Meios educativos para cuidar dos alunos online

Pesquisas mostram que, com maior exposição dos alunos à internet, escolas devem desenvolver meios educativos para abordar práticas que vão do cyberbullying aos discursos de ódio.

 

 

Isolados em casa há quatro meses, crianças e adolescentes de todo o país têm na internet a principal forma para interagir e passar o tempo durante a quarentena. Na medida em que o estresse de ficar em isolamento social piora, os riscos e os danos emocionais podem intensificar casos de discriminação no ensino remoto. Se, de acordo com a pesquisa TIC Kids Online Brasil 2019, divulgada nos últimos dias, quase metade dos jovens de 9 a 17 anos afirmaram ver alguém sendo discriminado na internet, o problema pode evoluir ainda mais no isolamento.

Segundo o estudo, em 33% dos casos que ocorreram com meninas, essa discriminação foi pela cor ou raça; em 26% pela aparência física; em 21% por gostarem de pessoas do mesmo sexo; e, em 15%, pela religião. Entre os meninos, 20% reportam discriminação por cor ou raça; 15% pela aparência; 9% por gostarem de pessoas do mesmo sexo; e, 7%, pela religião.

Para Paula Chaves, assessora pedagógica do Sistema de Ensino pH, o aumento do tempo de confinamento e da exposição ao ambiente digital são fatores que podem desencadear práticas de discriminação, como o cyberbullying. “Pelo fato de não poderem sair de casa ou não conseguirem se relacionar com amigos e familiares, o lado emocional fica sobrecarregado, provocando uma sensação de cansaço que se transforma, muitas vezes, em condutas agressivas a outras pessoas, sobretudo à figura do professor”, conta.

A especialista também explica que a falsa sensação de liberdade e anonimato que o ambiente virtual traz, possibilitando o estudante mudar sua identidade e se utilizar dela para expressar algum sentimento reprimido, é outro fator que prejudica a solução do problema. “Tudo aquilo que ocorria nos pátios dos colégios e dentro das salas de aula, podendo ser resolvido naquele momento, agora, se torna mais difícil de ser detectado pela dificuldade em observar o comportamento do aluno”, comenta Chaves.

Por isso que, em casa, a responsabilidade dos pais na educação dos filhos cresce ainda mais. Se, antes, a escola passava a maior parte do tempo contribuindo para a formação integral do estudante, o isolamento equiparou essa relação. Não basta apenas acompanhar as atividades acadêmicas dos filhos, deve-se também prestar atenção nas atitudes e no aspecto emocional. “Os pais precisam criar estratégias e canais de comunicação para acompanhar e entender como seus filhos estão agindo nas redes. Além disso, essa percepção deve ser compartilhada frequentemente com os professores”, diz.

Compartilhar essas informações com os professores ajudaria as instituições de ensino, na outra ponta, aproveitar o contexto para desenvolver com a comunidade questões ligadas à inteligência emocional e à comunicação não-violenta. Praticar a escuta ativa, o autoconhecimento e a empatia são alguns dos pontos que podem ser trabalhados nas aulas. “Precisamos repensar nossa abordagem e desenvolver outros mecanismos para resolver conflitos e possibilitar ao outro a oportunidade de dizer o que sente e o que pensa”, finaliza.

 

 

Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *