Pra começar a semana

1- Acessibilidade no mercado cultural

No Brasil e no mundo ainda existe muito desconhecimento sobre as pessoas com deficiência e seus direitos. Muitos consideram que a inserção da Língua Brasileira de Sinais (Libras) e da audiodescrição como um custo a mais para os projetos culturais, quando, na verdade, se trata da contemplação de direitos adquiridos pelas pessoas com deficiência.

Diante disso, nesta terça-feira, 14 de março, às 18h, o site do projeto Diversidade na Rua (http://www.diversidadenarua.cc/)  da empresa Mercur, realizará um debate online aberto ao público sobre os diversos desafios e possibilidades do mercado cultural e acessibilidade desses espaços. A mediação do debate, que terá como tema o “Mercado cultural e acessibilidade: desafios e possibilidades”, será com o consultor em audiodescrição e vice-presidente da Associação Gaúcha de Audiodescritores (Agade), Felipe Mianes, que tem baixa visão desde a infância e enfrentou graves problemas de acessibilidade arquitetônica e atitudinal em sua formação e inclusão no mercado de trabalho.

Por ser aberto ao público, qualquer pessoa que tenha interesse no tema pode participar do debate, basta acessar o site www.diversidadenarua.cc/debate. O formato é como o de um fórum: as questões são lançadas pelos participantes e todas as respostas podem ser replicadas. Para interagir é preciso fazer um cadastro rápido e simples.

Ministro Roberto Freire se reuniu  com representantes da Câmara Brasileira do Livro - Foto: Edson Leal/Ascom MinC

Ministro Roberto Freire se reuniu com representantes da Câmara Brasileira do Livro – Foto: Edson Leal/Ascom MinC

2- Parcerias em prol do livro

O incentivo às feiras de literatura e à abertura de livrarias fora dos grandes centros do País foi o principal assunto da reunião, semana passada, em Brasília (DF), entre o ministro da Cultura, Roberto Freire, e representantes da Câmara Brasileira do Livro (CBL). Participaram o presidente da entidade, Luís Antonio Torelli, e a diretora-executiva, Fernanda Gomes Garcia. O secretário de Economia da Cultura do Ministério da Cultura (MinC), Mansur Bassit, também esteve presente.

Torelli explicou que a CBL, em parceria com o Sebrae e com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), pretende incentivar a abertura de livrarias fora dos grandes centros brasileiros e pediu parceria do MinC para o projeto. “Temos cerca de 1,3 mil livrarias para mais de 5 mil municípios. Não adianta haver política de fomento se não há onde comprar os livros. Queremos investir nisso”, afirmou.  Segundo ele, o Brasil tem uma carência enorme de livrarias e de pontos de venda e uma concentração enorme.

Outro ponto abordado foi o apoio do MinC para feiras literárias. “Temos uma experiência muito positiva (nesse quesito), não apenas para venda de livros, mas para a formação de leitores”, contou. “Ao trazer autores, tornamos o evento mais atrativo e capacitar professores da região estimula a formação de leitores”, exemplificou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *