não apenas em casa, em família, como também na forma de material paradidático nas salas de aula. Cada obra se torna uma estratégia de ensino que transforma o processo de aprendizado em uma brincadeira. Para isso, é estabelecida uma relação de empatia e afinidade entre o pequeno leitor e o personagem fictício, para que o livro se torne um veículo de transmissão de informações de forma eficiente para a criança.

A principal consequência da iniciativa é o Projeto Minhocity, que vai levar contação de histórias a escolas aliada a atividades ligadas à construção de uma composteira. Assim, os alunos colocam a mão na massa para contribuir com o meio ambiente, além de colaborar para o ciclo dos alimentos que saem da horta, vão parar na merenda escolar e retornam para o solo.

Os pequenos são o foco do trabalho de André em seu livro de estreia. “Dudu e o Urublue” representa o início de um legado que vai ficar para as próximas gerações. “Minha preocupação com o meio ambiente vem do meu filho, no sentido de deixar um mundo melhor para ele, que é a minha continuação neste planeta. Eu tenho 38 anos, provavelmente já estou na segunda metade do meu tempo de vida. Talvez as drásticas mudanças climáticas que estão por vir (e certamente virão, algumas até já começaram) não me atinjam, mas com certeza atingirão ele. Não quero isso pro meu filho. Este planeta era um paraíso, estamos transformando ele em outra coisa, algo ruim, algo pior. Acredito que ainda dá tempo de reverter este processo, mas é imperativo que comecemos desde já”, conclui.

“Dudu e o Urublue” tem distribuição independente. O autor está atualmente realizando o lançamento do livro e em escolas juntamente com uma oficina sobre compostagem para docentes, alunos e pais. Para adquirir o livro, escreva para andrecaz@hotmail.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *