No Rio, Bienal do Livro abre as portas

O desenhista Maurício de Sousa é o homenageado e estande da Turma da Mônica é uma das atrações do evento literário. A Bienal segue de hoje até 8 de setembro, no Riocentro.

Criador de personagens que há seis décadas encanta gerações, o cartunista Mauricio de Sousa chegou ao Pavilhão das Artes da XIX Bienal do Livro causando frisson entre “crianças” de todas as idades. Vários adultos, fãs de Mônica, Cebolinha e Cascão, emocionaram-se ao encontrar o autor, que recebeu uma homenagem da Bienal pelos 60 anos de seus quadrinhos.

Mauricio inaugurou um mural de 210 metros quadrados no novo espaço do evento, com imagens de todas as fases de seus personagens e um enorme estêncil em que Maurício aparece brincando com Bidu, obra assinada pela artista urbana Simone Siss, que estava presente.

O cartunista autografou o painel e, em seguida, desenhou Bidu na placa comemorativa: “Ele foi meu primeiro personagem e se tornou um símbolo fo meu estúdio “, contou.

Entre os fãs, a estudante catarinense Laura Flôr, de 16 anos, não parava de chorar: “Aprendi a gostar de ler por causa dos gibis dele!”, contou, enxugando as lágrimas.

Na Bienal mais diversa e inclusiva de todos os tempos, o autor e cartunista, que nos últimos anos vem criando diversos personagens com deficiências, falou sobre a importância da inclusão: “Sempre é uma coisa positiva, estamos somando personalidades, vontades, ideias. Esse é o segredo do progresso e da evolução. Estamos colaborando com isso com gibis, filmes, com tudo”, resumiu.

Durante a cerimônia de abertura do evento, que este ano faz uma reverência ao Japão e sua cultura, Marcos da Veiga Pereira, presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) ressaltou a importância da leitura e da valorização da educação: “Nosso país trilha um caminho perigoso que pode agravar a desigualdade”. E lembrou que a leitura pode ajudar a mudar esse cenário.

Cartões postais

O estante, com 115 m2, leva o tema “Turma da Mônica navegando nas palavras”, onde o objetivo é demonstrar a grande contribuição que os personagens da turma têm dado para a divulgação da língua portuguesa por meio de princípios e valores da cultura brasileira. Este ano, o espaço visa facilitar a comunicação de crianças brasileiras com outras de oito países que, assim como o Brasil, possuem o português como idioma oficial.

A Mauricio Sousa Produções disponibilizará cartões postais ilustrados com a Turma da Mônica, ao lado dos principais ícones destes territórios, para uma divertida e educativa troca de correspondências. “No local, haverá garrafas sinalizadas com o nome de cada país, nas quais os visitantes poderão enviar mensagens, em uma alusão ao meio de comunicação dos antigos náufragos”, comenta o diretor de Licenciamento da produtora e responsável pela ação, Rodrigo Paiva.

Esta iniciativa será realizada em parceria com o Itamaraty, que estará responsável pela entrega dos postais aos alunos e escolas dessas nações. “O Itamaraty tem na Mauricio de Sousa Produções um grande apoio na difusão da língua portuguesa pelo mundo. Por isso, recentemente estabelecemos parceria para valorizar a diversidade das variantes do português na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), e que resultou em um belo livro em que a Turma da Mônica viaja pelos países lusófonos. A troca de cartões postais com crianças da CPLP é um desdobramento natural dessa parceria, que certamente ajudará a valorizar aqui no Brasil e nos outros países da Comunidade os laços históricos e afetivos que nasceram e se desenvolveram por causa de nossa língua comum”, revela a diretora do Departamento Cultural e Educacional do Itamaraty, Paula Alves de Souza.

Pesquisa com leitores

Para conhecer o perfil leitor do visitante da XIX Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, o Ibope Inteligência vai entrevistar mil visitantes durante o evento, como uma espécie de prévia da 5ª Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, cujos entrevistadores irão a campo em novembro.

Projeto do Itaú Cultural e do Instituto Pró-Livro, esse tipo de enquete se estenderá futuramente a outros saraus, feiras e festas literárias do país para medir as motivações e hábitos para a leitura. Nesta mesma parceria, hoje, as duas instituições promoveram, ainda, o debate Retratos das Leituras na Criação Literária – a trajetória da formação leitora e a leitura que inspirou escritores brasileiros, que reuniu a escritora Ana Paula Lisboa, o dramaturgo Walcyr Carrasco e a coordenadora da pesquisa no Brasil Zoara Failla.

“Em um país onde os índices de leitura são dramáticos, é determinante contribuir para ter mais brasileiros lendo mais”, diz Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural. “Precisamos, cada vez mais, de leitores, principalmente que apreciem literatura, pois isso, ao nos fazer imaginativos e criadores de signos e significados, nos revela humanos”, continua ele, para quem este trabalho começa por entender melhor o comportamento do leitor brasileiro e identificar, também, aqueles que leem, especificamente, literatura nacional.

“A partir desta parceria, a coleta de dados para a Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil cresce para identificar, além dos leitores em geral, aqueles que leem, especificamente, literatura nacional”, afirma Ângelo Xavier, presidente do IPL. “O trabalho de campo, antes focado na identificação de hábitos de leitura regional, também é ampliado para a busca em todas as capitais do país”, completa.

Encomendada ao Ibope Inteligência, a enquete que será realizada na Bienal complementa esta busca de dados. Quantitativa, a pesquisa tem como público alvo visitantes da Bienal do Livro de 2019, com 10 anos ou mais, que não sejam estudantes em excursões escolares. Serão realizadas entrevistas pessoais, com o auxílio de tablets, dentro dos pavilhões no Riocentro.

Os entrevistadores do IBOPE, uniformizados e identificados, investigarão o perfil demográfico do visitante, como idade, gênero, religião, classe social, renda familiar e grau de instrução, e levantarão dados sobre a sua leitura atual e nos últimos três meses e o que os motiva a ler.

Nomes internacionais

Penélope Douglas

Mais quatro nomes internacionais confirmaram presença na XIX Bienal do Livro Rio. Penelope Douglas, Tara Sivec, Franggy Yanes e Sofia Silva farão parte do maior evento literário do Brasil com agenda e programação nos estandes de suas editoras.

Na The Gift Box Editora, a lista de autores inclui duas americanas e um venezuelano. Com títulos reconhecidos pelo The New York Times e The Wall Street Journal, e traduzida em mais de 14 países, a romancista americana Penelope Douglas, que assina os títulos “Birthday Girl” e “Punk 57”, será uma das estrelas.

O time de talento estrangeiro da editora inclui, ainda, a escritora Tara Sivec, cujo nome figura na lista de best-sellers do USA Today. Moradora de Ohio, ela se classifica como esposa, mãe, chofer, empregada doméstica, cozinheira de curta duração, babá e especialista em sarcasmo. Ela é responsável pela trilogia The Naughty Princess Club, que terá série completa na Bienal. Para os fãs, essa é uma vitória: é a primeira vez que os livros serão oferecidos juntos para o público. A primeira parte da coletânea foi lançada em março.

Já o fotógrafo venezuelano Franggy Yanes traz o livro “Next Door Journal: um projeto de amor ao Brasil” pelo novo selo da The Gift Box Editora, The Gift Book, voltado para projetos alternativos e culturais dentro da literatura. Há dois anos ele veio ao país para um evento e se apaixonou. Como bom desbravador de novos cenários e entusiasta das mais diversas culturas, Yanez deu vida ao projeto retratando através de suas lentes as belezas encontradas pelos estados que visitou.

Consagrada junto aos leitores brasileiros na última Bienal do Livro Rio, em 2017, Sofia Silva volta ao evento para lançar “Destinos quebrados” e, mais uma vez, integrar a programação oficial. A autora portuguesa participará do debate “Vamos falar sobre luto” no Café Literário, dia 7 de setembro, às 12h. Haverá, ainda, uma sessão de autógrafos no estande da Editora Valentina (Pavilhão Verde, estande 72, Rua O), no dia 1º, às 15h.

Com investimento de mais de R$ 44 milhões, o festival é uma realização do Sindicato Nacional de Editores de Livros (SNEL) e da GL exhibitions , apresentado pela Microsoft e com patrocínio master do Banco Itaú. O evento conta com apoio da lei federal de incentivo à cultura, através da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania, e da lei municipal de incentivo à cultura da cidade do Rio de Janeiro, lei do ISS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *