A feira de Bolonha não decepcionou

Editores participantes da Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha, que foi realizada de 3 a 6 de abril deste ano, estimam fechar US$ 337 mil em negócios nos próximos 12 meses. Leonardo Neto, em matéria do Publish News, mostra que o valor é menor do que o estimado no ano passado, mas acima da meta estipulada pelo Brazilian Publishers, projeto de incentivo à exportação de conteúdos editoriais brasileiros. Abaixo, leiam a matéria completa.

240314 - fiera internazionale del libro per ragazzi - - foto Nucci/Benvenuti

Durante a Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha, cuja 54ª edição foi encerrada no último dia 6, 15 editoras brasileiras estiveram no estande coletivo do Brazilian Publishers (BP), projeto setorial de fomento às exportações de conteúdo editorial brasileiro resultado da parceria entre Câmara Brasileira do Livro (CBL) e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Durante os dias do evento, as editoras participaram de 361 reuniões com empresas de 31 países e ainda de dois matchmakings, um com editores da América Latina e outro com editores dos Emirados Árabes (EAU).

Segundo estimativas do BP geradas a partir de declarações dos próprios participantes, essas reuniões e encontros redundarão em negócios na ordem de US$ 337 mil nos próximos 12 meses. A cifra está acima da meta estipulada pelo BP para esse ano, que foi de US$ 320 mil. No ano passado, a meta também foi superada. Antes da feira, o BP falava em US$ 300 mil, mas acabou fechando em US$ 470 mil em negócios nos 12 meses subsequentes ao evento.

“A queda na expectativa de negócios para os próximos 12 meses em relação a nossa participação no ano passado não é preocupante. Alteramos nossos principais mercados-alvo de atuação da Europa para América Latina e estamos focados também nos Emirados Árabes devido à homenagem que Sharjah [um dos emirados dos EAU] receberá na Bienal de São Paulo em 2018. Mudança e expectativa nem sempre são melhores amigas, mas estamos seguros de que o foco estratégico nesses mercados trará melhores frutos para o Brasil e para o mercado do livro no médio prazo”, disse Luiz Alvaro Salles Aguiar de Menezes, gerente de relações internacionais da CBL e do Brazilian Publishers.

Para Mariana Warth, editora da Pallas que vai a Bolonha há nove anos, foi uma edição surpreendente. “Foi uma feira muito melhor do que eu imaginava. Voltei com uma negociação avançada para venda de direitos de um livro para a França e outra engatilhada para a Alemanha. Não esperava um resultado tão bom”, disse ao PublishNews. Mariana pontua ainda a importância de sempre estar presente em eventos internacionais como o de Bolonha. “Quando você conquista parceiros no exterior, as pessoas jogam juntas com você. Agora mesmo, percebi que há um entendimento internacional de que o nosso país está em um momento difícil e há uma compreensão dessa conjuntura por parte dos nossos parceiros internacionais. E isso você só conquista se fazendo presente, indo lá, apertando a mão, mostrando planilhas, relatórios, jogando aberto”, finalizou.

Luiz Alvaro está de acordo com Mariana. “De maneira persistente, profissional e criativa, os editores do Brazilian Publishers estão conquistando cada vez mais espaço no mercado global do livro infantil”, concluiu.

feira-do-livro-infantil-de-bolonha-2014-1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *