“Frida Kahlo e seus animalitos”

Livro infantil apresenta retrato biográfico da pintora mexicana a partir de sua relação com os animais de estimação 

Lançamento da FTD Educação no Brasil, “Frida Kahlo e seus animalitos”, da escritora norte-americana Monica Brown, com tradução de Laura Erber, ganhou reconhecimento da crítica internacional ao contar para os pequenos leitores a história de superação da artista de reconhecimento mundial.

A biografia da pintora mexicana Frida Kahlo ganhou uma versão infantil bem original a partir da sua relação com inúmeros e curiosos animais de estimação e como isso a ajudou a enfrentar as dificuldades causadas pela doença na infância, poliomielite, e um grava acidente aos 18 anos de idade.

Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderon era o nome completo da mexicana Frida Kahlo, que nasceu em 1907 e morreu em 1954. Os dois períodos em que ela adoeceu e precisou ficar muito tempo de repouso por causa da poliomielite e acidente afloraram o talento dela como artista plástica e a importância dos companheiros, pois, enquanto pintava seus quadros tinha sempre a companhia de seus animais de estimação. Frida, no entanto, estendia o tempo de convivência com esses bichos por todo o dia, inclusive, nos momentos de repouso ou sono.

Esses companheiros não eram só animais domésticos, o que a autora revela nas primeiras páginas do livro.

“Esta também é a história de dois macacos, um papagaio, três cachorros, dois perus, uma águia, um gato preto, pavões e um cervo: os bichos de estimação de Frida e também eram especiais.”

Na breve biografia da pintora que a autora, Monica Brown, escreveu ao final do livro, ela esclarece o seguinte: “Sempre me intrigou a relação de Frida com seus animais. Embora seus mais famosos bichos de estimação só tenham acompanhado a artista na vida adulta, escolhi escrever sobre os “animalitos” de Frida como uma forma de sublinhar a criatividade mágica _ sua força, seu senso de aventura, seu espírito indomável _ que marcou sua trajetória. Que tipo de luz poderiam trazer esses amados animais para a jovem Frida? Foi uma honra utilizar o real maravilhoso para imaginar tudo isso”, conclui Monica Brown.

Os nomes dados para cada um dos animais também revelam muito sobre a relação deles com Frida Kahlo: Fulang Chang, Caimito del Guayabal, Bonito, Señor Xolotl, Señorito, Capulina e Señora Kosti, Granizo, Gertrudes Caca Blanca, Galletacera e Tomic, Sombra, Kaganovich, Alfa e Beta. Qual nome pertence a cada um dos amados bichos, o leitor vai encontrar no livro à medida que a história se desenrola revelando o comportamento da pintora com eles.

“Os animalitos de Frida eram espertos e divertidos, exatamente como ela. Quando seus macacos-aranha se comportavam bem, Frida ninava-os como se fossem dois bebês. Às vezes, eles faziam travessuras, roubavam meias e frutas e saltavam pelas janelas para que ninguém conseguisse agarrá-los!”

Seu papagaio Bonito gostava de se aconchegar debaixo das cobertas enquanto Frida cochilava e de fazer números na hora do jantar para ganhar lascas de manteiga.”

O livro “Frida Kahlo e seus animalitos” conta, de forma breve, a história da pintora mexicana da sua infância até ela se tornar uma artista mundialmente reconhecida, destacando a força do seu espírito criativo em meio aos desafios e limitações que a vida lhe impôs.

A autora Monica Brown fala das características físicas e de personalidade de Frida e, para isso, se inspirou nos queridos “animalitos” da artista, criando um texto leve, interessante e que desperta a curiosidade de quem lê. Assim, o perfil de Frida vai sendo desenhado enquanto os animais são apresentados ao leitor.

“Quando Frida pintava, seus bichos de animação lhe faziam companhia. E ela pintava o tempo todo, enquanto os pássaros cantavam, os cães latiam e os perus dançavam no jardim. Os animais de Frida eram seus filhos, seus amigos e sua inspiração.”

“Frida pintava quando estava doente e sentia dores, e também quando estava alegre. Pintava quando Diego (0 marido) estava longe e ela ficava triste. Mas Frida nunca estava realmente sozinha na Casa Azul, uma casa de um azul muito vivo na Rua Londres. Tinha seus “animalitos” e a si mesma, e pintava tudo isso.”

Ainda segundo a biografia escrita pela autora do livro, vale destacar:

Entre 1926 e 1954, Frida Kahlo pintou mais de 200 quadros, um presente para o futuro. Das obras, mais de 50 são autorretratos. Seu trabalho inspirou sucessivas gerações de artistas e todos aqueles abertos ao esplendor dos seus olhos curiosos. Sua arte é também um presente para aqueles que enfrentam doenças em silêncio. Frida usou seus pincéis para extrair beleza da dor e para encontrar força em meio ao sofrimento.”

A produção

As ilustrações do livro são do norte-americano John Parra e a tradução de Laura Erber, escritora, ensaísta, artista visual e professora do Departamento de Teoria do Teatro da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). As ilustrações constroem uma bela narrativa visual, revelando uma cuidadosa pesquisa de elementos tanto da cultura mexicana quanto das próprias obras da pintora.

Reconhecido pela crítica internacional, esse livro recebeu importantes prêmios, como Pura Belpré Illustrator Honor (2018), ALA Notable Children’s Book (2018), Bank Street Best Children’s Book of the Year (2018), New York Times/New York Public Library Best Illustrated Children’s Book (2017), Barnes & Noble’s Best Book (2017) e Smithsonian Top Ten Best Children’s Book (2017).

“Este livro de Monica Brown é uma ótima oportunidade para o pequeno leitor conhecer a belíssima história de superação da artista mexicana Frida Kahlo. Mesmo enfrentando doenças e sequelas de um acidente, ela nunca deixou de pintar — sempre na companhia de seus animalitos, que aparecem em várias de suas obras”, comenta Bruna Brito, editora da FTD Educação.

A autora Monica Brown nasceu nos Estados Unidos, é professora de Língua Inglesa na Universidade Northern Arizona e especialista em Literatura Latina Norte-Americana e Literatura Multicultural. É autora de obras premiadas, como Waiting for the Biblioburro (Esperando pelo Biblioburro) e Frida Kahlo e seus animalitos. Suas obras são inspiradas por sua herança judaica e peruana e pelo desejo de levar às crianças histórias variadas.

O ilustrador John Parra nasceu em Santa Bárbara, na Califórnia (Estados Unidos), em 1972, e graduou-se no Art Center College of Design, em Pasadena, também na Califórnia. Sua herança cultural hispânica proporciona a ele uma rica paleta de imagens e costumes. Murais mexicanos, surrealismo e arte folk são algumas das influências visuais que podem ser encontradas nos trabalhos do artista. É um ilustrador premiado, conhecido por seus livros infantis.

A tradutora Laura Erber nasceu no Rio de Janeiro, em 1979. É escritora, ensaísta, artista visual e professora do Departamento de Teoria do Teatro da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). Formou-se em Letras e é doutora em Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Publicou quatro livros de poesia, um deles finalista do Prêmio Jabuti na categoria Poesia, além de contos e ensaios em diversas revistas. Em 2012, fez parte da lista dos vinte melhores jovens autores brasileiros da revista Granta.

O livro “Frida Kahlo e seus animalitos” é recomendado a partir do 3° ano, tem 40 páginas, custa R$ 49,00 e pode ser adquirido no e-commerce da FTD Educação no link https://compre.ftd.com.br/

 

Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *