HQ é um dos gêneros mais lidos pelos brasileiros

30 de janeiro é o Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos. Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil aponta que de 13% a 29% dos leitores brasileiros, de diferentes faixas etárias, apreciam esse formato literário chamado de 9ª arte.

A marca de ebooks Kindle tem mais de 1400 quadrinhos em formato digital. Só no Brasil são mais de 50 autores e 90 obras, entre eles Cinco mil anos: E (quase) todas as tiras de Caco Galhardo, Dois Irmãos de Fábio Moon e Gabriel Bá, baseado no livro de Milton Hatoum e Toda Rê Bordosa de Angeli. No aplicativo Kindle para computadores, tablets e smartphones as obras são lidas nas cores originais. Uma obra que é considerada um dos experimentos mais ousados da história do quadrinho brasileiro e que no eBook é ampliada com histórias e ilustrações inéditas, é Baiacu, um projeto da Laerte e de Angeli, dois grandes nomes do quadrinho nacional. A antologia reúne dez grandes artistas brasileiros e é produto de uma residência artística ministrada pelos dois lendários quadrinistas

 

Em 30 de janeiro de 1984, foi instituído o Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos, e a data foi escolhida porque neste dia em 1869, o cartunista Ângelo Agostini publicou a primeira história em quadrinhos brasileira: As Aventuras de Nhô-Quim, ou Impressões de uma Viagem à Corte.

Conhecido como a 9ª arte, os gibis encantam crianças e adultos. Na 4º Edição da Pesquisa Retratos da Leitura do Instituto Pró-Livro, maior e mais completo estudo sobre o comportamento leitor do brasileiro, o gênero foi escolhido como preferido por 13% dos entrevistados. Essa porcentagem sobe para 29% na faixa etária de 5 a 10 anos e se mantém alta dos 11 aos 13 anos, representando 21% de jovens que apreciam as revistas em quadrinhos e, ainda, ajudam os leitores a se aproximarem de outros tipos de literatura.

O escritor Pedro Bandeira concorda que a leitura de gibis faz parte da sua formação leitora e explica: “me formei leitor a partir do momento que tive acesso às histórias em quadrinhos, e, daí, fui me apaixonando pelas aventuras” – Foto: Divulgação

 

O escritor Pedro Bandeira, patrono do Prêmio Retratos da Leitura, promovido pelo Instituto Pró-Livro, relembra como a leitura de quadrinhos o influenciou na sua carreira. “Para mim esta é uma data nostálgica, daquelas que nos levam a recordar as delícias da infância. Isso porque posso dizer que sou um produto dos quadrinhos. Desde muito pequeno, antes de aprender a decifrar as formiguinhas pretas que eram contidas nos balõezinhos de fala, folheávamos as revistas admirando os desenhos e inventando nossos próprios enredos. Acho que aí eu comecei a treinar minha futura carreira de escritor…”, recorda.

Assim como a Pesquisa Retratos da Leitura apresenta, Pedro concorda que a leitura de gibis faz parte da sua formação leitora, “me formei leitor a partir do momento que tive acesso às histórias em quadrinhos, e, daí, fui me apaixonando pelas aventuras”. O escritor ainda completa, “os quadrinhos criaram o prazer de ler, criaram leitores e podem voltar a prestar esses serviços à nossa cultura”.

A 5º Edição da Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil do Instituto Pró-Livro em parceria com o Itaú Cultural será lançada ainda no primeiro semestre de 2020. “Estamos na expectativa para conhecer os resultados desta edição e na torcida para ter boas surpresas em relação aos leitores brasileiros, inclusive de quadrinhos”, ressalta Zoara Failla, coordenadora da Pesquisa.

O escritor João Marcos Parreira Mendonça (à direita da foto) é um dos raros quadrinistas escolhidos por Maurício de Sousa para desenhar os personagens da Turma da Mônica

 

Troféu Bidu

O escritor João Marcos Parreira Mendonça gosta de se apresentar como um “contador de histórias em quadrinhos”. Por isso, nesse Dia Nacional das HQ, queremos contar que ele é um dos roteiristas escolhidos por Maurício de Sousa para atuar com os personagens da Turma da Mônica. E mais do que isso: a cada dez anos de trabalho, os funcionários da Maurício de Sousa Produções são homenageados com o Troféu Bidu para comemorar essa data especial.

Em dezembro de 2019, João Marcos contou em rede social: “Hoje eu tive a alegria de ganhar o meu primeiro Biduzinho. Tenho colegas que têm três, quatro… o próprio Mauricio ganhou o equivalente ao sexto Bidu este ano, ao comemorar 60 anos de trabalho. O curioso é que passado esses dez anos, a ficha ainda não caiu pra mim, pra usar uma expressão bem analógica. Até hoje parece um sonho. E como sou grato a Deus por viver esse sonho. Como sou feliz por viver esse sonho”.

Prêmio para Maurício de Sousa

Ontem, 29 de janeiro, foram homenageados, no Palácio dos Bandeirantes, profissionais da cultura que se destacaram no decorrer de 2019, no Prêmio Estado de São Paulo para as Artes 2019. Mauricio de Sousa foi um dos vencedores pelo trabalho à frente da Mauricio de Sousa Produções (MSP), na categoria “Iniciativas culturais para crianças e adolescentes” (foto).

O prêmio, criado em 1950 e hoje reformulado, é a principal premiação cultural do Estado e a maior em nível estadual no Brasil. É promovido pelo Governo do Estado de São Paulo por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa.

Mauricio de Sousa é o autor de maior sucesso das histórias em quadrinhos no Brasil. Começou nos anos 50 em uma pequena cidade do interior de São Paulo (Mogi das Cruzes), sem dinheiro, mas com muita vontade de trabalhar. Assim, conquistou milhões de leitores por passar mensagens de amizade, solidariedade e muito humor com suas criações da “Turma da Mônica”. São mais de 400 personagens criados nesses anos.

Hoje, após 60 anos de seu início na área dos quadrinhos, é reconhecido em todo o mundo com várias premiações e publicações de sua obra em diversos países. No Brasil, mantém mais de 10 milhões de leitores por mês apenas com suas revistas em quadrinhos. Representa 85% de todo o mercado infanto/juvenil de quadrinhos no país.

No YouTube, com sua série de animações “Monica Toy”, chegou a mais de 7 bilhões de visualizações pelo planeta em apenas quatro anos. Depois do Brasil, quem mais assiste o programa on-line é a Rússia, México, EUA, Japão e entre outros.

Os shows ao vivo em teatro, com seus personagens, são montados em todo o Brasil e agora estão sendo apresentados em outros países, como EUA e Japão. Além disso, seu parque de diversões indoor em São Paulo é o maior da América Latina.

Sua importância para os brasileiros vai muito além do sucesso comercial. É o primeiro desenhista de quadrinhos no mundo que entrou para uma Academia de Letras junto aos escritores mais famosos (Academia Paulista de Letras – APL).

Suas revistas, comprovadamente, servem de estímulo à leitura e à alfabetização de crianças a partir dos cinco anos de idade. Por isso, passou por cinco gerações de leitores sempre renovando seu público. Na área comercial tem sua marca em mais de 3 mil itens em contratos com cerca de 150 empresas. Já produziu mais de 12 filmes de animação para o cinema e centenas de animações para a TV. É o maior produtor de animação do Brasil. Tem o maior estúdio da área na América Latina com mais de 300 funcionários.

2020 é um ano cheio de novos projetos e uma nova dimensão para sua empreitada internacional. Uma conquista baseada na criação de um mundo de sonhos que conquistou milhões de pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *