Tempo da Bienal de São Paulo

36324416_1979557992056707_5203462125892141056_n-501x450O evento literário é paulista, mas movimenta praticamente todo o Brasil de diversas formas. A 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, de responsabilidade da Câmara Brasileira do Livro, vai acontecer de 3 a 12 de agosto, no Anhembi, com 14 espaços culturais e 1500 horas de atividades.

Hoje, vamos comentar sobre o espaço infantil, que embora dedicado às crianças, preparou a Tenda das Mil Fábulas para receber gente de todas as idades e destacar especialmente a cultura árabe. Entre as novidades desta bienal, destaco ainda um modelo de biblioteca escolar e  o espaço Papo de Mercado com programação dedicada às tendências do mercado editorial. Afinal, nem só de público ávido por leitura se faz uma Bienal do Livro. Dela também participam profissionais que pensam o setor, escrevem, vendem e estimulam a leitura no país.

play-space

Em 50 anos de trajetória, a Bienal do Livro de São Paulo sempre trouxe novidades para crianças e jovens, incentivando a formação leitora, com diversas atividades. Para sua 25a edição, no entanto, o evento joga ainda mais luz neste público e traz um espaço multicultural, repaginado e, bastante diferente dos anteriores: a Tenda das Mil Fábulas Correios. O nome foi escolhido em homenagem ao convidado de honra desta edição, Sharjah, nos Emirados Árabes, e faz referência a uma obra bastante representativa na cultura árabe: o Livro das Mil Fábulas, conhecido no ocidente como o Livro das Mil e Uma Noites.

De 3 a 12 de agosto, o visitante encontrará renomados autores infantojuvenis, conhecerá mais sobre culturas especialmente a africana e árabe, além de descobrir o prazer do livro e suas facetas. Com curadoria da narradora de histórias e gestora cultural Daniele Ramalho e coordenação da CBL (Câmara Brasileira do Livro), o espaço infantil traz atrações com foco em três eixos: as diversidades culturais brasileira e humana e a conectividade entre pessoas e histórias. Em todas as atividades estão presentes fábulas, lendas, histórias, contos e mitos.  A programação foi montada para abarcar não só as crianças, mas diversas gerações e também os educadores, com mediações de leitura, apresentações musicais (que se mesclam com narrações) e destaca, ao longo dos 10 dias, a importância da literatura infantojuvenil, escritores e ilustradores.

Entre os autores e ilustradores que participarão da Tenda estão: Ana Maria Machado, Lázaro Ramos, Eva Funari, Pedro Bandeira, Ziraldo, Mauricio de Sousa, Ilan Brenman, Graça Lima, Januária Alves e Maurício Negro. O espaço em formato de tenda conta também com um acervo de 900 títulos, que podem ser manuseados pelos visitantes. As obras disponibilizadas pelas editoras participantes serão doadas, após o término da feira, para a Instituto Ecofuturo, voltado para ações de consciência ambiental.

Logo no primeiro dia da Bienal, amanhã, 3 de agosto, às 17h, a Tenda recebe a escritora Ana Maria Machado, o pesquisador de literatura árabe, Mamede Mustafá Jarouche, e a ilustradora Graça Lima, numa mesa com o tema “Mil Fábulas para a infância”, onde os especialistas vão falar, a partir das “Mil e Uma Noites”, da importância das fábulas na infância – na escrita e na ilustração e sobre o trabalho de transmitir tradições e culturas distintas para a literatura.

As tradições indígenas e suas histórias também ganham espaço na programação com importantes escritores que se debruçam sobre o tema, entre eles, Daniel Munduruku, Olivio Jekupé, Cristino Wapixana e Yaguarê Yamã.  Já para falar sobre a cultura africana participam do espaço autores como Janaina Tokitaka (A Princesa Africana/Pallas).

37691211_2022778874401285_2890383977980362752_n

Artistas e intervenções

Todos os dias, para o encerramento da programação, das 18h30 às 20h, um grupo de narradores de histórias e músicos realizam atividades de mediação de leitura e apresentam o espetáculo: “Mil Fábulas: os contos das Mil e Uma Noites” para contar histórias como a de Sherazade e outras ricas personagens da literatura árabe. Entre os artistas que participam da iniciativa estão: o músico Carlinhos Ferreira, a atriz Ana Luiza Lacombe, a moçambicana Lenna Bahule e a Orquestra Mundana, formada por músicos imigrantes e refugiados de países como Irã, Líbano e Arábia Saudita.

Para destacar também a importância do livro como instrumento educativo, o espaço infantil da Bienal Internacional do Livro de São Paulo conta ainda com uma série de atividades de mediação, com oficinas que mostram como aproximar o leitor dos livros e da leitura, apresentando obras infantojuvenis de diversos gêneros literários.  Voltada para educadores e público geral, essas ações completam o pacote de novidades da Tenda das Mil e uma Fábulas.

ViewImage.aspx

Modelo de biblioteca escolar

Com cerca de 50 m², a Biblioteca Modelo conta com um rico acervo de livros, mobiliário arrojado, sistema informatizado para pesquisa e empréstimo de materiais, além de uma programação cultural, voltada para o incentivo à leitura. Sempre com a participação ativa de um bibliotecário, mostrando como uma biblioteca bem estruturada deve ser.

A ideia do estande,  organizado  pelo Conselho Regional de Biblioteconomia ( 8ª região) é sensibilizar a população, os profissionais e as instituições sobre a Lei 12.244/2010. Ela regulamenta que todas as instituições de ensino públicas e privadas do Brasil tenham bibliotecas até 2020. A legislação, sancionada em 24 de maio de 2010, também determina que   todos os gestores providenciem um acervo de, no mínimo, um livro para cada aluno matriculado.

Faltando menos de dois anos para o fim do prazo, ainda muito precisa ser feito, mas a lei foi um grande avanço e precisa ser aplicada. Mas é preciso ficar atento com a implantação, pois uma biblioteca escolar não se faz por um amontoado de livros. É preciso que haja padrões.  Qual a quantidade mínima de publicações? Qual espaço físico precisa dispor para acomodar o acervo? Por que o acervo da biblioteca deve ser catalogado e estar ao alcance do usuário? É necessário ter internet? Qual horário ideal de funcionamento?

Para responder essa e outras questões, o Conselho Federal de Biblioteconomia definiu os parâmetros a serem adotados para a estruturação e o funcionamento das Bibliotecas Escolares, por meio da Resolução CFB nº. 199 de 3 de julho de 2018. Esses parâmetros podem ser conferidos aqui: http://repositorio.cfb.org.br/handle/123456789/1313

ViewImage.aspx 2

Além de conhecer a Biblioteca Modelo, simular empréstimos de livros por meio de tecnologia de ponta, poder ler e folhear as publicações no estande da biblioteca, as crianças, professores e as famílias poderão participar de uma série de atividades incríveis que tem como objetivo incentivar o gosto pela leitura. A programação terá contação de histórias, trava-línguas, peças pedagógicas para montagem, jogos de literatura (termômetro e dominó literário), declamação de poesias e do Cordel, entre outras.

Durante a bienal, o espaço também promoverá o lançamento da Campanha Biblioteca Escolar para Todos (Petição Pública).

01-6

Papo de mercado

Em todos os dias de Bienal, profissionais da área e demais interessados poderão compreender o cenário atual e refletir sobre os caminhos de um segmento tão importante para o fomento da educação e da cultura que vem assistindo a muitas mudanças. Em 2017 produziu 393,3 milhões de exemplares, vendeu 355 milhões e faturou R$ 5,17 bilhões, segundo a última pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro.  Já no varejo, contou com um crescimento real de 3,2% em 2017, com tendência de recuperação em 2018, segundo a Bookscan.

“Queremos dar voz às reflexões do mundo do livro e valorizar discussões importantes do nosso setor, que vive momentos de reinvenção, com grandes oportunidades”, afirma Vera Esaú, Gerente de Relações Institucionais da CBL e curadora do espaço.

Na programação estão contemplados grandes tendências do segmento como a autopublicação, a importância do ilustrador para os livros infantis, o estímulo à leitura infantil e juvenil, além do papel das bibliotecas como propulsoras da formação leitora. Assuntos atuais como os programas do Plano Nacional do Livro e da Leitura também estarão presentes. A CBL lançará ainda o primeiro Guia para Livrarias Independentes – outra tendência do mercado. Voltado aos empreendedores interessados em abrir seu negócio longe dos grandes centros, o material será distribuído gratuitamente para os participantes dos debates, terá a versão digital que ficará disponível no site da CBL, da Associação Nacional de Livrarias (ANL), nos demais canais do mercado editorial, além das plataformas de empreendedorismo.

Confira aqui a programação completa dos debates e mesas em destaque, que vão aguçar a curiosidade de um público especializado e para quem quer conhecer melhor o setor.

JP4

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *