Conheça a Crivo, a Crivinho e etc

Em todos os selos do grupo editorial, a bibliodiversidade e diferentes temáticas têm preferência e os novos autores são acolhidos junto com os veteranos

Fotos: Deborah Rocha / Divulgação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conhecida em Minas Gerais por lançar jovens poetas, a Crivo Editorial vem, desde 2012, colecionando novos selos e ampliando seu olhar sobre Belo Horizonte. A editora busca ressoar diversas vozes em suas publicações. Abordando temas no campo social, político e humano, ela se torna mais que um projeto editorial, e passa a ser um projeto político que abraça temas em prol dos direitos humanos, da diversidade e da cultura.

Com quase 150 livros no catálogo, a Crivo também desenvolve ações focadas em estimular a cultura e o pensamento crítico. Um dos projetos é o “Poesia Incrível”, que seleciona originais de novos poetas e faz lançamentos com distribuição gratuita dos exemplares. “A partir das publicações, a Crivo se aproxima dos nichos sociais e artísticos da cidade. A cidade é um livro. O objetivo é ser um editorial, além de uma editora. É um projeto poético-político. Queremos que as pessoas busquem saber o que a Crivo pensa sobre os assuntos da cidade. O livro é a partida e não a chegada”, destaca Lucas Maroca de Castro, um dos três sócios.

Atualmente, a editora – ou editorial, como se reconhecem – trabalha com cinco selos: Crivo, Crivinho, Universo & Cidade, Trinca Edições e Bigorna. Apostando na bibliodiversidade, os selos comportam linhas temáticas diferentes: o selo Crivo aborda literatura em geral, cultura, arte, poesia e prosa, e conta com autores Adriana Godoy, Cecília Lobo, Duda Riedel, Felipe Guisoli, Fernando Siqueira, Fernando Suhet, Filipe Mantovan, Gabi Artz, Gabriela Freitas, Gaby Andrade, Helena Ferreira, Hugo Lima, Juliane Araújo, Kdu dos Anjos, Olivia Gutierrez, Samantha Silvany, Saulo Pessato, dentro muitos outros.

Para o público infantil, o selo Crivinho traz publicações como “Nico: o gato que tinha medo de altura”; o “Sabiá e a menina”; “Coração do Mar”, “Um lugar para imaginar”, “Pé de pipa”, “O menino das cem palavras”, “Outra vez Mariana” dentre muitos outros; além de uma promissora coleção de livros infantis escritos por crianças, chamada Pé de Feijão.

O selo Universo & Cidade trata de temas políticos, sociais, acadêmicos e científicos: “Que acenda a primeira pedra: ecos da cracolândia” do autor Luis Guilherme de Almeida; ou os títulos “A escola navega na web: que onda é essa?” e “O que as escolas precisam saber sobre as diferenças?” de professores universitários de Belo Horizonte. É no Trinca Edições que encontramos um selo que trabalha, por exemplo, temáticas evangélicas, como os livros da autora Cecilia Sfalsin; já publicações voltadas para o público jovem como aventura e histórias fantásticas são tratadas no selo Bigorna.

A Crivo traz, ainda, relevantes Coleções como a Poesia InCrível e a Compartilh@… E já possuem outras três novas apostas para 2021. Referência na cidade, a editora já esteve presente em importantes eventos literários como Primavera Literária, Virada Cultural, Terças Poéticas, 2º Festival Livro na Rua (FLIR) e o Festival Literário Internacional de Belo Horizonte (FliBh), dentre outras.

A Crivo tem afirmado diariamente o seu papel de ser mais do que uma editora: construir-se como um editorial. E tem como objetivo catalisar vozes de autores e pessoas que escrevem e se manifestam por cidades melhores: mais humanas, justas e diversas.

Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *