Ursinho conta histórias interativas

Estrela lança nova geração do urso que conta histórias. Brinquedo tem uma tecnologia engenhosa para o entretenimento das crianças

Estrela lança urso pré-escolar que conta histórias e a criança pode escolher o final apertando seus sensores – Foto: Divulgação

 

Mas, neste mês, eu recebi informação do fabricante a respeito de uma nova versão desse Urso Web Contador de Histórias. Pena que a Estrela não discriminou a evolução tecnológica do brinquedo nem o repertório literário e apenas afirma ser um urso pré-escolar que conta histórias e a criança pode escolher o final apertando seus sensores. São quatro sensores nos braços e pernas, possibilitando a interação da criança com o seu novo amiguinho. O brinquedo é recomendado a partir de 3 anos de idade.

Mas, através de uma pesquisa, eu descobri o Rodrigo Feliciano, que tem um site na web e um canal no Youtube, “Pakéquis”, sobre Eletrônica em geral, e que abriu o brinquedo e destrinchou toda a tecnologia embutida nele para que possa contar suas histórias.

Acho interessante conhecer tudo o que há por dentro do urso. A criança é super curiosa e já nasce gostando de tecnologia. Contar e ajudar a criança entender como o bichinho funciona é tarefa para um adulto. Deixá-la, assim, interagir mais com o seu ursinho falante deve ser bem divertido para ela.

Como funciona

Imagens: Site Pakéquis

 

Por isso, acompanhe aqui, a análise do Rodrigo Feliciano sobre o funcionamento do Urso Web Contador de Histórias da Estrela, na sua primeira versão, por que vai dar uma direção para você entender a lançamento atual.

“O Urso Web, da primeira vez que foi lançado pela Estrela, não fez sucesso. Ele podia ser descrito como uma versão mais moderna do Teddy Ruxpin e com tecnologia nacional. Ao contrário do Teddy, no lançamento da Estrela era possível mudar o rumo da narrativa em algumas partes apertando os sensores. A tal da tecnologia nacional, ainda em 2001/2002, foi feita pela Constata.

Na caixa, além do urso, vinha um cabo para internet e dois “Web Cards”. Os Web Cards, nos anos citados, eram cartões de papelão com um código para baixar quatro atividades (histórias interativas) para carregar no urso. O Cabo para Internet era um cabo com um DB9 numa ponta e um conector DIN na outra. Nas costas do urso, abrindo o velcro, dava pra ver o conector fêmea marcado como Entrada para Internet.
Ao contrário de outros bichos de pelúcia, que eu já desmontei, este até foi fácil de abrir. A parte de pano estava fixada por presilhas plásticas (cada um chamava isso de um nome diferente e foi só cortar a do pescoço e uma embaixo que a “pele” saiu e ficou assim:
Sete cabos (6 sinais e 1 GND) saíam da caixa principal do brinquedo para os sensores das mãos, pés, barriga e reset (nas costas). Estes sensores funcionavam apenas como chaves comuns que comutam o ‘terra’ para os outros fios quando apertadas. Eles foram montados em plaquinhas como esta:

Aberta a caixa principal encontrei a placa, o alto falante e a caixa redutora com o motor que movia os lábios do urso:

Placa vista por cima:

Placa vista por baixo:

Muito bom o uso de conectores deste tipo para os fios, pois foi possível tirar a placa toda sem precisar ‘dessoldar’ ou cortar fios. No canto superior esquerdo está o conector DIN marcado como RS232 (a entrada para internet). CR1 é um cristal de 16 MHz para o microcontrolador (que está embaixo, já chego lá) e os dois transistores eram um BC337 (Q2) e um BC547 (Q1).
Estes dois transistores controlam o motor que move a boca do urso. O arranjo é bem legal com um circuitinho ligado diretamente ao alto falante (de 32 Ohms x 0.5W), assim a boca se mexe conforme a fala do urso. O alto falante é ligado ao CI DIP da foto que é um MSP53C391  (sintetizador de voz).

U1 era um ST232K (MAX232 genérico) para a serial. U4, U5 e U6 eu não consegui encontrar mais informações (são da ST com a marcação 4256AW6). Desconfio que eram memórias EEPROM de 32kB cada, onde ficavam guardadas os arquivos de áudio (a história que o urso conta). O CI de 20 pinos era um microcontrolador MC68HC908JK1 da Motorola. Este microcontrolador possui apenas 1.5kB de memória Flash sem um serial por hardware. O pessoal da Constanta deve ter tido um trabalhinho bom criando a serial para o RS232, a SPI para as memórias e a comunicação com o sintetizador, tudo por software, e enfiar nesses 1.5kB.

A parte mecânica era bem simples com apenas um motor. Olha a caixa de redução aberta:

Toda essa redução no final ficava puxando uma mola que move a boca do urso.

Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *