“A valentia das personagens secundárias”

A Globinho, selo de literatura infantojuvenil da Globo Livros, lança a nova obra de Stella Maris Rezende. Neste livro está impresso o estilo que caracteriza os livros da autora: a invenção linguística a serviço da exploração de sentimentos mais íntimos e o enaltecimento dos valores humanos, como o afeto e a solidariedade, que são comentados pela própria Stella Maris na forma de ping-pong e que também estão publicados no blog na categoria Entrevistas.

“A valentia das personagens secundárias” traz a história de uma família prestes a revelar uma grande tragédia do passado mais precisamente de 1961.  Em sua narrativa, a escritora promove um encontro dessa família no interior de Minas Gerais, na fictícia cidade de Flores do Mato Longe, durante a Festa do Rosário de Nossa Senhora.

Dois irmãos, Fabiano e Reginaldo, decidem gravar depoimentos dos membros da família e produzir um documentário com o objetivo de esclarecer a grande tragédia. Um filma e o outro fotografa os familiares durante a reunião promovida na casa da bisavó. As personagens secundárias deste romance vão mostrar sua valentia ao depor sobre os acontecimentos que geram as maiores intrigas e que, ao mesmo tempo, mantém uma família unida no decorrer dos anos.

O pai da mãe, a mãe da mãe, os tios, primos e primas, cada um tem uma contribuição para a revelação de uma grande tragédia que está ligada ao passado dos avós de Fabiano e Reginaldo. Durante a tradicional Festa do Rosário, da subida à descida dos mastros, que abrem e encerram as celebrações, os dois irmãos terão a chance de conhecer a fundo os mitos familiares, as histórias e lendas, as manias e traços de cada parente, até mesmo os valores pessoais de cada um relevados nas discussões causadas pela política, enquanto revolvem os próprios medos e percebem sentimentos contraditórios aflorarem. Ao mesmo tempo que uma tragédia antiga vem à tona, outra pode ocorrer a qualquer instante.

A obra de 144 páginas traz o estilo característico de Stella Maris Rezende: a invenção, a marca de oralidade e a observação sensível do mundo, tudo a serviço de uma boa história sobre os mitos e os segredos que toda família guarda, e que podem vir à tona a qualquer momento – até mesmo décadas depois.

Stella Maris Rezende e seu belo estilo de usar as palavras: “Viver é um ato dicionário”

Descobridora de palavras

É muito bom ler Stella Maris. Além de prender a atenção do leitor com a história, ela ainda nos surpreende com sua magia de palavras. Emprega termos novos com tanta naturalidade e ainda brinca seriamente com eles para nos propiciar uma leitura agradável, rica, contextualizada e emocionante como nesses trechos reproduzidos abaixo, respectivamente do início, meio e final da história:

Tudo problema de vezo, de costume, não saber dar conta de viver sem ler, eita diacho. Em desde menina, meus olhos carecem de ver um emaranhado de palavras, para desemaranhar um pouco a vida, sabe?”

“A prima que antes do meio dia não existe já existe, já passa de uma da tarde, a gente se encontra na penumbra do corredor do andar de cima… Ela vem e me beija no rosto, não de modo rápido como as outras primas, a dorminhoca se detém no beijo, pressiona e abre os lábios, só falta mudar o alvo e me beijar na boca… Então ela se afasta, mas de repente se volta e torna a me olhar. Eu paralisado no meio do corredor, e ela de súbito em dúvida se a pessoa que antes do meio dia não existe deve mesmo transbordar de existência na companhia da pessoa prodilemática.”

“Pois então. Não sou apenas um músico tímido e guloso. Não sou apenas um jovem com prodilema. Eu leio muito. Não tenho medo de palavras que não conheço. Eu gosto do desconhecido. Viver é um ato dicionário. A gente vai vivendo e descobrindo os sentidos das coisas”.

Segundo a escritora, “esse livro fala de temas importantíssimos para os difíceis dias atuais, em que a incitação ao ódio e à violência predomina os discursos. Os preconceitos, o racismo, a homofobia, a misoginia, as intolerâncias, as brigas familiares, as convicções políticas, tudo isso está presente em “A valentia das personagens secundárias.”

Stella Maris Rezende é uma das convidadas do Salão do Livro para Crianças e Jovens 2019 que começa nesta semana, dia 23, e segue até o dia 31/10, no Rio de Janeiro. Ela convida: “Vamos prosear no Salão FNLIJ 2019? Nesses tempos difíceis de tantos desencontros, que tal um alegre Encontro na Biblioteca Parque Estadual, um lugar lindo e de fácil acesso no centro do Rio? Próximo dia 27, domingo, 14h. Vou falar sobre o romance ‘A valentia das personagens secundárias.’ Viva a nossa valente teimosia!”

Viva, Stella!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *