Casal Möller lança a Dialogar Editora

Em Porto Alegre os advogados e escritores, Josué e Letícia, acendem uma nova tocha para aquecer o mercado literário no Brasil e, através de parceria editorial, penetrar também em nichos da Alemanha. O objetivo é trazer novas perspectivas para os escritores e principalmente oferecer livros produzidos com muita responsabilidade para atender aos interesses do leitor infantil, juvenil e adulto.

Josué e Letícia Möller: “Não teremos fronteiras e desejamos alcançar autores e leitores de todos os lugares” – Foto: Divulgação

 

Rosa Maria: Muito bom saber que está chegando uma nova editora no mercado. Apresente a Dialogar.

Letícia Möller: A Dialogar surge do nosso amor pelos livros _ meu e de meu marido Josué, que compartilha comigo o cargo de editor. É o amor pelo conhecimento, pelas ideias, palavras e narrativas. Vem de um interesse profundo que está inscrito nos nossos percursos de estudo, leitura e formação. Aos poucos foi crescendo em nós a vontade de participar de todas as etapas da produção de um livro, de apresentar novas obras e autores e também de promover traduções, fazendo ‘dialogar’ nosso contexto social e cultural com outros contextos e culturas. Também são sócios da Dialogar e membros do Conselho Editorial Executivo, José Roberto Goldim e Márcia Santana Fernandes.

RM: A literatura infantil é o nicho principal ou o único da editora?

LM: Sem dúvida a literatura infantil tem uma relevância muito grande dentro da editora, por acreditarmos na importância da literatura para o desenvolvimento pessoal e coletivo, para a formação de pessoas com mais consciência cidadã, capacidade de pensamento crítico e empatia. Nada melhor que o interesse pelos livros comece na infância, enriquecendo o mundo da criança com múltiplos olhares, linguagens, pensamentos, relações, influindo no adulto que ela se tornará. Mas teremos diferentes selos e coleções. Um dos nossos segmentos principais é o de livros acadêmicos e ensaística na área de Humanidades e Ciências Sociais. Em breve inauguraremos esse segmento com a publicação do livro “Direitos humanos e relativismo cultural: termos de um paradoxo? Condições para uma justiça sem fronteiras”, de Josué E. Möller.

RM: A Dialogar vai atuar no mercado regional, Porto Alegre, ou vai se estender mais?

LM: Não teremos fronteiras (risos). Desejamos alcançar autores e leitores de todos os lugares. Inclusive, um de nossos próximos lançamentos é a concretização de um projeto que começamos a tecer em 2020, uma parceria editorial entre a Dialogar e a editora alemã GiraBrasil para publicação de livros infantis bilíngues português-alemão. Esse projeto de diálogo entre culturas estreia com a publicação de “Pedro e Lisa: Aventura no Brasil / Pedro und Lisa: Abenteuer in Brasilien”, escrito por mim, ilustrado por Carla Pilla e traduzido para o alemão por Britta Moench-Pingel, editora da GiraBrasil.

RM: Trata-se de uma editora para autores independentes ou inserida na forma tradicional de publicação?

LM: Publicamos tanto autores independentes como aqueles que já têm uma trajetória e desejamos sobretudo dar espaço a novos autores. O importante é a qualidade e a coerência do texto e das ideias. Todo original recebido passa por uma avaliação muito criteriosa do conselho editorial. Nosso diferencial está na relação próxima com o autor, na possibilidade de o autor participar de todo o processo de produção do livro, opinando e decidindo conosco.

RM: Quais as diretrizes literárias que está implantando?

LM: Nosso propósito é o de publicar livros que de alguma maneira dialoguem com os valores que nos movem: democracia, cidadania, direitos humanos, ética pública, ética nas relações pessoais e nas organizações, empatia, pluralismo, inclusão, justiça, cultura, sustentabilidade. E isso vale também para os livros infantis. Acreditamos que podemos conversar sobre todos esses temas com as crianças. O livro infantil deve, antes de tudo, tratar a criança com respeito, sem subestimar sua curiosidade e inteligência.

A Dialogar já fez alguns lançamentos de literatura infantil. “Nada melhor que o interesse pelos livros comece na infância, enriquecendo o mundo da criança com múltiplos olhares, linguagens, pensamentos, relações, influindo no adulto que ela se tornará”, afirma Letícia Möller – Foto: Divulgação

 

RM: Quais são as publicações de lançamento da Dialogar? Dá a sinopse dos livros de literatura infantil.

LM: Vamos aos lançamentos do selo Dialogar Kids

“Marieta, a menina desanimada que não comia quase nada” – Autora: Priscila Magalhães; Ilustrador: Paulo Magalhães

Marieta não gosta muito de experimentar novos alimentos. Ela se parece com tantas crianças que conhecemos: só quer saber de balinhas, bolachinhas, batatas-fritas e sucos de caixinha. E faz careta para os alimentos coloridos e que são tão importantes para o nosso corpo e para um crescimento saudável. Com a ajuda da bruxinha Didi, e um pouco de boa magia, ela descobrirá que comer pode ser muito divertido, um mundo delicioso de cores e sabores.

No blog publicamos uma resenha sobre esse lançamento, que pode ser lido neste link https://contaumahistoria.com.br/2021/06/marieta-a-menina-desanimada-que-nao-comia-quase-nada/

“A menina feita de sonhos” – Autora: Claudia W. Klein; Ilustradora: Samanta Flôor

O mundo infantil é rico em fantasia, criatividade e sonhos que se misturam ao faz de conta das brincadeiras. A menina desta história tem um olhar sensível para as coisas que a rodeiam e a mente cheia de sonhos. É patinadora, cientista, bailarina, enxadrista… e pianista. Este, o sonho forte que não a abandona. Todos nós, crianças e adultos, cultivamos nossos sonhos – e é assim que deve ser! E você, tem muitos sonhos?

“Pedro e Lisa: aventura no Brasil” / “Pedro und Lisa: abenteuer in Brasilien” (bilíngue) – Autora: Letícia Möller; Ilustradora: Carla Pilla; Tradutora: Britta Moench-Pingel – Co-edição Dialogar e GiraBrasil

É inverno na Alemanha. Da janela, Lisa Fuchs olha a neve cair, cobrindo as árvores de branco. Ela sente falta da alegria do verão. Mas o inverno não será tão longo para Lisa. Ela está prestes a embarcar numa viagem para o outro lado do oceano. Lisa estuda português e fará um intercâmbio para o Brasil. A aventura da sua vida!

Lançamentos da Coleção Ser, Cuidar, Viver

“Somos todos paliativos: a história inspiradora de uma oncologista com câncer” – Autora: Adriana Santini; Organização e preparação textual: Débora Rubin

O livro de Adriana Santini não conta a história de uma doença. Nem a história de uma médica doente. É a história de uma vida, com seus altos e baixos, suas grandes alegrias e profundas tristezas. A transformação da menina retraída e estudiosa em uma jovem mulher segura de si. A busca pela realização do sonho de ser médica, a formação e a dedicação constantes. Tornar-se mãe. A dor por perdas irreparáveis. A descoberta do momento presente, de viver cada instante. A defesa da empatia, fundamental na relação médico-paciente e em todas as nossas relações. A leveza possível – e necessária – até mesmo nas circunstâncias mais difíceis.

Com uma narrativa intensa e espirituosa, Adriana Santini compartilha conosco sentimentos e experiências tocantes e nos convida a não perdermos a esperança e a alegria de viver.

Lançamentos Selo Dialogar | Acadêmicos e Ensaios –  Coleção Justiça e Direito:

“Direitos humanos e relativismo cultural: termos de um paradoxo? Condições para uma justiça sem fronteiras” – Autor: Josué Emilio Möller

Em instigante ensaio jurídico e filosófico, Josué E. Möller parte das ideias-chave de ‘cultura’ e ‘direitos humanos’ em suas múltiplas interpretações para analisar o (aparente) paradoxo existente entre os valores sustentados pelas concepções relativista e universalista acerca dos direitos humanos, refletindo sobre a possibilidade de uma conciliação que preserve condições de alteridade e reciprocidade entre culturas e viabilize a realização da justiça no ambiente global, o que destaca pela ideia de uma ‘justiça sem fronteiras’ fundada na concretização e promoção de ‘direitos humanos fundamentais’.

RM: Como você avalia o mercado literário atualmente?

LM: Vejo aspectos muito positivos, como o surgimento de novas editoras independentes, que abrem espaço a novos autores e a obras mais diversificadas. Há um dinamismo e uma vontade de inovar e realizar. Há uma oferta maior em literatura e ensaística, uma diversidade de olhares, linguagens e visões de mundo. E isso é maravilhoso. O difícil é realizar tudo isso em meio a um contexto sombrio como o que estamos vivendo, e nem me refiro à pandemia, que certamente trouxe grandes desafios ao mercado do livro, mas ao recrudescimento de discursos de menosprezo à ciência, ao conhecimento e às artes, e de visão elitista, da qual é um exemplo a opinião de que o livro é produto a ser consumido pela elite e a pretensão de taxação do livro, o que tornaria mais caro e difícil o acesso à leitura.

RM: Você é autora de vários livros de literatura infantil. A carreira de escritora vai continuar (pelo que percebi) ou a Dialogar vai ser dedicação integral?

LM: Com certeza vai continuar. A escrita para mim é fundamental, é meu modo de estar no mundo, de me compreender e me expressar. É uma grande alegria poder compartilhar percepções, ideias e sentimentos com as crianças, através dos livros. O trabalho na editora vem se somar à minha escrita, à advocacia, à atuação como consultora em ética das organizações e à maternidade (sou mãe de dois meninos). Com o tempo fui me habituando a encarnar diferentes ‘personas’…

RM: Conta sobre sua história com a literatura. Como tudo aconteceu?

LM: Começou na infância. Meus pais liam muito, os livros eram presença constante em casa. Desde cedo as palavras, as imagens e a estética dos livros me fascinaram. Achava maravilhoso o objeto livro, e maravilhosa a liberdade de criar. Queria eu também inventar histórias e personagens. Com 7 anos comecei a escrever, fazia livrinhos e brincava de ser editora. Durante a faculdade de Direito, escrevi menos literatura, mas segui sempre lendo muito. O primeiro livro infantil publicado veio em 2010, após as primeiras publicações na área jurídica. Foi quando consegui me dedicar mais à escrita literária novamente. De lá para cá, foram 7 livros infantis publicados e o oitavo está sendo lançado agora.

Apresentação do staff da Dialogar Editora

Letícia Ludwig Möller é escritora, advogada, Doutora em Sistemas Jurídicos e Político-Sociais Comparados e autora de livros para a infância e obras sobre direitos humanos e bioética.

Josué Emilio Möller é advogado, professor de Ética e Filosofia do Direito, Doutor em Sistemas Jurídicos e Político-Sociais Comparados e autor de obras sobre teoria da justiça e direitos humanos.

José Roberto Goldim é biólogo, professor de Bioética, Doutor em Ciências Médicas e autor de obras sobre variados aspectos da reflexão bioética.

Márcia Santana Fernandes é advogada, professora de Direito Civil, Doutora em Direito Privado e autora de obras sobre propriedade intelectual, privacidade e proteção de dados.

 

 

 

 

Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *