“Como enlouquecer seu professor de Física”

Imagine uma professora de Física diante do desafio de conduzir uma turma de adolescentes que não quer saber de encarar a disciplina? Este lançamento da Editora do Brasil trata de uma experiência real dessa professora, a autora do livro, Elika Takimoto, que topou revolucionar a forma de ensinar Física para conquistar o interesse dos seus alunos pela ciência.

DM2RkJ8XkAAI1_H

A carioca Elika Takimoto (na foto acima) explica no livro as razões de ter escrito “Como enlouquecer seu professor de Física”, uma leitura fácil e rápida com seu texto jovem e articulado, alegre, bem-humorado:

“Sou professora no Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ) desde 2006. Em 2014, depois de uma enorme pesquisa e metamorfoses de pensamentos e conceitos, não mais consegui dar uma aula de Física dentro dos padrões que encontramos na maioria das escolas. Virei, digamos assim, a mesa e as carteiras. Como exatamente ocorreu essa revolução é difícil de dizer. Mas em “Como enlouquecer seu professor de Física”, percebe-se bem no que hoje me transformei. Hideo e o professor Inácio são o meu alter ego, sendo, o último, de dez anos atrás”.

A autora vive ao mesmo momento o professor e o aluno, dois personagens centrais da narrativa, respectivamente, Inácio e Hideo. O professor de Física de uma escola de pré-vestibulandos tem a mesma metodologia de ensino dos demais professores até encontrar Hideo, um aluno inteligente que, a princípio, só queria enrolar o professor para que ele não passasse o conteúdo das aulas.

fisicaEssa era a trama do aluno e o drama do professor apresentadas em vários capítulos como acontece no de número 5:

“O professor Inácio havia recuperado o fôlego depois de muito expor seus conhecimentos interessantíssimos e superirrefutáveis sobre a ciência _ como ele mesmo afirmava. Está tudo aqui, ali e acolá provado e, se a gente quiser confirmar, é só olhar direito.

É. Não tinha mesmo jeito. A aula iria começar.

_Mas, professor… Se eu seguir a lógica sempre, nem sempre eu me darei bem!

O quê? Hideo ainda não havia desistido? Não há mais como enrolar, meu filho! O professor Inácio encheu os pulmões de ar e os esvaziou bem devagarzinho. Ficou olhando para o aluno só esperando para ver se ele falaria mais alguma coisa.

_No ano passado, eu estive um Itajubá, no Sul de Minas. Minha mãe morava lá.

Ai, gente! Para tudo! Fala sério! O nosso amigo é um mutante praticamente! Fruto da união de um japonês com uma mineira. Que legal! Quase um Goku mesmo!”…

“Hideo estaria satisfeito? Teria como Hideo duvidar e questionar tudo isso que dito de forma tão clara?”

“Correria risco de perder mais seguidores em suas redes sociais? Como Hideo poderia salvar o Universo-turma-cento-e-três-da-Nata-do-Saber do tsunami das equações que viriam?”

Ao tratar das famosas Leis de Newton, no entanto, começa a acontecer uma mudança em sala de aula fictícia. O questionamento de Hideo faz o professor Inácio buscar as respostas, colocar em dúvida o padrão de ensino das escolas e a mudar sua própria técnica de dar aulas. O aluno acusa o ensino de ser antiquado e não propiciar a formação de cidadania ali substituída por uma abordagem baseada unicamente no esforço para passar no vestibular.

Dessa forma, o livro denuncia e discute os ensinamentos da Física e da Ciência no ensino fundamental e médio. Critica o fato de serem baseados em cálculos matemáticos e sem correlação com a realidade. Logo, o que poderia ser uma troca de diálogo num debate sobre a matéria de Física se transforma em discussão sobre o ensino no país.

Na vida real, as respostas da professora sobre a forma correta de ensinar a disciplina vieram nas suas pesquisas de doutorado em Filosofia no ano de 2014. Quem ler “Como enlouquecer seu professor de Física” vai encontrar a nova abordagem entre professor e aluno. Elika Takimoto é professora de Física, doutora em Filosofia e mestre em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia pela UFRJ.

O livro tem 164 páginas com o anexo Curiosidades da Ciência, onde são oferecidas as descobertas dos maiores gênios da humanidade: Aristóteles, Ptolomeu, Copérnico, Galileu Galilei, Kepler, Isaac Newton e Albert Einstein. As ilustrações são da paulista Ana Matsuaki.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *