Histórias em quadrinhos para “Quincas Borba”  

Primeira adaptação da obra de Machado de Assis para histórias em quadrinhos tem roteiro de Luiz Antônio Aguiar, especialista no autor e vencedor do Prêmio Jabuti, e ilustração da quadrinista Verônica Berta, indicada ao troféu HQMIX.

Um dos maiores clássicos da literatura brasileira chega ao universo dos quadrinhos. A FTD Educação, referência nacional no mercado de livros didáticos, literatura e soluções educacionais, lança “Quincas Borba” em quadrinhos, a primeira adaptação do romance de Machado de Assis para HQ.

Com texto adaptado pelo escritor e roteirista de quadrinhos Luiz Antônio Aguiar e arte de Verônica Berta, quadrinista e indicada ao troféu HQMIX, o clássico de Machado de Assis renasce com 96 páginas em uma versão impecável e original, comprovando o caráter atemporal e a força de sua obra.

Publicado em 1891 e originalmente lançado em folhetim, o segundo livro da trilogia realista de Machado de Assis (composta ainda por Memórias Póstumas de Brás Cubas e Dom Casmurro) critica os costumes e a filosofia de seu tempo, tendo imortalizado a expressão “Ao vencedor, as batatas”.

A narrativa se desenvolve em torno de um triângulo amoroso e interesseiro. No Rio de Janeiro do final do século XIX, Rubião é vítima das investidas da sedutora Sofia incentivadas pelo próprio marido, Cristiano Palha, que está de olho no dinheiro do professor recém-chegado de Barbacena. Os três se conheceram durante uma viagem de trem e, à medida que os laços entre eles se estreitam, insinuações, ironias, dissimulações e novos personagens deixam as relações privadas e sociais mais complexas.

Esse imaginário machadiano com toda sua riqueza de detalhes e de linguagem ganha uma narrativa visual nas páginas desta versão em quadrinhos, que também pode ser vista no booktrailer da obra, um resumo animado de 2’40 minutos veiculado no canal do YouTube da FTD Educação (https://bit.ly/2ZQYiXU).

Os autores

Mestre em literatura brasileira pela PUC-Rio, Luiz Antônio Aguiar é professor de literatura e autor de mais de 160 livros, muitos deles premiados, como Confidências de um pai pedindo arrego (FTD), que recebeu o prêmio Jabuti de Melhor Livro Infantil, em 1994. Trabalhou como roteirista da Revista do Sítio do Picapau Amarelo e no Estúdio Disney e virou especialista em Machado de Assis, já tendo publicado vários livros e artigos a respeito do autor, além de ter feito outras adaptações de suas obras para quadrinhos.

“Quincas Borba” é o romance mais desolador de Machado. Em nenhum outro, seu protagonista é submetido a uma trajetória de decadência tão dolorosa para o leitor – até porque o próprio Rubião está alheio a isso. É o ser humano confrontado com um destino avassalador e que parece inscrito nas estrelas. Passar essa atmosfera, essa leitura do romance, para o roteiro, foi sempre minha obsessão, meu maior desafio”, destaca Aguiar.

Os traços, cores, luzes e sombras do HQ ficaram a cargo de Verônica Berta, ilustradora, quadrinista e professora de desenho. Graduada em Design Gráfico pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, Verônica fez curso superior de ilustração na École Émile Cohl (Lyon, França). Trabalhou como ilustradora e desenhista de storyboard nos mercados publicitário e cinematográfico, como no documentário Scab Vendor: The Life and Times of Jonathan Shaw (Maraca Studio, Los Angeles). É autora da HQ Ânsia eterna (Sesi-SP), finalista do Jabuti e indicada aos prêmios HQMIX e Angelo Agostini.

“Todos os objetos, cenários, roupas e personagens foram desenhados a partir de referências fotográficas – um trabalho de pesquisa minucioso, que evitou, ao máximo, fugir do contexto histórico do livro. As ilustrações foram feitas digitalmente, porém, usando uma técnica que se aproxima da pintura tradicional. Inclusive, as pinceladas soltas remetem ao movimento impressionista, em alta na época do autor”, detalha Verônica.

O romance original “Quincas Borba” é leitura obrigatória em diversos vestibulares do país. Machado de Assis (Rio de Janeiro, 1839-1908) foi um dos mais importantes escritores brasileiros de todos os tempos, tendo se destacado como romancista, contista, cronista, dramaturgo, crítico literário e poeta. Teve uma infância difícil e aprendeu quase tudo de forma autodidata. Ascendeu socialmente trabalhando em serviços públicos. Em sua maturidade, com colegas, fundou a Academia Brasileira de Letras, da qual foi seu primeiro presidente. Sua extensa obra inclui dez romances, mais de duzentos contos, dez peças teatrais, cinco coletâneas de poemas e sonetos, além de mais de seiscentas crônicas.

 

Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *