Shakespeare bem pertinho de Beagá

Eu sempre encontro pessoas muito empenhadas em difundir arte literária, por isso, hoje, peço licença aos leitores do blog para extrapolar da literatura infantil e falar dos ideais de Mauro Maya e a Globe, uma marca diretamente ligada ao escritor William Shakespeare.

O empreendedor artístico cultural Mauro Maya e a aniversariante Sofia Fontes Santos em dia de comemoração e mística de Shakespeare no Mercado Globe

O empreendedor artístico-cultural Mauro Maya e a aniversariante Sofia Fontes Santos em dia de comemoração e mística em torno de Shakespeare no Mercado Globe – Foto: Emerson Freitas

O bar Mercado Globe foi o local da comemoração do aniversário da minha sobrinha Sofia Fontes Santos, que já conhecia o lugar e o elegeu para receber seus amigos por ser um local com boa comida, boas cervejas e muita cultura. O bar fica em Belo Horizonte, na Av. Luiz Paulo Franco, 445, Belvedere.

E cultura foi o que logo me chamou a atenção, por que encontrei muitos livros, espaço hitech e um proprietário empolgado: Mauro Maya, comunicador, ator, natural da terra de Carlos Drummond de Andrade, Itabira, que comanda a Arte Brasil Produção fundada por ele em 2002.

cerveja 1Também é o responsável pela vinda do Shakespeare Globe Theatre para o Brasil e pela criação do Instituto Gandarelauma das principais iniciativas do Grupo Arte Brasil. Mauro Maya busca viabilizar a produção cultural de qualidade por meio de parcerias entre empresas, governo, produtores e organizações, sempre pautando suas ações na responsabilidade social e promoção do desenvolvimento sustentável das regiões onde atua.

Em seu bar, estão à disposição dos clientes, oito rótulos de cerveja “Shakespeare” fabricados pela Cervejaria Krug, de Nova Lima, em parceria com o Instituto Gandarela. O lançamento foi em 2016, como um marco da comemoração dos 400 anos da morte de William Shakespeare. A linha de “Cervejas de Shakespeare” foram todas batizadas com nomes ligados ao dramaturgo e ator inglês:

cerveja 2“Midsummer´s Night Dream”: inspirada na obra Sonhos de Uma Noite de Verão trata-se de uma Summer Ale, fácil de beber, leve, clara, bastante aromática.

 “1599”: ano do lançamento da obra Hamlet e também da fundação do Teatro The Globe, em Londres. É uma Pale Ale, típica e tradicionalmente inglesa.

“1616”: a clássica das clássicas Porter para marcar o ano da morte de Shakespeare. Tem também a “1564”, ano do nascimento do homenageado.

“Plantageneta”: nome da dinastia de Ricardo III, que batiza uma English Barley Wine, lembrando as sangrentas batalhas nos campos de York.

cerveja 3“Otelo”: O Mouro de Veneza é a inspiração para uma Oatmeal Stout.

“Perdão da Dívida”: Inspirada na obra O Mercador de Veneza, é uma ESB com acréscimo de goiabada, trazendo para o contexto a gastronomia mineira.

“Double, Double, Toil and Trouble”: uma Strong Scotch Ale, com café e rapadura, para lembrar a obra Macbeth.

Segundo Fabiana Arreguy, jornalista e sommelier de cervejas formada pela Doemens Academy de Munique e professora da Academia Sommelier de Cerveja (que fez a classificação acima de cada rótulo), “a relação de William Shakespeare com a bebida vai muito além das duas dezenas de citações em suas obras. Contam que o pai do escritor, o agricultor chamado John Shakespeare, um emergente social, foi nomeado como degustador de cerveja do distrito de Stratford-upon-Avon, no ano de 1551. O cargo compreendia a inspeção do trigo e do malte utilizados na fabricação do fermentado. O menino nasceu e cresceu em uma casa onde a cerveja era bebida oficial. Não é à toa, portanto, que ele tenha criado personagens bebedores das “ale, palavra que aparece quatorze vezes em seus escritos. Há mais cinco citações à cerveja na obra do escritor, mas referindo-se à palavra “beer”. Em português, os dois termos significam cerveja.”

A nova construção do Teatro Globe, em Londres, dedicado a Shakespeare

A nova construção do Teatro Globe, em Londres, dedicado a Shakespeare – Foto: Divulgação

Outra iniciativa de Mauro Maya, que pode ser conhecida dentro e fora do seu bar, é o projeto de construção de uma réplica do Teatro Globe em Minas Gerais. O teatro inglês (Globe Theatre) foi construído em Londres no ano de 1599 e destruído por um incêndio em 29 de junho de 1613. Foi reconstruído no mesmo ano, mas encerrado permanentemente em 1642. Entretanto, a 200 metros do local do antigo teatro elisabetano, bem ao sul do Rio Tâmisa, em 1997, foi erigida uma nova construção agora chamada de Shakespeare’s Globe Theatre ou New Globe Theatre.

Réplica do Shakespeare Globe Theatre brasileiro que vai ser construído na cidade mineira de Rio Acima - Foto: Divulgação

Réplica do Shakespeare Globe Theatre brasileiro que vai ser construído na cidade mineira de Rio Acima  Foto: Divulgação

E por quê não fazer o mesmo em Minas Gerais? O Instituto Gandarela, de Mauro Maya, tem projeto para construir o Shakespeare Globe Theatre brasileiro, na cidade mineira de Rio Acima, a 40 quilômetros de Belo Horizonte, num terreno de 20 mil metros quadrados, cedido em comodato pela Vale especificamente para este fim. A proposta inicial do Instituto é atender diretamente crianças e adolescentes do município de Rio Acima e região por meio de cursos e oficinas culturais, e capacitar jovens e adultos oferecendo cursos profissionalizantes. O objetivo é capacitar a mão-de-obra local para atender a demanda que será gerada pela própria implantação do equipamento cultural na região.

Essa é a história que pulsa no bar Mercado Globe, que eu gostei tanto de conhecer, junto com os muitos amigos de Sofia, na comemoração de seu aniversário. Os ideais de Mauro Maya também pulsam no ambiente cultural de seu bar. Encontrar gente como ele, que se dedica a projetos voltados para enriquecer o mundo com arte e promover pessoas, a meu ver, é algo que merece registro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *